rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

sábado, agosto 23, 2008

Populismo: doença senil da democracia!

«Eu faço ruído, logo existo!»

Pensamentos do René Descartes de Gaia...

Manipular o povo sempre foi obra-prima dos jongleurs da política. Maquiavel foi um dos primeiros mentores desta arte. Seguidores há muitos. Alguns mais hábeis que outros. Mas sempre um denominador comum: pôr a emoção acima da razão para que ao olhar para os festejos, os foguetórios, as festas de arromba, a pompa e a circunstância, o povo não olhe para os défices, as derrapagens orçamentais, os despesismos galopantes...

É assim em todo o lado. Os outros, os sérios e honestos, os que se preocupam com as contas, são imbecis, têm lógica contabilística, são forretas, são invejosos...

Mas o povo vai abrindo a pestana aos folclores populistas. O povo sabe que por detrás de um populista puro e duro há uma amálgama de interesses ocultos onde viceja uma parafernália de saltimbancos da política, de predadores da economia, de patos bravos que ascenderam na vida à custa destes parolos armados em sumidades, em coronéis do despesismo, artífices da artimanha e dribladores exímios da legalidade. Quais artistas circenses, conseguem ocultar os défices com mestria, meter debaixo do tapete as coisas menos limpas para dar um ar de limpeza e de brancura imaculada ao que é opaco e baço como o nevoeiro...

Em homenagem ao povo que já não cai nesse populismo bacoco, no discurso avinhado e carregado de artificialismos emocionais, aqui deixo estas quadras simples...



O ZÉ QUE ABRE A PESTANA... E JÁ NÃO SE ENGANA!



Contra o vento e a maré
Contra a onda pessimista
Entoam vivas ao Zé
De uma forma oportunista!



Mas, cada vez mais prudente
O Zé pensa doutro jeito:
Já não arreganha o dente
Nem bate palmas a eito!



Já farto de ser queimado
No fogo não põe o dedo
Tal e qual gato escaldado
Que de água fria tem medo!...



Já farto de populismo
O povo abriu a pestana
Há tanto chico-espertismo
Pra ver se o povinho engana!

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home