rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

quarta-feira, maio 21, 2008

Simplesmente... Constança!

«Não. rouxinol , não vou ao ginásio. Mas para pesos plumas destes eu tenho condições muito sui generis: basta deixá-los investir... eu desvio-me e eles vão ao tapete só pelo seu impulso excessivo!...»


Acabo de ver um debate na TVI entre a jornalista Constança Cunha e Sá e Luís Filipe Menezes. Dei-me ao cuidado de gravar e analisar friamente o «combate».
Como é possível o Dr Luís Filipe Menezes ter ido ao tapete de forma tão ingénua?
Ele continua com aquela «cassete» do «sulistas, elitistas e liberais» e não consegue libertar-se dela. Agora são os «barões» que estão na base da Dra Ferreira Leite e as bases estão ao lado dos seus «apêndices» (Santana Lopes e Pedro P. Coelho).
Ele não tem a noção do ridículo. A Dra Ferreira Leite já o elucidou que é abrangente, interclassista, quer um PSD amplo e plural aberto a todas as classes e a todos os sectores tal como alvitrava Sá Carneiro. Ela é a favor de um partido capaz de congregar jovens, idosos, trabalhadores, empresários, estudantes , professores, independentemente da sua origem socioeconómica. É (deve ser) assim em todos os partidos com ambições nacionais.
O facto de ele a tentar acontonar nos chamados «barões» não significa que o seja. E qual o «basismo» de Menezes? Tenho alguns amigos de Gaia que o conotam como um factotum de algumas eminências pardas, algumas bem negras no presente momento...
Como foi ridículo tentar identificar a Dra Ferreira Leite como uma espécie de tentáculo (passe o termo) do Dr Pacheco Pereira! Aliás deve-se dizer, em abono da verdade, que em termos culturais, temperamentais e até mentais, ele (PP) fica uns côvados acima da craveira de Menezes, sem dúvidas nenhumas!
Quem viveu numa onda de euforia mediática produzida pelo fenómeno futebol (um certo clube a quem se pendurou...) julga-se um carismático ideólogo dentro do partido mas não passa (como Constança Cunha e Sá demonstrou à saciedade) de um paupérrimo debitador de ideias-feitas, de um caudilho de trazer por casa arvorado em quinta-essência da social-democracia!

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home