rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

domingo, dezembro 07, 2008

ROSAMAR...

A morte, essa ceifeira implacável, voltou aos mares. Agora foi na Galiza, o «Rosamar» se afundou levando consigo alguns pescadores.
Caxinas, a terra-mártir, mais uma vez foi atingida pelo luto. Oxalá tão cedo não volte a fustigar essa honrada e nobre gente que na faina do mar nos procura dar o alimento saudável que é o peixe. Me curvo à memória de um bravo combatente, que, no local de trabalho, sucumbiu à traiçoeira tempestade.



ROSAMAR!



Caxinas, sinos dobram com dolência,
Veste crepes, de novo, esta colmeia
Piscatória; o luto e a impotência
Esta terra tão mártir, incendeia...




«Rosamar» com espinhos de incerteza
Ensombrando o natal dos pescadores;
Consoada de angústia está na mesa
Amargura com lágrimas, com flores...


Custa tanto sofrer, ter de aceitar,
No local de trabalho sucumbir
Sem ter havido forma de o evitar!


As lágrimas saudosas vão caír
A prostração nos verga e faz pensar:
«Rosamar»... que o mar não deixou florir...

2 Comments:

Blogger heretico said...

bela homenagem. gostei. pelo poema e pelo seu signicado...

abraços

1:07 PM  
Blogger heretico said...

"significado", rectifico.

1:08 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home