rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

quinta-feira, julho 12, 2007

UMA VELA AO VENTO ETERNO...


Pouco a pouco se finando
A vela, ao vento do Fado...
Pouco a pouco se apagando
Com Deus foi... de braço dado.
Flor tão pura e genuína
Deste jardim terreal
Alma nobre, cristalina
Voz eterna, intemporal.
Me curvo à sua memória
De crepes, alma vestida,
Do Fado, feliz memória
Batel no cais... de partida...
Barco negro, vou contigo!
Zarpando direito ao céu
A morte, porto de abrigo
Nos cobre com negro véu!
Se Deus dorme a sono solto...
Eu sei, a gente bem vê...
Por isso, é que eu me revolto,
Pergunto: meu Deus, porquê?!

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home