segunda-feira, dezembro 31, 2012

PREVENIR DOENÇAS, forma de patriotismo...

O secretário de estado da saúde alerta que é preciso manter a sustentabilidade do SNS e daí afirma que a prevenção é um imperativo nacional.VER AQUI

António Costa, muito à frente no seu tempo, tomou esta iniciativa pioneira:
«O trabalho dos animais é pouco mas quem o não aproveita é louco! Na câmara de Lisboa já tenho estes exemplares a trabalhar nas limpezas para evitar doenças e contribuír, de forma preventiva, para a sustentabilidade do SNS


Nem La Palisse diria melhor! Com a crise em que nos encontramos  ficar doente é um perigo, pois a morte é cada vez mais a solução mais «racional» para evitar desperdício...

sábado, dezembro 29, 2012

2013 regresso aos mercados!


Que o ano de 2013 seja excelente para todos e que o regresso aos mercados seja positivo para todos nós. Afinal sem mercado não somos nada. Para alguns ele é uma espécie de novo-deus
Que haja saúde, dinheiro e amor, na medida das possibilidades de cada qual, e, acima de tudo, saibamos viver pensando sempre que HÁ MAIS VIDA PARA ALÉM DOS MERCADOS!

Pinto da Costa fez anos e...

O líder do F. C do Porto fez anos e deu-lhe para falar no seu sucessor. Disse que espera seja gente boa.
Sucessores, putativos candidatos à coroa não faltam, contudo, se serão «gente boa» só os sócios poderão ajuizar.
Hoje, num café, ouvia alguns comentários: Talvez o Gomes, ou o Baía tenham perfil para o lugar, dizia um. Nada disso, atalhava outro, o Rui Moreira é muito mais completo, esse sim é que dava um bom presidente. E o Guilherme Aguiar, esse então tem mesmo aquele espírito sarcástico, capaz de substituír o actual presidente. E o Fernando Gomes, o antigo presidente da câmara, esse então era o ideal, garantia outro... e o padre das Antas, o padre Jorge, até tem o mesmo nome, ficava o dragão abençoado... nem era preciso ir a Fátima pedir à Virgem, como faz o Pinto da Costa...

Enfim, o que mais há é gente boa para ocupar o pedestal. Será que Pinto da Costa quer mesmo dar o lugar a outro, ou quererá ficar até ao fim dos seus dias... no podio do dragão?!
http://www.dn.pt/desporto/...

segunda-feira, dezembro 24, 2012

Mike Papa, astrólogo...

Mike Papa o famoso sagui que nos Estados Unidos ombreia em popularidade com o próprio Obama e está a ser tatuado nos braços da juventude que o pretende homenagear por causa das suas previsões certeiras, sobretudo no que toca a fenómenos geológicos e atmosféricos, vai revelar alguns segredos para 2013. Ei-los:

1- Um tufão atingirá a costa oriental dos Estados Unidos e provocará danos nunca vistos...
2- Uma figura de dimensão cósmica terá morte inesperada e insólita.
3-Um atleta de ciclismo verá o seu nome manchado por um caso extra desportivo.
4-No Brasil, um acontecimento de índole racista desencadeará um tumulto de grandes proporções.
5- No Irão  acontecerá algo de muito grave, desencadeando um efeito dominó de consequências desastrosas.
6 - No Japão um fenómeno   meteorológico  perturbará seriamente a vida e a economia nipónica.
7- Na Tailândia  um tsunami irá provocar milhares de mortos.
8-Em Portugal haverá um tremor de terra de contornos políticos. De efeitos colaterais e sequelas gravíssimas.
9- Um presidente de um clube de futebol nacional terá motivos para não mais sair de casa.
10- Aparecerá uma Nova Senhora, em Portugal, que gerará uma onda de entusiasmo e galvanização nacional.

domingo, dezembro 23, 2012

Entrevista com o Menino Jesus...


__Menino Jesus estás satisfeito com as iluminações, com os festejos em tua honra?
__Em verdade, em verdade te digo que a humanidade ainda não percebeu a minha mensagem. Eu não preciso de iluminações eu sou a Luz. Não preciso de foguetes nem de manifestações de júbilo quando vejo muito bem a falta de Luz __ Luz interior, é óbvio__que existe no mundo. Ainda agora disse ao Papa para libertar o seu mordomo, o pobre do Paolo Gabriele que quis fazer Luz sobre o que se passa no interior do Vaticano, espero que ele cumpra o que me prometeu e o liberte. Falei também com a Rainha de Inglaterra para libertarem o Julian Assange  que quis fazer Luz sobre as sombras promíscuas que pairam nas ditaduras mundiais. Ela, prometeu envidar os seus melhores esforços, mas lá veio com a lengalenga do costume:«eu não tenho poderes, tenho um cargo como o do Cavaco, sou apenas uma figura decorativa»...Enfim, vou ver se consigo liberdade para esse homem justo e bom que é Julian Assange que merece ser uma vera Luz da Verdade!
__Mas, e se o papa não libertar, e se os ingleses não permitirem a saída dessa criatura?
__Usarei os meus poderes para que isso aconteça...
__Posso saber quais, algum terramoto, algum tsunami?
__Nada disso, isso são manifestações demoníacas, eu tenho a arma da crítica, a Luz. Farei com que essses países percebam o quão importante é para os povos (que não para os governos, como é óbvio..) a divulgação  da Verdade. Hoje em dia, com a corrupção que grassa nas mentes, os corruptos diabolizam os denunciantes, os que poem a nu  a verdade, ficando eles impunes e com o manto da santidade sobre os seus pecaminosos ombros. Eu, a vera Luz do mundo, vou publicamente elogiar a denúncia pública como a virtude mais nobre e a única capaz de erradicar a corrupção e a criminalidade que vampiriza este mundo. O santo não é o que se vitimiza dizendo que foi vítima de denúncias, e tudo faz para não ser investigado pelos poderes competentes, há que santificar a tarefa dos que ousam fazer Luz sobre as misérias da administração pública, sobre os abusos dos detentores do poder, até do poder clerical. Há que enaltecer o papel de Paolo Gabriele e de Julian Assange, esses são a verdadeira Luz, esses é que deveriam receber o Nobel e não os corruptos da união europeia, envoltos em promiscuidades sem conta, entronizados à custa dos mercados financeiros que os santificaram injustamente...

Estranho Natal

NATAL
Se considero o triste abatimento
Em que me faz jazer minha desgraça,
A desesperação me despedaça,
No mesmo instante, o frágil sofrimento.

Mas súbito me diz o pensamento,
Para aplacar-me a dor que me traspassa,
Que Este que trouxe ao mundo a Lei da Graça,
Teve num vil presepio o nascimento.

Vejo na palha o Redentor chorando,
Ao lado a Mãe, prostrados os pastores,
A milagrosa estrela os reis guiando.

Vejo-O morrer depois, ó pecadores,
Por nós, e fecho os olhos, adorando
Os castigos do Céu como favores.



MMBB

sábado, dezembro 22, 2012

ORAÇÃO DE FRANÇOIS HOLLANDE...

Deus Todo Poderoso e Omnipotente,  que sois infinitamente justo, não deis o fim do mundo a todos. Usai um pouco de parcimónia. Olhai para os povos do sul da união europeia tão castigados de impostos, vão morrendo aos poucos por falta de assistencia médica, de alimentos, de habitação condigna, Fim do mundo é demasiado penalizador para tantos inocentes, tantos justos... Vós que sois infinitamente misericordioso tende compaixão dos portugueses, dos gregos, dos italianos, dos franceses, dos espanhóis, dos irlandeses, pois somos pessos de bem. Exterminai sim, os especuladores financeiros, os agiotas, os belicistas doentios que incitam os povos à guerra para venderem armas. esses sim, matam-se uns aos outros, para escoarem os stocks armamentistas que vão produzindo a um ritmo alucinante e também querem criar guerras em todo o mundo para escoarem esse material.
Nós somos franceses pacíficos, amigos de um bom vinho, de uma boa «bavardage», ao fim de um dia de trabalho extenuante.
Fim do mundo sim, mas para  a iniquidade, a sobranceria, o egoismo. Neste Natal libertai-nos do mal...Como diria o outro que fugiu para a Bélgica para não pagar impostos: só temos medo que o céu nos caia em cima!

sexta-feira, dezembro 21, 2012

ENGRÁCIA CRISTELO- Póvoa de Varzim

Ao ler o JN de hoje (VER AQUI) não pude deixar de recordar um episódio que ocorreu comigo ao balcão de uma seguradora na Póvoa de Varzim.

A cliente, uma briosa peixeira, de nome Engrácia Cristelo, pediu-me desculpa por trazer dinheiro sujo para pagar o seguro do seu carro. Estava com a roupa de trabalho no mercado da Póvoa de Varzim. 
 Eu, disse-lhe que o seu dinheiro__ a cheirar a peixe e até com escamas visíveis__ era o mais limpo possível, tomara eu que todos os clientes fossem portadores de dinheiro tão limpo como aquele. Ela ficou surprendida com a minha atitude. Expliquei-lhe então:

  __ D. Engrácia, este dinheiro é fruto de trabalho honrado, de  actos lícitos, de muito sacrifício, pelo contrário, o que eu considero dinheiro SUJO é o que alguns empreiteiros ou traficantes de influências conseguem à custa de favores do poder político ou de facilidades concedidas pelo fisco. Esse sim, é dinheiro SUJO, o seu é limpíssimo!!!

Agora, este empresário que não conseguiu descontar um simples cheque de 169 euros por causa de um gerente, preconceituoso, pedante, mal formado, é de bradar aos céus! Será  que o banco Totta é igualmente escrupuloso quando entram fortunas vindas  sabe-se lá de onde?! Que hipocrisia, meu Deus!

Sr gerente, é por causa de pessoas como o senhor, que ascenderam a esse posto por sinais exteriores de presunção, que o país está como está! Se aparecesse aí o Dr Duarte Lima ou o Dr Vale e Azevedo, bem vestidos, bem falantes, o senhor afivelava um sorriso canino, dava--se ares de lambebotas e tudo ia no melhor dos mundos, contudo, pensou que era um «romeno», como se isso, a nacionalidade, fosse um crime,  e fez o que fez!
Racismo, chauvinismo, talvez apenas estupidez crassa!!!

quinta-feira, dezembro 20, 2012

Ladainha do Natal Póstumo...

LADAINHA DOS PÓSTUMOS NATAIS

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito

DAVID MOURÃO-FERREIRA, OBRA POÉTICA, 1948-1988, EDITORIAL PRESENÇA, 4.ª EDIÇÃO

quarta-feira, dezembro 19, 2012

MAMOFILIA NACIONAL!



Excelencia:

Sabemos que a igualdade de oportunidades é um dos requisitos de uma vera democracia.
Se aquilo que o estado faculta gratuitamente a uns também deve facultar a outros.
O regular funcionamento das instituições está sob a alçada de v. excelência.
Muito embora alguns achem que v. excelência é também, devido à fartura de protuberâncias que vão aleitando alguns mais fiéis, uma fonte de mamofilia, creio que poderá estar numa das suas atribuições, garantir que o orçamento de estado para 2013 dê guarida a uma reivindicação de todas as mulheres em ordem a terem direito a mamas novas como aconteceu (dizem...) com a Petra (VER AQUI...).

Ora,  é preciso que os princípios e a doutrina igualitária expressa na constituição tenham argumentos financeiros para se tornarem  exequíveis.

Solicito a v. excelencia:

Dar orientações inequívocas ao governo no sentido de dotar o orçamento de estado de verbas capazes de satisfazerem o principio igualitário acima exposto.

Este requisito é tanto mais relevante quanto é certo e sabido estar o país em profunda depressão__ sobretudo as mulheres, as que mais sofrem__ e as mamas serem um fator de estabilidade psíquica, sobretudo nesta sociedade moderna que quer tudo em perfeito estado de conservação, e a depressão psíquica poderá eventualmente agravar a depressão económica e o élan financeiro do País.

Assim, dando cumprimento a este requerimento, elaborado pelo mais elementar espírito democrático, v. excelencia contribuirá para um clima de bem estar e harmonia social o que é um requisito essencial,  quando se aproximam tempos difíceis que importa acautelar, evitando a eclosão de manifestações carregadas de ódio e de violencia, quiçá justificadas, mas sempre inoportunas e inconvenientes.

A BEM DA NAÇÃO

rouxinoldebernardim
Cidadão apartidário, tolerante, amante da paz e da concórdia, provedor do povo, este povo que engloba cinquenta por cento de mulheres, e que, em tempos não muito longínquos, toda a gente dizia que  «é quem mais ordena»...

Casa onde não há pão....

A Casa da música enfrenta problemas financeiros graves. o contexto nacional assim o obriga. Que fazer?

O despesismo tem as costas largas, mas o governo também está farto de ser admoestado pela troika!
Não sei quem tem razão, mas há que mudar o paradigma deste país, no tocante a despesas!

A fome fala mais alto que o ouvido!
VER AQUhttp://www.publico.pt/cultura/noticia/administracao-da-casa-da-musica-demitese-em-bloco-1577911#/0http://www.publico.pt/cultura/noticia/administracao-da-casa-da-musica-demitese-em-bloco-1577911#/0I

Massacre de Newtown


A América vive momentos dolorosos com bestialidade sem fim. Barack Obama bem avisa mas é uma voz no deserto...
http://globotv.globo.com/globo-news/jornal-globo-news/v/obama-fala-do-massacre-na-escola-sand-hook-nos-eua/2297674/

quinta-feira, dezembro 13, 2012

CATALINA PESTANA PÕE A BOCA NO TROMBONE!

http://www.publico.pt/sociedade/noticia/pgr-abre-inquerito-a-denuncias-de-catalina-pestana-sobre-pedofilia-na-igreja-1577206

A PGR abriu um rigoroso inquérito para saber da veracidade das acusações da Dra Catalina Pestana que pôs em xeque a honorabilidade de CINCO padres da diocese de Lisboa.
O país está mais uma vez atento a esta senhora. Será verdade? Será mera fantasia? Ela não é uma inimputável qualquer. Pode, e deve, apontar o dedo aos prevaricadores. Se o não fizer, tem de ser severamente punida, pois não se brinca com esta coisas...

quarta-feira, dezembro 12, 2012

A TEIA...

http://visao.sapo.pt/os-segredos-da-teia-que-lava-milhoes=f666229

Só visto! Depois o país está como está! a teia do padre Guerra é uma gota de água neste oceano!!!
Quando vier o golpe de Estado os bancos irão ser todos nacionalizados! admiram-se?!
São eles a causa das coisas...

E está o pobre mordomo do Papa preso por por a boca no trombone! O pecado da denúncia, nos regimes corruptos, é que é o verdadeiro pecado, o branqueamento é a virtude!
Foi o pobre do arcebispo Marcinkus, do Banco Ambrosino, um principais lavadores...O mundo está perdido. se Cristo voltasse à Terra era logo excomungado por inadaptação!

segunda-feira, dezembro 10, 2012

Barack Obama...

__Não compreendo a razão de ser desse sorriso senhor presidente Obama!?

__O vosso presidente é o novo David do seculo XXI e vai derrotar o novo gigante  Golias que anda por aí a explorar tudo e todos...

__Quem é o Golias?

__Então não sabem? É a Alemanha. É um monstro que devora os países da periferia (Grécia, Portugal, Espanha, Irlanda...) à custa de uma gigantesca bomba aspirante-premente. Suga capitais a juros muito baixos e depois empresta-os a juros elevados e tem esses países no cadafalso. Estão com a corda ao pescoço e sem hipóteses de liberdade. Com a fisga, essa arma ecológica e eficaz, todos os cidadãos seguindo as pisados do vosso presidente, farão caír o gigante, denunciando o abuso, a exploração pela usura e pela especulação...

sexta-feira, dezembro 07, 2012

Marcha atrás de Vítor Gaspar...



Depois de ter afirmado que seria bom Portugal usufruir das facilidades concedidas à Grécia (no tocante a juros e prazos de maturidade mais prolongados...) o que toda a gente aceitou como uma questão de igualdade de oportunidades, de similitude comportamental, veio, a posteriori, dizer que essas facilidades eram contraproducentes pois iriam «colar-nos» à Grécia, o que era mau...

Marques Mendes fez eco do sentimento generalizado dos portugueses, que não tendo o curriculo d e  Gaspar têm o bom senso indispensável para não quererem ser comidos por lorpas.  O «baixinho» esteve ao seu nível e disse alto e bom som que os portugueses não gostam de ser tratados como atrasados mentais!!

Até Cavaco Silva veio à liça bater-se pela igualdade de oportunidades, pois muito embora o nosso buraco não seja tão demolidor como o grego, é um buraco, e ambos estamos a meter água, muita água, logo, é preciso uma bomba potente capaz de extraír toda a água que vai entrando no barco nacional...Bomba menor para buraco menor é ridículo!!!

Paulo Portas vai mandar uma carta registada a solicitar que Portugal seja tratado, neste domínio específico (juros e maturidades...), ao nível da Grécia. Enfim, Portugal a duas vozes: por um lado Gaspar, o timorato e sempre ajoelhado Vítor, e do outro, Portas e Cavaco em perfeita sintonia...

Portugal sem rei nem roque. Completamente à deriva neste oceano de ganâncias e de oportunismos em que  a usura é a rainha,  onde a Alemanha obtém tudo o que quer ao melhor preço e esmaga os paises  periféricos, não com a bota cardada como queria Hitler, mas com  a pesada bota dos mercados financeiros...

 Especulação, usura, exploração __ é esta a moeda corrente na União Europeia onde a solidariedade, a coesão, a subsidiaridade foram colocadas no caixote do lixo para    gaudio de Merkel e seus acólitos....

Será que Portugal é, outra vez, o tal manicómio em autogestão?!

PORTUGAL O 33º EM CORRUPÇÃO

Portugal ocupa um desonroso 33º lugar no ranking dos países mais corruptos do mundo. Independentemente da discutibilidade dos critérios que estarão subjacentes a estas classificações, o facto de estarmos neste lugar é algo que deveria preocupar-nos a todos.
Pedem-se sacrifícios quase desumanos a todos os cidadãos para ultrapassar as dificuldades de toda a ordem, contudo, esta mazela__ que alguns magistrados em lugares de destaque negam existir no país!__ continua a engordar uma minoria que se serve do poder de decisão política para criar mecanismos de proteção a uns e  também de enriquecimento rápido, quiçá à custa do erário público, ou seja, de toda a comunidade. A justiça, cega, surda e muda, lava as mãos e é até capaz de punir quem tiver a ousadia de pôr a boca no trombone!

É lamentável que ainda haja pouca sensibilidade a este fenómeno, que alguns teimam em proteger, outros ignorar, mas bem sentimos que é a pedra de toque de muita ascensão profissional rápida para alguns, de muita  forma de enriquecimento ilícito.
É ver as grandes empreitadas sem qualquer consurso público __ e o governo faz aquilo que condenou em campanha eleitoral...__ as derrapagens que nos deixam preocupados com o saneamento economico financeiro do país, mas que contribuem para a prosperidade de alguns que bem conhecemos, ainda há alguns anos sem qualquer património palpável e, como que por efeito de um qualquer Midas (local ou nacional)  adquirem vantagens patrimoniais dignas de registo.
VER AQUI TÃO SINISTRA CLASSIFICAÇÃO

sábado, dezembro 01, 2012

Dr Miguel Paiva


Não foi uma surpresa a escolha do Dr Miguel Paiva para ser o candidato social democrata à câmara de Vila do Conde. Desafio tanto mais difícil quanto é certo que o desgaste da governação será o seu maior handicap. Qualidades tem-nas mas o contexto é muito difícil. Vencer é possível, mas terá de haver uma grande revolução nas mentalidades laranjas...

  Dentre as hostes socialistas fala-se muito na dra Elisa Ferraz como a candidata geradora de maior consenso, muito embora o dr Abel Maia, o prof Vitor Costa  e Mauuel Caetano também sejam nomes  prováveis. A Dra Fernanda Peniche também colhe algumas apostas.

Com a crise atual a atingir o pico, as donas de casa sentem o pulsar da crise como ninguém, e uma senhora, a presidr a uma autarquia, com as contas em estado crítico, poderá ser uma boa opção.
Fala-se também no ex-deputado dr Lúcio, contudo, a sua prestação na AR ficou muito aquém do expectável. É uma figura demasiado cinzenta, amorfa, gasta para o lugar. Carta fora do baralho.

  Uma outra opção, o Dr Bruno Almeida ou o dr Fernando Gomes por motivos bem conhecidos, começaram a perder o pé. Aliás, qualquer deles não deverá ter muita motivação para agarrar uma camara neste estado. É preciso ter muito espírito de sacrifício, muita tolerancia, muita dedicação, pois em tempo de vacas magras outra música tocará...

sexta-feira, novembro 30, 2012

DUAS IRMÃS GÉMEAS...




Elas andam quase sempre juntas. Vemo-las na comunicação social, no ensino, nos tribunais, até nos parlamentos. Então, na Assembleia Regional da Madeira, elas estão quase sempre. Às vezes pensamos que é uma e afinal é a outra...

São elas as irmãs Política e Psiquiatria.

Hoje em dia todos os políticos deveriam ter uma formação em psiquiatria a fim de melhor poderem solucionar problemas, lidar com situações patológicas. É cada vez mais frequente ouvirmos dizer: «esta sociedade esquizofrénica», «o senhor deputtado tem imaginação delirante», «o senhor presidente da câmara não gosta de críticas e diz-se sempre perseguido, logo, é mais uma vítima da mania da perseguição», enfim, o rol de citações poderia ir muito, muito mais além.... a comunicação social está repleta de situações análogas.

 Daí que, dada a delicadeza do tema e a necessidade de lidar com ele de forma a tornar mais sã a sociedade, deveria ser mais frequente a intervenção de psiquiatras na esfera política.
Bem fez o PS da Póvoa de Varzim: indicou a psiquiatra Dra Elvira, para se candidatar à câmara da Póvoa.
Contudo há um pequeno aparte que importa realçar: ela nunca poderá vencer qualquer eleição, pois para se ser presidente, para se ganhar eleições, é exigível um predicado que os psiquiatras não possuem: é preciso saber mentir, mentir muito e mentir bem... logo, a derrota será  sua, ninguém tenha dúvidas.

  Na Póvoa talvez fosse melhor um feirante, daqueles que à segunda feira estão no mercado... vendendo coelho por lebre...

terça-feira, novembro 27, 2012

EU TIVE UM SONHO...



Era escuro e a noite breu. O céu estava povoado de sombras voadoras que atemorizavvam as populações. Eram eles, os diabinhos, sempre com os chifres em riste e a cauda a servir de leme de direção, num esvoaçar histérico e assustador.
 O povo foi-se defendendo, aglutinando, e apareceu um líder. Era um anjo de nome José. E distribuiu armos pelo povo. Milhões de armas poderosas e eficazes. Os diabinhos começaram a recuar,  timoratos. Já fora tempo em que pululavam na comunicação social , a sorrir, com aqueles dentes agressivos estilo vampiro, dizendo sempre: «estou de consciência tranquila, não fiz mal nenhum...».
  Era sempre o mesmo. Diziam que não faziam nada de mal e repetiam a cassete até à exaustão. Mas toda a gente sabia que eram mentirosos, faziam o mal e a caramunha.

  Então, o anjo José, deu-lhes a machadada final. Trazia uma arma em forma de livro-denúncia. E todos o seguiam com esse livro na mão. E o diabo foi fugindo, fugindo, até ser corrido definitivamente.

 A arma denúncia tornou-se de destruição macissa dos diabos e o país ficou purificado. O anjo José, que tinha o rosto de um conhecido locutor da televiosão (José Rodrigues dos Santos) conseguiu eliminar todas as diabruras e o país ficou livre , finalmente...

segunda-feira, novembro 26, 2012

Estado Social...

  O padre Fernando Guerra, em tempos alvo de rumores sobre tráfico de armas, foi agora detido sob suspeita de lavagem de dinheiros. VER AQUI       Agora o volume de dinheiros a circular nas suas contas não é considerado normal. algo de estranho se pode estar a passar, podendo, inclusive, ser um testa de ferro de alguma organização, aproveitando-se do prestígio da função desempenhada.

  As suspeitas são muitas e as populações mostram-se intrigadas...

segunda-feira, novembro 19, 2012

O Estado social



O Estado social vai implodindo
Vê-se o justo a pagar p'lo pecador
E o povo em novos logros vai caindo
Sem vislumbrar um fim, um redentor!

domingo, novembro 18, 2012

EM LOUVOR DA TROIKA

Um país sem ter lei, sem timoneiro
O chiesperto é rei, nós bem sabemos.
Vai-se afundando a grei, num atoleiro
Manda a troika, bem sei; mau fim teremos!


sábado, novembro 17, 2012

Alerta vermelho!

D. Manuel Clemente, bispo do Porto, acha que também deve falar com a troika. É óbvio que alguns não gostarão desta postura, pois considerarão uma intromissão na esfera restrita do Estado. Contudo, dado o estado a que chegamos, serão sempre bem vindas todas as boas vontades.
A Igreja deve ocupar o seu lugar na sociedade sem colidir com a missão específica do Estado. Contudo, a Igreja, além do aspeto escatológico também tem uma faceta muito material e objetiva, no que concerne ao apoio aos marginalizados, aos colocados numa situação de desamparo. Não, não é a chamada caridadezinha, como por vezes se diz em tom jocoso, é algo bem mais importante.

A Igreja pode criar postos de trabalho, pode dinamizar a economia, pode socorrer em muitas facetas da vida social. Precisa de apoios materiais também, mas tem uma plataforma social capaz de ir além da evangelização pura e simples e passar à ação.

Que tal mostrar a sua influência e canalizar os fundos que são delapidados na Madeira, no jornal que poucos lêem apesar de ser distribuído gratuitamente, aplicando esses valiosos recursos em tarefas de assistencia social?

O país tem jornais a mais e precisa de pão, sobretudo algumas camadas mais carenciadas.

A troika deverá ser sensibilizada para a necessidade de investimento para gerar riqueza, em detrimento da austeridade pura e dura. Se o Estado é culpado de criar obras faraónicas (o tunel do Marão, os estudos para o TGV, certas parcerias ruinosas para o Estado mas rendíveis para alguns aproveitadores da maré), a Igreja também tem os seus pecadilhos: a faustosa catedral de Fátima, as faustosas procissões, sobretudo no verão, onde são delapidados milhões de euros em honra de santos e santas de todos os matizes, e que, por vezes, mais não são que formas de protagonismo de alguns, onde o profano se impõe subalternizando o sacro.

O bispo de Beja, D. Vitalino, já alertou para esses pecados que não dignificam a Igreja, alvittrando até a separação das festas em duas vertentes: a profana e a espiritual ou sagrada.

 Os santo antónios, os são joões e os s. pedros que por aí abundam são sorvedouros de dinheiro públicos e privados que bradam aos céus. Era bom um maior comedimento.

Era bom que a igreja metesse também a mão na sua própria consciência...

sexta-feira, novembro 16, 2012

Similitudes...

GEORGE ORWELL, sempre actual!

«Todos os animais são iguais mas alguns são mais iguais»

George Orwell autor de «O triunfo dos Porcos»

Em Portugal também os animais  (não só os porcos...)  usufruem desse estatuto:

VER AQUI:http://www.dn.pt/politica/interior.aspx?content_id=2889667

Monarquia que é exemplo para a nossa república!

Se cá fosse assim, não se teria chegado ao estado a que chegamos!
https://www.facebook.com/miguelangelopinto.castro?fref=tck#!/photo.php?v=10151319574698696

O erro de Vítor Gaspar


A economia é cada vez menos ciência e passa a ser arte. Os artistas abundam: nas evasões fiscais, nas fugas aos impostos, nas derrapagens descontroladas das empreitadas em obras públicas, na falta de rigor e na permissividade das leis, que, elas próprias, são um convite à corrupção e ao laxismo.
As finanças são em grande parte o retrato da economia. Se a economia está estagnada, se não há investimento produtivo, não há receitas fiscais; ora, mesmo que se enverede por uma política de impostos cada vez mais gravosos, a chamada exaustão fiscal leva a que a receita bruta seja inferior apesar das taxas terem aumentado.
A chamada curva de Laffer explica muita coisa, mas não tudo, como é óbvio!

Portugal é, neste momento, um gigantesco LARGO DOS ARTISTAS, onde pululam malabaristas e contorcionistas a todos os níveis. O poder local ostenta, em vários pontos do país, um microclima onde a permissividade, o laxismo, o amiguismo são trampolim para enriqueximentos rápidos à custa do erário público. Basta que se endeuse a figura do mecenas__ seja da bola, do ciclismo, ou do partido...__e todos se calam, todos enfiam o rabinho entre as pernas, com receio de represálias.
O país precisa de outros valores, de outras abordagens, senão não se criam investimentos produtivos.


E quem vai investir em Portugal?!
Certamente aqueles que estão à espera de comprar galinha gorda por tuta e meia, no que concerne às privatizações, num contexto desfavorável (para o Estado, pressionado a vários patamares...); há muito dinheiro no colchão (hoje, na era da globalização chamam-se paraísos fiscais...), mas Portugal neste momento não é  aliciante: acorrupção obriga a pagamentos por baixo da mesa, a rentabilidade é reduzida pois o limão está mais que espremido, ou seja, o mercado interno foi reduzido, estrangulado, asfixiado...

É bem mais aliciante ir para a Índia ou China, Angola, Brasil, ou até norte de África ...

Vítor Gaspar é um académico, habituado a gizar estratégias nos gabinetes mas o seu trabalho é torpedeado por uma justiça que está corrompida, não funciona, protege os grandes lóbis e fomenta, por inação, as grandes fraudes. Viu-se no BPN e no BPP, no império de Godinho que à custa de amizades promíscuas conseguiu criar um império de forma rápida e sem ser incomodado pelo fisco, de forma que espanta o comum dos cidadãos.
E quantos godinhos ainda ocultos não andam por aí?!
A justiça (e o fisco) são fortes com os fracos mas muito fracos com os economicamente poderosos. Há um clima de impunidade generalizado e os instrumentos de fiscalização não funcionam. Quem denunciar este submundo corre o risco de ir preso  ou ser castigado severamente pela tal justiça promíscua, venal, capturada por quem tem poder político ou financeiro!

Vítor Gaspar não tem a noção do terreno pantanoso, da areia movediça que medra por esse país fora. Ele não imagina o lodo que vai pelo cais...

domingo, novembro 11, 2012

Senhora Ministra: há máfias na justiça?!


Será verdade o que aqui está escrito: na gaveta do DCIAP está um processo gravíssimo envolvendo grossa corrupção?!
Será que a justiça está entre parêntesis?!
Será que o país pode confiar nela?!

VER AQUI

Será verdade, senhora ministra da justiça?!!!

sábado, novembro 10, 2012

Na China os pombos foram presos!!!

Por causa do congresso do PC chinês os pombos foram engaiolados com receio de  que eles distribuissem propaganda hostil. O medo é tanto que a própria praça Tianamen está também encerrada! O poder, quando tem telhados de vidro, tem medo de tudo, atinge as raias da paranóia!
VER AQUI, NO EXPRESSO!!!

Ser Poeta é...


Ser Poeta é ser dia
Quando a noite faz sofrer
É curar melancolia
É à dor dar de beber.
É ser um porto de abrigo
Ser um cais da emoção
É também remédio antigo
Que faz bem ao coração.
Ser poeta é partilhar
A solidão, a tristeza,
Abrir os braços par em par
Dar sempre um lugar à mesa.
É falar ao sentimento
É ouvir o coração
É ser, a todo o momento
Mensageiro da emoção.
É ser farol noite e dia
Guiar-te seja onde for
É inundar de alegria
Um coração sofredor.
Ser poeta é dar a mão
Ajudar a atravessar
A rua, a desilusão,
Ou um desgosto de amar.
Da fé ser porta bandeira
Quando a descrença lá vem
É andar a vida inteira
Seguindo o trilho do Bem.


A CORJA...



Todo o país vergado à austeridade
O povo já não ganha pró sustento
Deputados reclamam equidade
Mas há regabofe no parlamento...

«Apertai mais o cinto!», é o sermão;
E o povo, já  vai no último furo;
A fome espeta que nem aguilhão
E o governo, sovina, é um pão duro...

Vão viajando à custa do zé povo
Manducando do bom e do melhor
De bandulho bem cheio, que nem ovo,
Porrada fiscal, cada vez pior...
...

Arenga fácil, avinhada e fútil
Mordomias a eito, choldra vil,
Legisla a seu favor, a corja inútil
Comem tudo... até a alma de abril!

quinta-feira, novembro 08, 2012

RUI RIO E O JN...

Rui Rio que andou anos a fio a poupar, a realizar um trabalho onde a racionalidade económica se sobrepôs ao show-off, ao exibicionismo estulto, sorri a bandeiras despregadas. E o caso não é para menos. O JN que usou uma campanha persecutória sistemática contra si__ sabe-se  lá se o dedo oculto  de uma certa entidade esteve por trás__anda agora com Menezes ao colo, servindo de câmara de eco de todas as megalomanias usadas pelo homem que endividou Gaia até ao limiar do megadespesismo; dá-lhe páginas e páginas onde ele debita banalidades mais próprias de feirante avinhado do que de estadista consciente. Ele eram os túneis e pontes que iria mandar fazer, sem que ninguém no seu perfeito juizo vislumbrasse  necessidade para tal, sobretudo num clima económico recessivo onde o próprio governo tutelado por entidades estranhas tenta economizar o mais que pode, atentando até contra os economicamente mais débeis, ele quer  transformar o Porto numa nova Barcelona, aumentando a população de forma exponencial graças à sua varinha de condão e ao seu carisma!!! Tolice pegada, conversa mole para boi dormir...
Os tripeiros, se fosse avante o seu lunático projeto de fusionar as duas cidades (Gaia e Porto) iriam arcar com as despesas do municipio vizinho diluídas de forma subtil, para não se notar muito. Ou seja, o Porto pagaria as favas da sua extravagante gestão  na urbe gaiense. Será que os tripeiros de gema podem olhar para esta criatura que sempre verberou de forma deselegante e canhestra a zeloza e criteriosa gestão de Rui Rio, de uma forma tranquila?
Não passa de um mero factotum de  alguns barões ligados ao betão e afins. Enfim, uma marioneta que sabuja quanto pode quem o traz ao colo e vilipendia quem administrou de forma prudente, sensata e criteriosa a urbe portuense.

Rio foi acusado de ostracizar a cultura, lato sensu,, quiçá com certa dose de razão; contudo, se analisarmos que ele primou por criar alicerces economicofinanceiros que estavam tão abalados quando herdou a liderança da cidade invicta, temos de lhe dar o benefício da dúvida...

Agora Menezes, com a sua histriónica forma de actuar, será que pensa arregimentar a seu favor um povo esclarecido, já farto de populismos de pacotilha, cansado de observar vendilhões do templo que vão bolsando promessas e megalomanias a um ritmo alucinante?!

Não, não actredito. Os tripeiros já deram para esse peditório há muito. O populismo não pega na cidade do Porto! Por muito que o altifalante da Gonçalo Cristóvão continue a propagandear a sua marioneta de estimação! 

quarta-feira, novembro 07, 2012

A MÚSICA SAI-NOS CARA!

Miguel Graça Moura, maestro, não deixa os seus créditos por mãos alheias. E, para que o império da música seja mais sentido, faz despesas megalómanas com o erário público. O amor à música ou amor à boa vida?!
VER AQUI... 

domingo, novembro 04, 2012

Tempestade num copo de água...

Vai forte a tempestade na Invicta cidade do Porto.


Logo pela madrugada Luiz Filipe Menezes acordou ansioso__ com uma ansiedade patológica...__ e começou a gesticular. Então as suas tiradas fanfarrónicas no JN, não conseguiram aliciar as hostes do CDS? Nada surtiu efeito?
Aquele discurso bombástico de quem quer levar tudo à frente, fazer pontes e tuneis a eito, promover encontros de engenheiros, arquitetos e tutti quanti, congregar as figuras gradas da cultura, os homens fortes do betão, os desportistas, enfim, tudo quanto mexe, não surtiu efeitos?

O JN deixou-o debitar páginas e páginas de gongóricas e petulantes litanias e nada! O CDS teima em não aceitar atrelar-se à sua candidatura?
Que desaforo, que atrevimento, que insubordinação!!!

O CDS está de pé atrás com quem andou anos a fio a dizer mal da administração do Porto. quem gastou à tripa forra em Gaia e fez gala disso mesmo__ até nos foguetórios de fim de ano...__ vem agora, com cara de anjinho, fazer as pazes e pedir votos à honrada gente tripeira.

Perfila-se ao longe o ar compenetrado e sério de Rui Moreira, sempre atento e com boa memória, sem se por em bicos de pés mas ciente da sua capacidade aglutinadora, do seu espírito comunitário, da sua aura comunicativa.
 Manuel Pizarro, sem grandes discursatas de pacotilha, sem usar o megafone da rua Gonçalo Cristóvão para vender a banha de cobra polítiqueira, como o faz Menezes, prepara-se para assumir o trono de Rio, sem esgares fanfarrónicos nem tiradas populistas mais dignas de um Demóstenes de pacotilha. Pizarro é a força tranquila que vai gerar a vaga de fundo...

Enfim, entre a espada Pizarro e a parede Moreira, está Menezes, como tem acontecido mais vezes...E já nem aquele grito de propagandista de feira:«abaixo os elitistas, sulistas e liberais...» serve de bandeira para arrebanhar pategos ou incautos; de tanto berrar e repetir a cassete até à exaustão, pretendendo ser mais nortista que todos os nortenhos,  já não vai a lado  algum. Menezes é um tigre de papel que usa a comunicação social até à náusea e é a náusea que o vai afundar nesta tempestade histriónica...

AMEAÇA DOS JUIZES?!

Dizem que podem perder a independência se lhe cortarem regalias. A pergunta que se impõe é esta: será que com as atuais regalias dadas pelo Estado, não serão já pouco independentes face ao Estado?

As queixas contra magistrados que aceitam processos quando está em causa a honra e bom nome de alguns titulares do Estado, por questões de lana caprina, quando, iguais queixas formuladas por cidadãos contra agentes do Estado são pura e simplesmente lançadas ao lixo, deixam-nos perplexos.

E são representantes dos juízes que admitem essa possibilidade, ignominiosa, a todos os títulos?!

Ominosa democracia  esta que tais magistrados tem!

Razão, carradas de razão, continua a ter Marinho e Pinto! VER AQUI...

Tenham vergonha na cara!!!

Perguntar não ofende:

Será que o supremo magistrado da nação já não é independente, pois queixa-se que ganha pouco?!
Pela lógica de alguns, já não é...

quinta-feira, novembro 01, 2012

ACERTOU NO ALVO!


O bispo de Beja, D. Vitalino Dantas, vem mais uma vez, de forma lúcida e clarividente, apontar o dedo a esta corja de políticos sem ética que se deixam manipular pelos detentores do poder financeiro, abusando do povo, ultrapassando os limites do bom senso na imposição de medidas espartanas para a maioria dos cidadãos e isentando desse esforço uma minoria.

Nessa minoria estão alguns banqueiros que se permitem afirmar (como o fez de forma arrogante e estulta Fernando Ulrich do BPI), que o «povo ainda aguenta mais!!!», esquecendo que deve haver equidade na repartição de sacrifícios. Essa nova elite de pseudoiluminados, sempre dando palpites e instrumentalizando os decisores políticos a seu bel prazer, são os gafanhotos da nova era, a praga deste neoliberalismo que se enfeudou à banca e se sujeitou  aos seus desvarios , sempre na mira de algum prato de lentilhas na era da pós governação.

Defraudando os valores de uma autêntica democracia, estamos numa plutocracia sem freio, em que os decisores políticos estão capturados por teias bem visíveis de  lóbis arrogantes e presunçosos que querem ver o povo espremido e sugado de todos os seus recursos a fim de poderem acumular ainda mais riqueza na sua ânsia despudorada de poder. Ganância, ganância, ganância!

Neste pequeno trecho, VER AQUI , o bispo não tem medo que lhe venham dizer que se mete em política, não teme a censura de alguns politicamente comprometidos, ele faz peito às balas e diz sem tibiezas o que lhe vai na alma, e é o que sentem todos os portugueses de bem, sem amarras políticas, mas com o compromisso sagrado com a verdade.

O país vai definhando cada vez mais, os fautores da crise continuam intocáveis e a controlar a macroestrutura politicojurídica usando os políticos como reles marionetas ao seu serviço.

Não longe virá o dia da redenção. O povo não dorme eternamente. A grande maioria já abriu os olhos a estes novos latifundiários da banca que se pavoneiam na comunicação social, dizendo que o povo gasta mais do que consome, olvidando de forma despudorada e aberrante, as fraudes e os roubos praticados por alguns, acobertados por uma supervisão atabalhoada ou cúmplice. Os governos enchem as algibeiras aos banqueiros esperando mordomias futuras ou benesses em períodos eleitorais. E isto repete-se até à exaustão. O país vive sugado por estas criaturas que têm no seu ADN a vampirização mais nefasta.

terça-feira, outubro 30, 2012

O GOVERNO COMPRA INDULGÊNCIAS?!

O bastonário da Ordem dos Advogados põe em causa a lisura e a honestiade deste governo...

Sejamos honestos: o país chegou aonde chegou por causa de uma série de abusos, de corrupções, de ilegalidades sem conta nunca punidas, de leviandades  graves a que os tribunais fecharam os olhos, e foram, tal como no antigo regime, os guardiões do templo da imoralidade reinante. É triste recordar isto, mas os tribunais plenários e coisas similares foram o braço legal da ditadura. Hitler fez o que fez graças aos juízes corrompidos que o acolitaram...

Marinho e Pinto, doa a quem doer, tem posto o dedo clarividente e pedagógico__ sublinhe-se__ nas feridas mais dolorosas. Qualquer cidadão, esteja em que quadrante estiver, não pode ficar indiferente às suas judiciosas e lúcidas intervenções.

Veja-se este excelente artigo no JN. VER AQUI

Depois de lidos os comentários que concluír?
Começa aqui a génese da corrupção nas suas mais variegadas formas? Está aqui aberto o livro da promiscuidade mais flagrante entre o poder político e o judicial? Que conclusões tirar?.

De fato os privilégios aqui concedidos a esta casta (novos marajás...)  podem ser o biombo por trás do qual se ocultam muitos favores e muitas indulgências...
Que moral terão estes senhores quando forem confrontados com acusações ao governo, para  mandarem investigar com rigor e empenhamento as queixas? Nenhuma.
O sigilo que alguns pretendem encobrir estas dádivas, só por si não é escandaloso?! Sigilo porquè?! Porque sabem que está ferida de morte a equidade, que está calcada a mais elementar boa fé, está relegado para o mais recòndito da consciência a transparência.

Impostos por pagar, transportes gratuitos, sinecuras de toda a ordem configurando todo um conglomerado de interesses que não podem deixar indiferentes os portugueses sérios, honestos, verticais. A mulher de César além de  ser  séria deve também parecer que o é...

Não me levem a tribunal por este desabafo. Por muito menos que isto já fui condenado... Mas o dever de cidadania é mais forte que o medo de sanções...

sábado, outubro 27, 2012

Condenação à morte por beber água!!!

Esta criatura, por ser católica e não se arrepender nem abjurar da sua fé, foi condenada à morte por beber um copo de água...
Estamos num mundo dito civilizado, onde as religiões, fanáticas e intolerantes, ainda praticam barbaridades sem conta!
Como é possível isto ainda acontecer?
O chamado homo sapiens    sê-lo-á  mesmo?! O homem é cada vez mais o lobo do homem (e com mil desculpas para o lobo, que não faz isto ao seu semelhante, é muito mais humano!!!).

VER AQUI

domingo, outubro 21, 2012

Manuel António Pina

M. A. Pina , escritor e jornalista falecido a 19 de outubro de 2012
A cultura ficou mais pobre.


As palavras murcharam no jardim
Das letras, em sinal de dor, de pranto;
No céu desta cultura há mais um santo
Repousando o sono eterno, por fim...

sábado, outubro 20, 2012

A Junta de Salvação Nacional


Estamos em 2020. Portugal recupera da revolução. A paz social e a justiça são pilares que suportam o edifício democrático.
Passaram-se já alguns anos sobre o mítico 1º de Maio de 2015. Mas vale a pena recordar os acontecimentos que precederam a revolução .

Estamos em 2020 e o país respira um ar mais limpo, mais regenerado, mais salubre. Estão presos os principais protagonistas da nossa derrocada. E tudo começou com um livro polémico escrito por Paulo Morais.

O título era elucidativo: «PORTUGAL, ASSIM, NÃO TEM FUTURO».

O país, de norte a sul devorou-o num ápice. Nesse livro ele resumia as crónicas dispersas que ia fazendo aqui e ali. Ia pondo o dedo em várias feridas. Ia denunciando as corrupções flagrantes visíveis a olho nu, mas que os responsáveis da justiça chamavam apenas vícios processuais e pequenas ilicitudes. Só que, por trás dessas ilicitudes, havia quem vivesse à tripa forra. E Paulo Morais punha os nomes aos bois: fulano de tal que saíu do ministérios das obras públicas e depois foi para aquela grande empresa onde se deu o que se deu... beltrano, que estava no governo e que beneficiou descaradamente aquele banco, foi para lá depois de deixar o cargo e passou-se o que se passou,  aqueloutro que deu milhoes para uma campanha eleitoral  e que viria a protagonizar o maior escândalo bancário dos últimos tempos...etc, etc.

Era um descasca pessegueiro pegado, onde ele mencionava, tintin-por-tintim, as causas próximas e remotas do estado a que chegamos. Foi o fim da picada!

O livro foi mandado investigar pelo ministério público e como havia termos «excessivos»,  no dizer dos magistrados, foi intentada uma ação judicial contra o professor Paulo Morais.

O povo não gostou; os militares berraram : «alto e pára o baile!»

No dia 1º de Maio de 2015 a Revolução surgiu nas ruas com todo o impato: os trabalhadores armados aliaram-se aos trabalhadores com a arma da razão e  rapidamente tomaram conta dos principais órgãos de comunicação social, primeiro, as televisões públicas e privadas, e depois todas as unidades militares ou militarizadas foram sendo controladas sem dificuldades pois o ambiente era de tal ordem que só se ouvia dizer: «bem vinda a revolução, pena foi ter vindo tarde demais!»

Até o cardeal patriarca, contrariando posições assumidas tempos antes, foi perentório: «as manifestações purificadoras e regeneradoras são sempre úteis e louváveis! Cristo foi o maior revolucionário da História! que viva a revolução!»

Enfim, das mais recônditas aldeias o júbilo eclodiu  como se fora um vulcão adormecido, soltando lava incandescente. Receoso de se queimar, o presidente da República fugiu de helicóptero para Espanha onde foi acolhido pelo rei. Os responsáveis da justiça foram detidos e postos em segurança, a fim de se evitar o seu linchamento. A fome alastrara qual vírus pandémico e a onda de pobreza foi como que um tsunami a desencadear a revolta popular.
 Foi criada uma Junta de Salvação Nacional composta por dois oficias, dois sargentos e dois praças que já tinham dado provas de competência nas reivindicações e na organização do golpe. Os líderes sindicais, da CGTP e da UGT foram convidados para formarem um governo provisório capaz de gerir o país nas circunstâncias delicadas que se seguiriam ao desencadear do golpe.

Gritava-se pelo fim do euro e pelo regresso ao escudo. Contudo, a união europeia, num gesto de elevação e dignidade, admitiu também ter culpas graves neste processo e fez questão de se aliar ao acto de cidadania, e foi generosa, apoiando sem reservas os revoltosos, dada a quase unanimidade da adesão popular.
Enfim, Portugal reergueu-se a partir daí. A dívida foi renegociada, os juros passaram a ser mais acessíveis, o Banco Central Europeu passou a emprestar diretamente dinheiro aos estados membros, deixando a banca de ser o intermediário especulador e parasita.

Enfim, a chamada revolução dos piegas, como foi chamada__ pois os governantes humilhavam o povo com impostos e mais impostos, tornando o seu viver insuportável, e ainda por cima  o acoimavam  de  «piegas»...__ regenerou o país e levantou do chão todo um povo escarnecido por governantes incompetentes, mentirosos,  que protegiam os grandes magnatas e sugavam o povo até aos limites da tolerância...

Agora, neste ano de 2020, as novas gerações podem ufanar-se de ter um país mais coeso, mais equilibrado, onde foram banidos os que enriqueceram fabulosamente à custa do erário público e viviam na opulência à custa da miséria popular. As desigualdades gritantes desapareceram.
Digno e meritório, definindo bem  o carisma e a integridade moral do professor Paulo Morais que recusou os cargos mais importantes , sendo apenas professor universitário e comentando na TV a situação do país onde a corrupção não foi ainda totalmente erradicada mas já está sob controlo, sobretudo graças à acção do professor Medina Carreira, Provedor do Povo.

Nota final: Isto é ficção.

quinta-feira, outubro 18, 2012

IMPASSES, como resolvê-los?!



D. José Policarpo, usando o protagonismo que lhe confere a presença em Fátima, no dia 13 de outubro, disse, alto e bom som, que as manifestações não resolvem nada. O respeito que me merece este alto dignitário da Igreja Católica inibe-me de ir ao âmago do problema.

Vem a talho de foice recordar a postura do general Ramalho Eanes aquando da formação de um governo de iniciativa presidencial que teve Maria de Lurdes Pintassilgo como protagonista. VER AQUI

Quando a erosão das instituições começa a ser palpável e o desmoronar do próprio Estado é um fato visível a olho nu, as manifestações surgem de todo o lado. O espírito revolucionário (lato sensu) emerge como último recurso. Será que os sacrifícios que nos estão a ser pedidos levarão a algum porto seguro? Será que é preciso repensar a génese de tudo isto? Valerá a pena persistir nesta via sacra sem fim à vista?

A união europeia ou envereda por rumos mais justos, mais solidários, mais eficazes, ou então há que fazer opções. Um país, por muitos erros que possa ter cometido no passado rcente__ e não foram poucos, diga-se por uma questão de justiça__ estará condenado a ser trucidado pela agiotagem, merecerá ser devorado pela volúpia e ganância sem limites dos mercados financeiros?

Saír do euro começa a ser uma opção séria, credível, racional. E saír enquanto as condições ainda não são alarmantes.

É que poderá surgir um tempo em que nem as eleições, nem as manifestações, resolvam alguma coisa. E esse tempo está mais próximo do que se imagina.

CDS: Risco de extinção?

Com a proposta do PS no sentido de se adequar a dimensão do parlamento __ reduzindo-o substancialmente__ , admitindo-se que o PSD não irá contra este desígnio, tantas vezes apontado pela generalidade dos portugueses, resta ao CDS um dilema: ou aceita o repto, correndo o risco de extinção dado o desgaste enorme que irá sofrer por causa da política de austeridade desenhada pelo atual governo, ou recusa, gerando sobre si próprio um coro de ódios viscerais que se repercutirão em futuras campanhas eleitorais.

Quer aceite o repto quer o recuse, o CDS não tem saída! Está num beco sem saída!

O que já foi o partido do táxi poderá saír do espectro político nacional. O PCP e o BE também poderão  ser substancialmente reduzidos, muito embora a sua  posição face ao poder político vigente seja mais benigna. Contudo, se a redução for avante, se correrem cada qual na sua bicicleta, poderão também ficar reduzidos a muito pouco. Restarão os dois blocos tradicionais: esquerda polarizada no PS e direita agregada ao PSD!

O papel do CDS neste momento é angustiante: faça o que fizer, está condenado a curto ou médio prazo!

RESTA APENAS UMA SOLUÇAO: o governo de salvação nacional!

Quanto mais tarde vier, pior será para o país!

Mas será que Cavaco Silva e seus mais diretos conselheiros  terão a visão suficientemente lúcida para congregar boas vontades e orgulhos, neste desiderato patriótico?!


Creio bem que não!

quarta-feira, outubro 17, 2012

Austeridade sim, mas...


Todos sabemos que a austeridade é precisa. Ninguém a contesta por si. O que está em causa é quem a sofre e qual o grau dessa mesma austeridade. ´E preciso saber quem deve suportar o maior esforço neste desígnio nacional que é o saneamento economicofinanceiro.
Não vale a pena diabolizar ministros ou instituições de forma frenética sem sentido de responsabilidade. O FMI e a Troika são entidades que também podem errar. Devemos ser nós, com sentido de responsabilidade, a abrir-lhes os olhos.
O país só com austeridade pela austeridade não sai da cepa torta. É preciso investimento. E esse papel também deve caber a instâncias internacionais com responsabilidades no estado a que se chegou. A união europeia também  tem culpas no cartório. A questão da criação tardia e espontaneísta do FEEF e a disponibilização do BCE para acorrer aos mercados a fim de minorar o efeito especulativo sobre alguns dos seus membros prova que havia lacunas, ineficácias, erros crassos.

Há situações que podem e devem ser corrigidas. A Sra Merkell pode ajudar-nos incentivando os empresários alemães a aproveitaram o potencial português. Temos mão de obra relativamente competente e eficaz e é preferível aproveitá-la cá em Portugal, investindo aqui, do que deslocalizá-la para a Alemanha (pagando mais e não retirando todas as potencialidades dessa mao de obra...); o ministro das Finanças deve incorporar um pouco de uma visão económica na sua prática. A economia nunca pode ser subalternizada.
O país só se desenvolverá com equilíbrio, com sageza, com hatrmonia se os sacrifícios forem homogeneizados. O capital também deve suportar a sua quota parte neste esforço coletivo.
Enfim, há que ser responsável e ter sentido de Estado. Aos sindicatos deve pedir-se também uma certa contenção, não mordaças intoleráveis, mas uma visão macroeconómica subjacente à realidade que todos pisamos. O barco nacional é comum.


domingo, outubro 14, 2012

O CACIQUISMO ACABOU! Fernando Gomes dixit!

É de bradar aos céus! todos os dias vemos atitudes pesporrentes e caciques de trazer por casa a vociferar contra isto e aquilo, usando e abusando de jornais e TV's__ que se desdobram em vassalagens servis e bajuladoras:__ e vem esta criatura, não se sabendo bem ao serviço de que Senhor Cacique, determinar que o Caciquismo  já foi extinto!  o Dr Fernando Gomes,  acredita nisso!

Vemos na Madeira, alguns, sempre com acesso fácil à comunicação social, a malhar nas oposições por isto e por aquilo, como se fossem elas as más da fita, as maledicentes e as causadoras de todos os malefícios... é o CDS, o PS, o BE, o PCP...todos vítimas sem exceção de um caciquismo patológico que usa e abusa de uma comunicação social vendida e serviçal ao poder instalado.
 Vemos o cacique de Gaia, em constante e saturante intervenção no JN, mostrando as suas excelsas qualidades, o seu ego narcísico e megalómano, tentando aliciar incautos, vendendo a  sua banha de cobra, usando o altifalante da Rua Gonçalo Cristóvão a seu belprazer..
.
Vemos caciques a fazer queixinhas aos tribunais, por idiotices sem valor, questões de lana caprina, usando os tribunais como se fossem arena, desviando  o palco, usando até a sua veste cacical para pressionar a justiça graças a uma comunicação social servil e grotesca; há palavras que são classificadas como insulto, quando proferidas por quem está na oposição, quando muito piores termos são usados pelos detentores do poder, e os tribunais fecham-se em copas...

Francamente Dr Fernando Gomes, não vê os processos de delito de opinião que são instaurados de norte a sul, a ponto de o senhor procurador geral da república vir à liça dizendo que se está a abusar da lide judicial para pressionar e intimidar... Francamente, vemos caciques sem nível, usando e abusando da comunicação social,  que se desfaz em salamaleques, para insultar e vexar adversários.

Há caciques fruto de uma comunicação social que se deixa instrumentalizar (subornar?) porque o poder político instalado  tem meios financeiros (publicidades e outras mordomias afins...) para a condicionar. e o senhor sabe melhor do que eu, como se faz. Já basta de padre-nossos para tão experiente vigário...
Sabe-se que o Dr Fernando Gomes se bandeou... o íman de Menezes é como um isco tentador...

D.José Policarpo tem fé...

O senhor cardeal patriarca veio dizer em Fátima que «este sacrifício levará a resultados positivos». Falava a título pessoal ou institucional ?  Esta prova de fé neste governo será positiva ou negativa?
Julgo que o senhor cardeal patriarca, figura de proa da intelectualidade lusitana, deveria ser mais comedido, não deveria fazer afirmações que poderão ter efeitos de boomerang...
Pessoalmente tenho apreço e nutro grande admiração pela sua postura habitual no tocante a assuntos de àmbito universal. Não é um fundamentalista, um fanático, um intolerante.
Contudo, fazer afirmações deste jaez, poderá ser considerado como um aval, uma caução moral e até cívica. Acho que deveria ser mais prudente, mais cauteloso.
Diz que não percebe de política, no entanto está a passar um atestado de confiança e de fé aos tenentes do poder. Ora, ainda há dias o conselheiro de Estado, professor Bento, tinha muitas dúvidas e receava até que estivéssemos a enveredar por um caminho semelhante ao da Grécia!
O próprio professor Cavaco Silva __ honra lhe seja feita__ insurge-se de forma eloquente contra esta obsessão por manter metas nominais a todo o custo, sem se olhar ao contexto real e ao evoluír  da economia em sentido amplo... VER AQUI.
Pode-se matar (ou agravar o estado de saúde...) o doente com esta obsessão pela cura rápida ou demasiado rápida atentas as circunstâncias...
É que o problema já não é de competência do governo, da sua estratégia, da própria idoneidade técnica dos seus membros, é muito mais grave e ultrapassa a fronteira de um nacionalismo estreito. É preciso saber navegar com perícia neste mar chamado globalização...
É a própria União Europeia que assenta em traves mestras que se estão a manifestar muito injustas, a gerar situações de falta de coesão e de instabilidade permanentes. Os países do sul e da periferia, lato sensu, estão acorrentados a uma dívida que vai ameaçando asfixiá-los paulatinamente. Os juros absorvem uma grossa fatia do rendimento gerado e as sucessivas tomadas de posição das agencias de rating__ a soldo de não se sabe bem de quê ou de quem...__ contribuem para o agravamento da situação, afastando investidores, alimentando especulações, fomentando crises atrás de crises.
Um homem de Fé, deveria abster-se de fazer profissões de fé nos homens, sobretudo quando se afirma, perentoriamente, que não se percebe da poda política. Estar sempre ao lado do poder, seja ele qual for, não abona a independência e a sageza de quem está ao leme de certas instituições. Corre-se até o risco de vassalagem (cacicagem?) permanente.
Imagine-se o impacto negativo na sua imagem__e até na da própria igreja Católica__ se estes governantes não contribuirem para a regeneração, para levar o barco nacional a bom porto. Os portugueses perguntar-lhe-ão as razões para ter feito esta afirmação. Esta profissão de fé. Este atestado de boa fé e de eficácia.
Apenas acreditar nas boas intenções dos governantes não basta. É que, já diz o povo, «de boas intenções...»

sábado, outubro 13, 2012

INJUSTIÇAS

Aproxima-se o Rússia Portugal em futebol e as opções de Paulo Bento começam a ser questionadas.
Será que Eliseu, do Málaga, com um início de época fulgurante, não merece ser convocado?
João Tomás, do Rio Ave F.C., outro atleta em destaque, continua votado a um estranho ostracismo.
Será que precisam de Jorge Mendes para os catapultarem para o palco ?
Os empresários têm um papel cada vez mais importante nestas convocatórias. É pena que um selecionador, como Paulo Bento, não seja ISENTO, RIGOROSO, impenetrável a esta teia de interesses que mina os meandros do futebol indígena...

Oxalá isso não se vá refletir no resultado final no jogo da Rússia...

terça-feira, outubro 09, 2012

Os pais da crise...



Em tempos, o dr Miguel Cadilhe faou no monstro despesista e no seu  putativo pai: Cavaco Silva.

Ora são muito redutoras estas análises. Os pais são tantos e tão diversificados que será muito difícil elencá-los a todos.
O governo actual é também vítima de um passado próximo e longínquo que está na génese da crise actual. A União Europeia, com os seus planeamentos e visões globais também tem muitas culpas no cartório.
Isto de colocar os países sob a tutela da banca, gerando-se situações bizarras, de juros altíssimos para uns e de borla para os mais afortunados, é algo de patológico na sua génese neoliberal. As cotações da credibilidade dos países, nas agências de notação financeira, é algo que deveria ser minimizado ou corrigido a médio prazo. O actual status quo é degradante e cria discrepâncias que se irão acentuar cada vez mais criando países altamente beneficiados e outros altamente prejudicados. O centro e norte em notória vantagem sobre alguns do sul e da periferia.

A culpa não é só deste governo. A justiça ao longo dos tempos  tem sido também ela uma trave mestra do edifício chamado crise. O elitoralismo exacerbado, atingindo o seu clímax na Madeira e nalgumas autarquias que bem conhecemos, tem conduzido a situações altamente lesivas da racionalidade económica . O monstro despesista é filho de várias entidades: nepotismo, clientelismo, partidocracia, demagogia, populismo...

 Criar novos hábitos, erradicar práticas danosas, erigir um novo paradigma social é urgente, é imperioso. Era bom que nas escolas se cultivassem princípios de racionalidade económica, de um viver mais austero e compatível com a realidade que nos irá acompanhar na próxima década.

O tempo das vacas gordas passou mas deixou marcas profundas na sociedade, nas mentalidades dominantes. O clima de festa que ainda impera, o eleitoralismo fácil e o populismo manhoso são o caldo de cultura onde floresceu o vírus da crise. Há que vacinar a sociedade contra essa maleita. Urgentemente.

sábado, setembro 29, 2012

Haja equidade!

Todos falam nela e dizem que é necessária, para haver mais justiça social.  Contudo, as medidas tomadas, não são compatíveis com essa preocupação manifestada. Há, como é óbvio, uma preocupação em não desagradar ao capital. A medida ridícula de aumento da TSU e concomitante diminuição, visando, na prática , retirar ao trabalho recursos e pô-lo a financiar o capital, foi alvo de chacota mesmo da parte dos eventuais beneficiados com ela!!!
Se o ridículo pagasse imposto, o governo estaria todo carimbado!!!


Só falam em equidade
Políticos ignorantes
Só vemos iniquidade
Injustiças tão flagrantes!

O capital passa ao lado
Da austeridade geral
É este o grande pecado
A vergonha nacional.

Podres de ricos nós vemos
À custa de todos nós
Alguns que nós conhecemos...
E o povo? Num estado atroz!

Justiça social, sim!
Paguem todos por igual
Mas não pode ser assim:
Isentando o capital!

Acumular de riqueza
Nas mãos de uma minoria
Política portuguesa
A mais reles vilania...

Andam fartos de gritar
Mais justiça!, mais verdade!
Mas só vemos imperar
Injustiça e falsidade!

sexta-feira, setembro 21, 2012

Barbaridades!



Portugal, no esplendor do sacrifício
Vai pagando a fatura do passado
Mas quem nos conduziu ao precipício
Vai gozando de estranha impunidade.


A justiça é venal, foi capturada,
Megera tão servil e oportunista
Não vê a corrupção mais descarada
Pois sofre de cegueira calculista.

E o povo sai à rua, furibundo,
Um mar de cidadãos enche as cidades
Maldizem o que sofrem, lá no fundo...


Governantes debitam falsidades
Manifestam cinismo mais profundo
Paga as favas: o zé. Barbaridades!!!

BARBARIDADES!!!

http://www.youtube.com/watch?v=ZgnJWT7i5Ig&feature=player_embedded


O DISCURSO IMPENSÁVEL...

O dia em que ele falou verdade ao país!

Portugueses:

Tendes, mais do que ninguém, o direito à verdade. Verdade nua e crua. Sem subterfúgios, sem manobras ocultas ou distorções manhosas.

De facto o país já não tem soberania, perdemo-la há muito. Agora, não passamos de paus mandados, somos marionetas dos nossos credores. O povo já nada ordena, por mais manifs que faça, por mais gritos que dè na rua, por mais histerias coletivas que surjam na praça pública.

Este governo tem de fazer que o troika manda. Mais pentelho menos pentelho__ como diz o professor Catroga com a sua ironia__ a receita, ou melhor a pena, está traçada de há muito: austeridade, austeridade, austeridade.

A União Europeia é um embuste, uma falácia, um cancro. A banca põe e dispõe a seu bel prazer. O grupo de Bildeberg gizou a estratégia e os paus mandados de todo o mundo cumprem-na  sem tergiversar. Esta é que é a verdade pura, nua e crua. Nada há a fazer perante este cenário. Se firzermos o que o povo quer e exige, na sua legítima manifestação de vontade expressa  nas ruas, temos em cima de nós, como carrapatos sequiosos, os mercados agiotas. As agências de rating atiram-nos ao fundo do poço. Vamos para a lama.

 Que fazer?! A mísera resignação, ou a luta?!

Mas lutar como? Nós estamos atados de pés e mãos, os governantes não passam de «cipaios» como os que existiam na Índia ao tempo  da colonização inglesa. Estamos colonizados pela Alemanha e não temos volta a dar. A bota cardada de Hitler foi substituída pela melíflua linguagem dos mercados, pela gama de instrumentos opressivos saídos das meninges de Bildeberg! Os «filhos de Bildeberg» estão bem instalados na vida, ocupam cargos prósperos e rentáveis, e não querem saber da independência nacional para nada, nem do povo, para coisa nenhuma. Eu próprio, reconheço que não passo de figura decorativa, mais dispendioso que a Casa Real espanhola sem dúvida, mas sem poderes, sem margem de manobra, sinto-me aprisionado na tenebrosa teia de Bildeberg!

Resta-nos um remota esperança. Lembram-se de Saramago falar na Jangada de Pedra, numa subtil metáfora apontando o rumo para uma fusão ibérica?

É o nosso último recurso. Somos bons, somos os melhores do mundo com a stick na mão. Vamos correr a Alemanha a varapau e vamos formar uma união ibérica capaz de fugir a esta tenebrosa teia tentacular. Criamos uma nova moeda, o íbero, e vamos em frente. O mundo respeitar-nos-á, de certeza. Com o pau na mão não há quem nos derrote!

domingo, setembro 09, 2012

FUNDAÇÃO «SALVAR PORTUGAL»...











Eis o rosto da nova fundação, que deixou Portugal rendido ao espírito magnânimo destes três homens de honra. Sob o lema «Gratidão à pátria» eles fundaram algo que ajudará Portugal a saír da crise e servirá de incentivo a muitos outros cujo espírito altruísta espera uma oportunidade para emergir.












Disseram eles:«Se António Champallimaud só fez a sua Fundação, no final da vida, nós podemos fazer uma fundação ainda em vida, e guiar os seus passos em ordem a uma maior justiça e prosperidade para todos. «A gratidão não é plavra vã», disse Belmiro, comovido até às lágrimas:


«Devemos ser gratos ao país que nos deu asas, nos alavancou para uma prosperidade que não foi só fruto do nosso génio empresarial. Ainda recordo o período em que a Sonae estava sob a tutela do universo do Banco Pinto de Magalhães e ia ser nacionalizada, só não o sendo, por acção do governo que atendeu ao meu apelo. Ai começou a minha dívida de gratidão. A esse governo e a todos os governos que mais tarde ajudaram a implementar a internacionalização da empresa, na Alemanha, em Espanha, no Brasil, eu por uma questão de honra, devo ser grato».




Américo Amorim , com um sorriso generoso e simpático, falou no mesmo tom:




«Ainda me lembro do tempo em que ia comprar cortiça ao alentejo e fazia gala da minha simpatia para com os trabalhadores empenhados na reforma agrária. A minha afeição ao povo era genuína e não calculista. Agora, através da fundação «Salvar Portugal» quero confirmar isso mesmo. Se o que mais me repugna é a ingratidão, não quero que me acusem disso os meus compatriotas, num momento de carências de vária ordem, de tantos sacrifícios para o povo, quero empenhar-me numa tarefa construtiva e regeneradora da nossa economia. Não, não sou um predador, como alguns, sem visão, sem humanidade, sem um resquício de honra, querem etiquetar-me. Sou um humanista, um cidadão do povo, e quero contribuír para o progresso desse mesmo povo».




Soares dos Santos não era menos encomiástico. Falou assim.




«Gosto de Portugal, amo os portugueses, adoro os trabalhadores, como tive oportunidade de o manifestar no dia do trabalhador, dando uma ajuda para combater a crise, com produtos a metade do preço e arcando eu com o prejuízo financeiro dessa operação. Não foi operação de charme com intuitos calculistas, não, foi generosidade pura e desinteressada. Não foi populismo, ou coisa de igual jaez. Quero manifestar o meu apoio ao país que ajudou o meu universo empresarial a internacionalizar-se e a obter o èxito que não é só fruto da minha inteligência mas também o corolário de um trabalho coletivo que envolve muitos colaboradores e até muitos governantes ao longo dos tempos. Na Polónia falam de mim como «o português» e falam com orgulho. Sinto-me grato por ser herdeitro da saga descobridora, do espírito quinhentista que deu novos mundos ao mundo. Sou um navegador na área económica, no oceano financeiro. Sou um infante D. Henrique, à maneira empresarial, como é óbvio. A fundação «Salvar Portugal» será uma espécie de «Escola de Sagres», ajudando outros empresários, outros trabalhadores, todos os profissionais a singrarem na estranja, honrando o nome português e carreando para o nosso país as mais valias espirituais e materiais daí advenientes».




Como ponto final, devo dizer que o que mais fez comover os portugueses foi aquele comentário do senhor Presidente da República. Pediram-lhe que comentasse a criação da fundação. Ele, sorridente, como é seu timbre, lá respondeu:




«Às vezes costumo dizer que não sou comentador, quando me pedem para comentar coisas delicadas. Mas esta fundação merece de mim e creio que de todos os portugueses o mais vivo aplauso, e os seus beneméritos fundadores, merecem o reconhecimento pátrio. A pátria não pode ficar indiferente a este gesto magnânimo, a este magnífico gesto de bem fazer. Sugiro até que se homenageiem os fundadores, desta forma singela: que se mude o nome ao Terreiro do Paço e passe a denominar-se para o futuro : Praça dos Beneméritos da Pátria




Cai o pano. Aparece a figura do jornalista Fernando Pessa, regressado do Além, exclamando:




«E ESTA, HEIN?»