rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

domingo, outubro 12, 2008

O camartelo, de novo...

Era uma vez um camartelo intolerante, primário, medíocre, mas convencido que era um deus no olimpo. Destruía todo o edifício que lhe aparecesse. Este era demasiado baixinho, não tinha envergadura, era rastejante, era preciso demoli-lo também. Outro, porque fazia pouco ruído, era silencioso em demasia, não obedecia ao seu critério único, exclusivo, intolerante!
E conseguia persuadir outros mini-camartelos. Até que chegou ao topo. Aí, começaram a surgir outros camartelos que achavam que o camartelo no poder era para abater, tal como ele fizera aos antecessores. E assim foi derrubado. Mas a mania, a obsessão camertelóide continua.
E não há maneira de curar esta doença, que ultrapassa todas as previsões, resiste a todas as medicamentações, tornou-se multiresistente!... Como curar esta patologia tão entranhada?!

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home