terça-feira, julho 30, 2019

Anti-sectarismo

Quando vemos um pouco por todo o lado um sectarismo doentio, na comunicação social, nas redes sociais, nas conversas de café, algumas roçando a demencial clubite aguda, faz falta uma análise serena e  fora dos parâmetros habituais. Hoje em dia faz falta  clarificar e desmistificar com sensatez, com lucidez e sem  o manto sectário a intoxicar tudo e todos. Ei-la:

Nas próximas eleições legislativas o provável vencedor será o socialista António Costa.  Teve boa conjuntura externa, beneficiou dos planos do BCE que contribuiram para colocar a taxa média de endividamento para valores  muito bons. A dívida externa cresceu mas há que ter em conta o facto de existir uma almofada financeira muito boa para usar em caso de flutuação anormal de mercados financeiros. Essas perturbações ocorrem por vezes e é bom estar preparado. Conseguiu baixar a taxa de desemprego para mínimos históricos bem como o défice (graças também  às cativações forçadas nos serviços públicos gerando alguns constrangimentos).
António Costa teve  alguma  culpa no descontrolo dos fogos florestais, contudo, há que reconhecer as condições meteorológicas muito adversas e  um laxismo  existente há muitos anos no dominio da prevenção. A repartição de culpas é lógica, atendendo ao  conjunto de circunstâncias  que se verificaram: falhas na prevenção, na detecção atempada dos focos de ignição, na estratégia de combate e até na utilização de meios diversos.
É de prever que estando o PSD fragilizado (saídas de militantes para o "Aliança" e " Basta"!) o resultado eleitoral possa ser muito bom, talvez possa atingir a maioria absoluta . Contudo, há que ter em conta um eventual surto grevista ou a mão criminosa (e/ou o dedo político) no incremento de fogos florestais ao aproximar do acto eleitoral. A chamada política de terra queimada existe e nunca será mau relembrar isso. 

O segundo partido mais votado deverá ser como é habitual o PSD. No entanto, as fracturas visíveis a olho nu, expostas na comunicação social e nas redes sociais com inusitado ênfase, podem causar danos mais clamorosos do que seria normal. A polémica da escolha de nomes para certas listas (Braga e Guarda, são paradigmáticos) poderá criar um efeito de dominó afectando todos os círculos. Em Lisboa e no Porto, sobretudo, os danos serão mais acentuados. No horizonte já se perfilam líderes para emergir no "day after"...Após a previsível hecatombe tudo poderá acontecer...

O terceiro classificado nesta hierarquia deverá ser, com fortes probabilidades o Bloco de Esquerda. A sua coordenadora, Catarina Martins, tem aliado uma rara habilidade táctica a um feroz espírito reivindicativo que esbarra com o sentido de Estado de António Costa. Contudo, a opinião pública tem dificuldades em discernir onde começa o populismo e acaba o afã reivindicativo, daí ser previsível que  o BE cresça nesta conjuntura. Começará a aproximar-se (sobretudo nas grandes metrópoles de Lisboa e Porto) do PSD.
A quarta força política deverá ser o PCP. Sempre reivindicando as reformas estruturais que se impõem e salários mais altos, tem pressionado o executivo e por vezes conseguido algo que não seria imaginável se o PS estivesse só na governação. Acresce o facto de o medo da maioria absoluta para o PS (lançando-o borda fora da chamada Geringonça)  será o "papão" a exibir até à exaustão aos seus militantes e simpatizantes. A distância para o CDS acentuar-se-á sem dúvidas.
A quinta força política e a grande derrotada será sem dúvidas o CDS, conduzido, ultimamente, de forma tão leviana e tão oportunística que cheira a populismo. Aquilo do combate à corrupção, nos moldes em que é proposto, é típico do eleitoralismo oportunista. Porque nunca propôs estas medidas? Será que espera alguma vez executá-las?
Aquela infeliz tirada (que será utilizada até à exaustão pelos opositores) de que a tourada é um bailado, vai ser mote glosado à farta. Vai fazer crescer o PAN, em detrimento do CDS.

À espera do "day after" terá alguns que, na sombra,  esperam o "quanto pior melhor", para saciarem as suas ânsias de protagonismo e sede de pedestal. Enfim, será o canto do cisne de Assunção Cristas, que foi uma frustração completa a todos os níveis: nunca soube escolher nomes, não promoveu renovação, não criou inovação nem fomentou práticas de saneamento moral e cívico. Um desastre completo que terá efeitos altamente danosos,  até porque os recém-criados partidos emergentes do PSD irão pescar sobretudo nas franjas mais xenófobas e racistas do CDS fragilizando ainda mais este já de si frágil partido. Chegaremos ao partido do "táxi" como foi rotulado noutros tempos... tudo indica que sim...
Os dados estão lançados...

sábado, julho 20, 2019

Testa de Ferro, nova profissão?!!!

Há pessoas pagas  para actuarem na internet ao serviço de outras entidades. Já se tinha ouvido falar no blogger alegadamente pago por José Sócrates para o endeusar : Câmara Corporativa de seu nome

Consta que era pago principescamnte. Agora há mais.  e notícias mais preocupantes: VER AQUI

Ver AQUI o modus operandi de um génio neste domínio!!!

Isto a ser verdade deve preocupar todos nós, cidadãos anónimos,  pois podemos deparar no dia a dia com coisas do género.

Há dias garantia-me um amigo de  uma freguesia vizinha.  que havia um seu conterrâneo, actualmente a viver em Paris,  e que era pago por uma entidade vila-condense (não sei se é empresa, partido ou personalidade) para fazer publicidade na internet (ou no facebook) no sentido de criar impactos positivos a certas pessoas (sobretudo ligadas a um determinado partido, mas não só, para disfarce...) e negativos a outras...não afectas ao referido partido...

Enfim, isto está cada vez mais intrigante. Dizia-me ele com certa dose de humor;

«Como é que um tipo, em Paris, sabe que fulano deu um traque ao atravessar a ponte de Vila do Conde, ou estacionou o carro num local destinado a deficientes na Rua da Saudade?!»

A gozar, a gozar,  contou-me alguns episódios e chegamos ambos à conclusão de que se trata de um caso  típico de "testa-de-ferro".

O estilo da criatura é monocórdico, estereotipado,  ou  assume um misto de lambebotismo e de servilismo patológico  a roçar o anedótico. Palavras que passam a mão pelo pelo, que afagam egos, que adoçam corações,   que deitam açucar a rodos...

«Fulano, distinto líder da Associação dos Amigos da Beneficiência, uma pessoa de carácter, com bairrismo profundo, com muito orgulho na terra e nas gentes,  ao fazer cinquenta e cinco anos deu um banquete aos amigos,  no Restaurante Y,  e viu-se rodeado por figuras gradas do meio: o pároco, o presidente da junta, o presidente do clube da terra»

Enfim a cassete está programada para este modus operandi e contempla todo o bicho careta que seja próximo do Partido ou do Dono Disto Tudo Local. 

Enfim  estas coisas são tão exageradas que ganham foros de caricato, de pantomina. A criatura bendizente incensa e procura ser incensada por devotos (porventura também alimentados pela mesma fonte...) criando um aura de santidade que não condiz com o seu modus vivendi real.

Sempre viveu de expedientes, de sinecuras, sempre gravitou na órbita do Partido e tem a numerosa família a fazer o mesmo e a lucrar também com esta missão. Espírito de missionário é o que caracteriza este estilo de lambebotismo que em última essência procura endeusar os crentes no Partido (uma espécie de Deus por todos cultuado com devoção extremosa).

Será que as maçonarias e as sociedades secretas vão incrementar este tipo de acções? É bem provável...Os testas-de-ferro podem multiplicar-se como cogumelos em manhã chuvosa...

O escritor X que gravita na órbita do Partido ou da Loja Maçónica Y começa a grangear um estatuto de divindade e de avis rara sendo, aos poucos,  entronizado nesta atmosfera de hipocrisia e de  adulação sem limites... Há Sócrates em todos os sectores de actividade, sequiosos de adulação, de seguidismo, de um séquito de adoradores, de um rebanho de dóceis carneiros e ovelhas...

Enfim, poderá haver muitos Sócrates no âmbito dos juízes, dos políticos, dos líderes clubísticos, dos  escritores, enfim, o universo das "claques" que tem notoriedade no futebol poderá espalhr-se a outros segmentos da sociedade...

E a procissão ainda vai no adro...

J Leite de Sá 
(militante da cidadania)

quarta-feira, julho 17, 2019

A pólvora redescoberta!!!



Rui Rio veio a público clamar pela alteração na designação do ministério da saúde. Na sua douta opinião deverá chamar-se Ministério da Promoção da Saúde, dando vazão à sua idiossincrasia inovadora para esta área de negócio ; enfim, mudar o nome e  tudo muda como se fosse milagre, tudo se transforma por força desta varinha de condão, que ele tem na mão.
Nova versão da descoberta da pólvora. 

Por este andar tudo deveria mudar: Ministério da Promoção da Justiça, ministério da Promoção da Defesa Nacional, etc, etc.

Todos sabemos que  o fruto dessa árvore milagrosa chamada PPP (Parcerias Público-Privadas) redundou nalguns casos (demasiados para mal de todos nós portugueses) num tremendo fracasso sobretudo em autênticos esbulhos ao erário público.
Enfim, o espertismo de alguns (nem todos sejamos honestos e verdadeiros) empurrados (ou alicerçados) numa conjuntura de permissividade onde o laxismo e as múltiplas conivências imperaram , deu no que deu.
A saúde não foi excepção à regra. Culpa de quem? Fruto de uma arquitectura jurídica deficiente e permissiva em que o violar as regras era o lugar comum mais vezes observado. «A corrupção compensa», poderia vislumbrar-se no modus operandi de alguns, de espírito engenhoso e de maozinhas leves e amigas do alheio...
A coexistência entre o sector público e o privado, numa questão de princípio, é aceitável. Contudo, e aqui é que a porca torce o rabo, o que se foi verificando? 
Uma desenfreada exploração do Estado por mecanismos  criados sem o necessário rigor e a imprescindível prudência deram azo a situações escandalosas. Fraudes, meganegociatas em que o Estado  assinava contratos de feição genuinamente "leonina" (na acepção jurídica do termo) ficando sempre com os "ossos" e dando a "carne" ao sector privado. O leão devorador era  a entidade privada, como é óbvio...O Estado, o eterno lesado...

É óbvio que fraudes sempre existirão,  e em ambos os sectores, sejamos justos e não ingénuos. Mas há que agilizar a supervisão e modernizar estratégias de prevenção da corrupção. Claro que há beneficiários nesta tramóia, a jusante e a montante,  tantas vezes os próprios partidos que navegam nas águas turvas da partidocracia (muitas franjas desses partidos...) e não querem vogar nas águas claras das sãs práticas da transparência e da democraticidade pura.

Agora, o mudar de nome um ministério, só por si,  valha-nos Deus, dr Rui Rio, essa não lembrava ao diabo, faz lembrar a panaceia universal!

J Leite de Sá

domingo, julho 14, 2019

Velho do Restelo dá sinais de vida!

Ele aí está,  de novo, no esplendor da sua  majestosa  essência, tal qual Camões, o genial épico, o concebeu!
Não, não é aquele que criticava a saga dos descobrimentos, que alertava para os perigos da desertificação do interior perante a gesta colonizadora, a expansão ultramarina!
Não, ele, o deputado socialista Manuel dos Santos, um economista honrado, um socialista probo, um cidadão empenhado, um benfiquista  com alma rubra, com ânsia saltitante, vem, no semanário Sol,  mostrar a sua face oculta, o seu ressabiamento agridoce, a sua sanha geracional,   epitetando a lista socialista de "encharcada", imagine-se,  de jovens!

Outro ,  mais honesto e menos  retrógrado, diria  que era uma nova aragem, um ar fresco, uma renovação, um refrescamento, mas ele, na sua postura bolorenta,  diz com ar cínico e cheio de empáfia,  que nunca fizeram nada!!!

Pois se não fizeram, é porque nunca tiveram oportunidade de usar o poder político (como ele usou) para o fazerem!

Eu próprio,  tantas e tantas vezes acusado de nada fazer, mas nunca me sendo dadas oportunidades para exercer funções executivas (diziam que era honesto demais, ingénuo, pouco dado a proteger lóbis, fazer fretes,  demasiado avesso a receber "instruções"...), sinto-me  de alma e coração, ao lado desses jovens assim mimoseados por um  napoleaozinho serôdio e ressabiado. Ele, que catapultou Luisa Salgueiro para a fama e para a vitória em Matosinhos, apelidando-a de "cigana" corre o risco de catapultar para a vitória por maioria absoluta António Costa ao chamar-lhe "médio" e "habilidoso"!!! Efeito de bumerangue em acção!!!

Nós, portugueses, identificamo-nos com médios habilidosos como João Moutinho, João Pinto, Chalana, Bernardo Silva__ que deliciam o mundo com o seu élan, a sua aura criativa, o seu dom artístico__ não podemos deixar de nos identificar com o primeiro ministro tão canhestramente sovado. Enfim o tiro  sai pela culatra, o  efeito bumerangue atinge o próprio lançador!

Se tinha duvidas, agora, ao ler este chorrilho de barbaridades e esta cartilha mais própria d e  um abencerragem, de um bolorento figurão, sei que António Costa vai seguir as pisadas de Luisa Salgueiro e triunfar sem margem para dúvidas!

Rui Rio que se cuide, agora tem no "Chega"  um tal  Sousa Lara que  derrama cultura por todos os poros e arrota santidade por todas as ventosas. E vai ser um camartelo demolidor do edifício que ajudou a construir com a cavacal criatura. Na região alfacinha o PSD vai implodir, ninguém duvide!




VER AQUI SERIEDADE E HONESTIDADE RUMO À SANTIDADE

Santana Lopes, com o seu séquito de barões,  vai fazer muita  mossa (sobretudo na capital.  onde  há "santanetes"  e gente de  "estirpe"  à solta,  desejosa de protagonismos) e o PSD de Rio será espremido como um limão.
Quem crescerá? Não creio que seja  Cristas com aquelas tiradas de bailados das touradas (que têm eco nas franjas mais retrógradas e reaccionárias da sociedade marialva) e, quiçá, a coordenadora do Bloco de Esquerda  que  lá vai levando água ao seu moinho contra todas as expectativas dos bem pensantes... qualquer dia começa a ter à vista  o próprio PSD, que descola do pelotão da frente, e lá vai,  com a cassete costumeira (baixa de impostos...) a tentar minimizar os danos. Enfim, a pulverização de candidaturas  no espectro direitista só fragilizará  os partidos  mais representativos...


 Luisa Salgueiro catapultada para a fama e para a presidência da câmara de Matosinhos pelo comentário "racista" de Manuel dos Santos, o ressabiado...

sexta-feira, julho 05, 2019

Sempre em combate permanente!

O grande combate que deve mobilizar os portugueses é o combate contra o maior flagelo nacional: CORRUPÇÃO!

É ela a causadora da pobreza, da miséria, da desigualdade gritante que há nesta sociedade onde há juizes que vendem favores e se cobram através de testas-de-ferro! Apesar de ganharem como marajás!
Folclores  não contribuem para fortalecer este nobre combate.


Defendo o povo frustrado
em precárias condições
ataco o ladrão safado
não tenho contemplações


O poder não me seduz
nem quero ter pedestal
só carrego esta cruz
p'ra salvar meu Portugal.


Devemos ser empenhados
e ao povo dar a Luz

 ficar de braços cruzados
é... perpetuar a cruz!


Todos somos combatentes
ninguém deve desertar
só a Deus sermos tementes
a ninguém ajoelhar...


Ramos de Barros