quinta-feira, dezembro 20, 2012

Ladainha do Natal Póstumo...

LADAINHA DOS PÓSTUMOS NATAIS

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que se veja à mesa o meu lugar vazio

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que hão-de me lembrar de modo menos nítido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que só uma voz me evoque a sós consigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que não viva já ninguém meu conhecido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que terei de novo o Nada a sós comigo

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem o Natal terá qualquer sentido

Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que o Nada retome a cor do Infinito

DAVID MOURÃO-FERREIRA, OBRA POÉTICA, 1948-1988, EDITORIAL PRESENÇA, 4.ª EDIÇÃO

2 comentários:

MEUS POEMAS disse...

"Há-de vir um Natal e será o primeiro
em que nem vivo esteja um verso deste livro"
Meu novo amigo, concordo plenamente com sua linda poesia, menos com a frase que escreveu acima....Os versos de um poeta jamais terão um fim, são eternos!
Um grande abraço e um Feliz Natal junto aos seus...
Obrigada pela visita!
Bjs da Gena

rouxinol de Bernardim disse...

Gena:

O poeta já faleceu chama-se David Mourão Ferreira.

Também faço poemas mas não lhe chego aos calcanhares...

Feliz Natal com muita poesia!

1 bj