rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

sexta-feira, agosto 07, 2009

Que pouca vergonha, Dra Ferreira Leite!!!


E vem esta criatura, arvorada em Frei Tomás de saias, apelar à VERDADE, à rectidão, com que moral?!
Ela não é diferente do seu correligionário que arrota moralidade a rodos lá no Chão da Lagoa!!!
Farinha do mesmo saco, não haja dúvidas!
Manuel Monteiro, líder do partido da Nova Democracia, mostra que ainda mexe. O seu comentário no Público (clicar para ver) é de uma candente actualidade. Indivíduos que receberam subsídios de reinserção e mordomias várias voltam à ribalta e não devolvem essas chorudas compensações...O Zé Povinho olha estupefacto e esfrega os olhos incrédulo! É esta a dama de ferro? Ferro cheio de ferrugem moralística, está-se mesmo a ver...Coitadinha!!!
Que moralidade é esta? Que gente é esta que quer vender banha de cobra moralista e chafurda no lodaçal da promiscuidade?
Invocar a lei, tout court, não basta! Há coisas que só uma moralidade superior pode dar! Deu-a Sá Carneiro nalgumas opções tomadas no seu tempo. Ele não se servia do aparelho para se perpetuar no poder, mas usava o partido como instrumento para salvaguarda de uma coisa mais importante: a DEMOCRACIA!
Venha o sapateiro de Braga, já!!!

Marcadores:

2 Comments:

Blogger Manuel CD Figueiredo said...

Seria bom que o Zé Povinho se lembrasse dos desempenhos de Manuela Ferreira Leite à frente do Ministério da Educação (os professores não dizem nada?) e da escandalosa reinação no Ministério das Finanças, sem explicações nem averiguações, e pelas quais ainda estamos a pagar.
Política de verdade? Uma treta!

9:48 PM  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Eu até confio nas pessoas, mesmo nas que são mais atacadas, por vezes de forma excessiva. No seu tempo houve necessidade de certo rigor e de certo apertar do cinto dados os condicionalismos. Contudo, agora, nesta opção declarada por «homens de confiança», com o deliberado pressuposto de ter o aparelho nas mãos, é de lamentar...

3:03 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home