terça-feira, fevereiro 17, 2009

Hugo Chavez, para sempre?

As eleições na Venezuela ditaram a sorte para perpetuar Hugo Chavez no poder. Uma deriva totalitária no horizonte, uma acha para a fogueira populista que arde em altas labaredas, cultuando a personalidade de um homem cujo nível intelectual é paupérrimo, cujo sentido ético é quase nulo, cuja capacidade de liderança democrática deixa muito a desejar.

Segundo o DN de hoje a abstençao foi de cerca de 30%, o que não foi por aí além diga-se em abono da verdade.

Às vezes, mesmo sem esta preocupação legalista - que se regista apesar das críticas - vemos por aí fora (e cá dentro) situações cujos contornos deixam transparecer algo de preocupante: a alternância democrática é impossível onde sistematicamente se violam as regras mais elementares da convivência democrática.
Oxalá este caso da Venezuela não seja o prelúdio de um messianismo populista desenfreado, alastrando por essa América Latina (e não só... vemos o Zimbawe e outros similares...) e criando raízes também por cá.

2 comentários:

Rafeiro Perfumado disse...

O para sempre é uma realidade que dura até acabar. Um dia virá outro como ele, e o ciclo recomecerá, vais ver...

Abraço!

rouxinol de Bernardim disse...

Oxalá que não!