rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

quinta-feira, julho 05, 2007


O calhambeque do irmão do senhor vereador...
Ele vivia em dificuldades evidentes. O seu Peugeot 206, cheio de varizes, com catarro no arranque, exalando um fétido odor a CO2, era a sua imagem de marca, o seu cartão de visita.
Mas era feliz. Vivia tranquilo, sem ambições desmedidas, com a consciência limpa e sono sempre em dia.
Pelo contrário, o irmão, casado com a ambição e amante da luxúria e da venalidade tinha no "padrinho" (tráfico de influências...) um suporte excepcional. Começou a enriquecer de forma inesperada e faustosa desde que passou a vereador de um conhecido executivo camarário...
As "prendas" começaram a surgir em catadupas; o seu caudal era bem mais ostensivo e volumoso que o das famosas cataratas do Niagara...
Vai daí, pensou lá com os seus botões: "qualquer dia tenho o fisco à perna... terei que dar um jeito para arrumar tanta benesse caída do céu aos trambolhões..."
Eis senão quando, em conversa amena com o pai, uma ideia luminosa lhe surgiu. Este, embora não conhecesse a fundo a origem de tanta fortuna repentinamente adquirida pelo filho, prestou-se ao favorseco: "lavar" aqueles bens, de tal sorte que não desse nas vistas e ninguém sonhasse a sua duvidosa proveniência.
A tal câmara era como um íman gigantesco, atraindo vil metal, capturando apoios nos diversos pilares da administração, aglutinando interesses e gerando de forma ininterrupta situações de grande "criatividade monetária"... Era um verdadeiro maná!... Ele, sem grandes escrúpulos diga-se em abono da verdade, sentia-se como um croupier de casino com o rodo da ambição!...
Nunca pensara que o cargo de vereador gerasse tanta fortuna e houvesse tantos beneméritos a troco de uns meros "jeitos"...
Entrementes, o pai, discretamente, lá conseguiu pôr a salvo alguns valores, colocando em campo uma estratégia de dispersão geográfica bem delineada de modo a não espantar a caça... Ele sabia que era tudo do filho vereador mas nunca revelou nada ao filho do Peugeot cheio de varizes...
Contudo, a morte, essa ceifeira cruel e inesperada, veio fazer das suas, e levou-o no seu regaço protector. Foi uma calamidade!
O filho vereador mais do que a morte do pai, chorava a perda de metade de património tão arduamente conquistado, tão subtilmente adquirido com a volúpia de uma meretriz de alta roda, de um vampiro de voracidade extrema...
Era uma pena. Assim, de uma forma tão abrupta, sem tir-te nem guar-te!!!
O mano do vereador, esse, ficou boquiaberto. Recebeu uma opípara herança sem ter feito nada por ela. O vereador bem replicou, que era tudo dele, estava em nome do pai por estratégia ocultista, mas nada feito. A sua capacidade persuasora, tão eficaz junto de alguns empreiteiros, não o foi, perante o próprio irmão.
O dono do velhinho calhambeque, do Peugeot já caquético, com rugas no motor e varizes na pintura, ficou rico de um momento para o outro! Deus escreveu direito por linhas tortas!
Afinal, Ele, nem sempre dorme...

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home