quinta-feira, dezembro 11, 2008

O mal do mundo: a mama!

Nesta Ilha da Madeira
A mama é que está a dar
Isto é a «Mamadeira»...
Ninguém ouse duvidar!...
Lá vamos mamando e rindo
Mama cheia, ou torneira
P'rós meus amigos abrindo
Povo?! ... Sem eira nem beira!...
A mama só nos sacia
Se for forte e bem pujante
Isto é mamocracia
Regime bem fascinante!
Não vejo, mas sinto que o mundo inteiro precisa de acabar com esta mama gigante que dá de mamar a alguns e mata à fome a grande maioria dos habitantes deste planeta!





Para alguns o mundo é mama
Mas que grande «mamadeira»
A chupar... há vasta gama
Vão gamando... a vida inteira!...


A teta da banca está
A alimentar uns mamíferos
Porcos como eles não há
Animais muito prolíferos.


O Estado mama o imposto
Chupa da teta fiscal;
O Zé paga... a contra-gosto
Ou chupa... co'o tribunal!


Lei da oferta e da procura
Mamão, mama tem que ter!...
Olhai p'ra essa figura
Sempre agarrada ao poder!...


Mamar é grande «Paixão»
E todos os que a praticam
É tal a sofreguidão
Que até viciados ficam!...


Viciados no poder
Mama farta!, qual torneira!
A carteira sempre a encher
Mas que grande «mamadeira»...


O mal do mundo é a mama
Dar-se a uns, a outros não!
Mas agora com... Obama
Vai haver mama... à ração!...

3 comentários:

Paty disse...

Oláa!!
Passando para retribuir e agradecer à visita. Realmente muito grata.

Que belo texto. E bem real. Infelizmente é o que o mundo está fazendo,"mamando", e não pretende parar.

Tenha um bom fim de semana.

Marieke disse...

Quando dizes que és um aprendiz de poeta..não vale a falsa modéstia...a Poesia tem muitas faces..a tua é a da acutilância...precisão...cortante....exacta...mordaz...humorística...
mas é a que hoje precisamos de ler...porque a poesia romântica..triste...azeda e amargurada...faz mal..provoca Xanaxdependentes ..ehehehheheh
Um abraço
Marieke

rouxinol de Bernardim disse...

Perdão, serei aprendiz sempre, muito embora reconheça acutilância, talvez não seja tudo.
Mas ainda bem que aprecia... há quem diga mal...