rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

sexta-feira, março 27, 2009

Vê-se tanto por aí...

Cultura domesticada
ao poder tão serviçal
turibulária e vergada
não é cultura nem nada
é prostituição mental.
Autocensura evidente
pautada por calculismo
tão medrosa e conivente
não ousa ser maldizente
roça o... miserabilismo...
O provincianismo ecoa
na capelinha sectária
isenção até destoa
perante a hosana e a loa
a panegírica ária...
Na liturgia submissa
irreverância castrada
o fogo já não se atiça
a chama é triste e mortiça
chalaça é ostracizada.
Cultura assim faz escola
tem cortesãos, camarilhas,
se o poder puxa a pistola
curvam-se e pedem-lhe esmola
comem pratos de lentilhas!
Nota final: um conhecido presidente de câmara do norte afirmou que só dava subsídios a projectos culturais se eles não fossem críticos. O termo é subjectivo, mas toda a gente viu uma implícita censura, uma forma de domesticar os agentes culturais, subrepticiamente uma mensagem: «se disseres mal do poder, ainda que justamente, nada levarás...»
É assim em muito lado. Esta censura campeia. Os sabujos, os lambebotas levam prebendas do erário público. Os erectos, os que não vergam, os independentes não são bem vistos. Para eles, a pistola...

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home