domingo, outubro 13, 2019

A Banca Bordel paga o vício da Bola!

O País da banca.perdão 


É perdão e mais perdão
o poço já não tem fim
e paga o Zé Mexilhão
mesmo já sem um tostão
é pilim e mais pilim!!!


Está liso que nem pneu
e trabalha que se farta
o Zé, eterno sandeu,
queimado, pois tudo ardeu,
vão p'ró raio que os parta!!!



Esta banca é um bordel
um lupanar de megeras
prostitutas a granel
paga o zé, é o seu papel,
só buracos e crateras!!!

Zé Sá

quarta-feira, outubro 09, 2019

O Tempo , o rio e o Juiz

O rio do Tempo não pára
a saudade vai engordando
recebe a memória mais rara
e o afecto sempre dispara
quando o Tempo vai dilatando...

Se olharmos p'ra trás, p'rá nascente,
sacrário de recordações
vogando ao sabor da corrente
vemos o Juíz, tão clemente,
a julgar as nossas opções...


Ramos de Barros






domingo, setembro 29, 2019

Será que o chamado "sindroma de rangel" existe mesmo?!!!

«Ivo Rosa é acusado de reter os recursos interpostos pelo MP junto do Tribunal da Relação no caso da Operação Marquês, a qual tem como principal arguido o ex-primeiro-ministro José Sócrates.
O juiz Ivo Rosa está a ser acusado pelos procuradores Rosário Teixeira e Vítor Pinto, do Departamento Central de Investigação e Ação Penal (DCIAP), tendo em conta o debate instrutório da Operação Marquês, de reter recursos interpostos pelo Ministério Público junto do Tribunal da Relação, escreve este sábado o jornal Público
A acusação feita pelos procuradores consta de uma reclamação enviada para o Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) a 20 de setembro, na qual Ivo Rosa é acusado de “relegar a subida dos recursos [do Ministério Público] para o que se interpuser da decisão final, acabando por violar objetivamente a lei, e deixar o processo seguir para o julgamento completamente “minado!”.

Em causa estão as decisões tomadas por Ivo Rosa em junho deste ano — referentes ao processo no qual o principal arguido é o ex-primeiro-ministro José Sócrates –, que considerou que os depoimentos do banqueiro Ricardo Salgado, no âmbito do processo “Monte Branco” e no caso do Banco Espírito Santo, e as declarações de Hélder Bataglia não podiam ser usados como prova na Operação Marquês. O magistrado lembrou, então, que, segundo o Código do Processo Penal, as declarações dos arguidos embora possam ser valoradas em julgamento, mesmo que eles não queiram falar, só podem ser usadas nos processos em que foram proferidas.
Os procuradores Rosário Teixeira e Vítor Pinto recorreram de ambas as decisões de Ivo Rosa, mas, esclarece o Público, os recursos não foram logo enviados para o Tribunal da Relação, que tem como função apreciá-los, e sim para o fim da fase instrutória. Segundo os procuradores, Ivo Rosa “vem decidindo oficiosamente nestes autos, a pouco e pouco, tipo ‘conta-gotas’, pela invalidade ou pela impossibilidade de utilização de provas deste tipo, em vez de guardar essa decisão para o momento oportuno ou adequado, que é o da decisão instrutória”.
Já antes o Observador escreveu que o juiz Ivo Rosa, que preside à instrução do processo, (uma fase que funciona como um pré-julgamento em que o magistrado vai decidir se o caso segue para julgamento, com que arguidos e quais os crimes), levanta dúvidas sobre algumas das provas que constam no processo. Há mesmo gravações, apreensões de ficheiros e quebras de sigilo que podem vir a ser invalidades pelo magistrado.»

terça-feira, setembro 24, 2019

In Memoriam







A morte, vil ceifeira já levou
esta manhã tão tristonha, tão chorosa,
a fiel companheira, sempre airosa
um vazio,  bem escuro,  cá ficou.

Era a "Pretinha", sempre tão querida,
já na terceira idade (vinte anos).
parecia sorrir, gozar a vida,
agora, no além,  tem novos planos...

Fica a "Nina", fofinha e delicada
preenchendo o vazio assim nascido
mas nunca cairá no triste olvido
neste pisa-papéis sempre lembrada...

Ramos d e  Barros

Em plena Vida a Violência

Em Plena Vida e Violência


Em plena vida e violência
De desejo e ambição,
De repente uma sonolência
Cai sobre a minha ausência.
Desce ao meu próprio coração.

Será que a mente, já desperta
Da noção falsa de viver,
Vê que, pela janela aberta,
Há uma paisagem toda incerta
E um sonho todo a apetecer ?



Fernando Pessoa, in "Cancioneiro"





quarta-feira, setembro 18, 2019

Antevisão do Benfica vs Leipzig

Será um jogo difícil e um empate já nao seria mau, pois devem ser as melhores equipas. Há um esgotamento evidente nalgumas peças: Ferro, Raul de Tomás e Seferovic, sobretudo. Seria útil jogar com tres centrais para compensar o avanço dos laterais. Talvez úm trinco como Samaris seja suficiente. O Leipzig tem força e velocidade e joga nas triangulações. É hora de alterar o sistema táctico para criar surpresa. Talvez o Cádis ainda fosse uma peça importante, como agora se vê com  o actual panorama. Contudo,  Jota poderá ser uma boa solução. Oxalá a vitória surja mas o empate neste primeiro jogo já não era mau pois nesta fase os pontos é que contam. E que a deusa fortuna vista de encarnado é o que se deseja também. A deusa abaixo ficou célebre com o milho-rei, oxalá ele apareça para o nosso lado, claro.



desfolhada

sábado, setembro 14, 2019

Parábola da Confiança Cega e Tola

Parábola da confiança cega e tola!



Confiai, ó ignaras criaturas,
nos juizes, são tão imparciais,
que nos tratam, a todos, por iguais
não recebem avenças, sinecuras...


Confiai nos banqueiros portugueses
gente boa, com honra e pundonor;
guardam nosso dinheiro com fervor
não roubam ... só "desviam"... muitas vezes.



O país só precisa Confiança
o resto, por acréscimo, há-de vir
ser optimista é, vou garantir
a chave do sucesso, da abastança!



DISCURSOS DESTES VÊMO-LOS AOS MOLHOS
DISCURSOS DO VILÃO, DO SALAFRÁRIO,
QUE QUER FAZER DO POVO TRISTE OTÁRIO
DUVIDAI! DESPERTAI! ABRI OS OLHOS!

2019-09-14
RAMOS DE BARROS


A SER VERDADE QUE DIZER??? VER ISTO


sexta-feira, agosto 30, 2019

Salvar a amazónia, já!


  Floresta virgem e luxuriante
que emanas saúde e vitalidade
és fonte inebriante
um hino à divindade
te cultuo com respeito
te venero com paixão
a ti, floresta, presto o meu preito
do mundo sou cidadão
quero que vivas sem sofrimento
que o fogo,  seja o do viver
sempre e a todo o momento,
sem lume, sem mata a arder;
és símbolo da humanidade
assim desnuda e selvagem
és de deus a vera imagem
mas  asno-homem quer lá saber!