quinta-feira, maio 21, 2009

Os diamantes são eternos...

Maria Celmira Bauleth, miss Portugal, a welwitchia mirabilis de sorriso permanente...
Há mulheres que são como o vinho do Porto: a qualidade é directamente proporcional à idade cronológica...
Na ternura dos cinquenta
Riquita, essa rubra flor,
Flor tropical, tão bendita,
D'ouro, humana pepita,
Eva... que fez o Senhor!
Luminosa criatura
Fogosa, no seu esplendor,
Um hino à Beleza Pura
Amora-doce-ternura
Um aroma sedutor!
Lhe estendamos passadeira
Rubra, como ela merece,
Sol de grandeza primeira
Réstea de luz verdadeira
Farol que jamais se esquece!

2 comentários:

Mariazita disse...

Bom, se o poeta é menor :))), como é dito no post anterior, não sei.
Mas sei que o poema é MAiOR.
Muito lindo, bem construído, com ritmo...gostei!
E a "miss" está cada vez mais bonita, sem dúvida:

Um dia feliz.

Beijinhos
Mariazita

rouxinol de Bernardim disse...

Poesias não se medem ao metro... mas só o futuro, esse juíz supremo, dirá de sua justiça...

A julgar pelas «censuras» e "paranóis censórias" que vou tendo actualmente, só mesmo o futuro...