segunda-feira, novembro 23, 2009

O "calvário" da paixão!



Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm delícia de veludos caros
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer.

Mas, meu amor, eu não te digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz.

Amo-te tanto! e nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz.

10 comentários:

Dalinha Catunda disse...

Olá amigo,
Florbela Espanca, é a mais perfeita tradução dos fortes sentimentos.
A alternância de versos ficou ótima.
Bjs
Dalinha

rouxinol de Bernardim disse...

Dalinha:

Florbela Espanca é de uma poesia intemporal! Ímpar!

A força do Amor, por vezes platónico, como parece ser o caso, mas mesmo assim, escaldante, pletórico de sensualidade, enfim, o Amor em estado puro!

maria teresa disse...

Florbela é um ícone, embora muito triste, muito etérea dá sempre prazer ler.
Não conhecia...
Bjs

Pena disse...

Oh, Fabuloso Amigo Notável:
Um poema que encanta de Florbela Espanca a que deu vida.
Um poema sensível de amor.
Creio, que define bem a pureza, Brio e Amor ao próximo que encanta.
Parabéns sinceros.
Extraordinário versejar já constatado em todos os pontos do mundo.
Abraço amigo no mais puro respeito e admiração.
VOCÊ é uma preciosidade humana que não se pode ignorar, pela gigantesca manifestação do seu sentir imenso e grandioso.
Adorei.

pena

Bem-Haja, admirável Amigo de Bem.

rouxinol de Bernardim disse...

maria teresa:

António Nobre foi ainda mais lúgrube. Ambos fariam um par notável!

Mas a qualidade é marca indelével que perdura ad aeternum!...

rouxinol de Bernardim disse...

Caro amigo Pena:

Tenho pena de não ter a pena da Florbela! Pena maior ainda de não ter a sua capacidade hiperbólica
(quiçá ironia pura...), com graça e genuína simplicidade!

Me curvo à sua ironia subtil, ao seu magnânimo derramar de elogios...

Talina disse...

Obrigado por esta partilha, adoro Florbela Espanca.

Abraço

Talina

SAM disse...

Um grande viva para Florbela! Beijos

Ana disse...

Excelente o poema de Florbela que escolheste!
Obrigada e um beijo.

Ana Pallito disse...

"Amo-te tanto! e nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz." Sinto-o