rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

segunda-feira, novembro 23, 2009

O "calvário" da paixão!



Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que a minha boca tem pra te dizer!
São talhados em mármore de Paros
Cinzelados por mim pra te oferecer.

Têm delícia de veludos caros
São como sedas pálidas a arder...
Deixa dizer-te os lindos versos raros
Que foram feitos pra te endoidecer.

Mas, meu amor, eu não te digo ainda...
Que a boca da mulher é sempre linda
Se dentro guarda um verso que não diz.

Amo-te tanto! e nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz.

10 Comments:

Blogger Dalinha Catunda said...

Olá amigo,
Florbela Espanca, é a mais perfeita tradução dos fortes sentimentos.
A alternância de versos ficou ótima.
Bjs
Dalinha

11:09 PM  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Dalinha:

Florbela Espanca é de uma poesia intemporal! Ímpar!

A força do Amor, por vezes platónico, como parece ser o caso, mas mesmo assim, escaldante, pletórico de sensualidade, enfim, o Amor em estado puro!

1:32 AM  
Blogger maria teresa said...

Florbela é um ícone, embora muito triste, muito etérea dá sempre prazer ler.
Não conhecia...
Bjs

10:14 AM  
Blogger Pena said...

Oh, Fabuloso Amigo Notável:
Um poema que encanta de Florbela Espanca a que deu vida.
Um poema sensível de amor.
Creio, que define bem a pureza, Brio e Amor ao próximo que encanta.
Parabéns sinceros.
Extraordinário versejar já constatado em todos os pontos do mundo.
Abraço amigo no mais puro respeito e admiração.
VOCÊ é uma preciosidade humana que não se pode ignorar, pela gigantesca manifestação do seu sentir imenso e grandioso.
Adorei.

pena

Bem-Haja, admirável Amigo de Bem.

11:11 PM  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

maria teresa:

António Nobre foi ainda mais lúgrube. Ambos fariam um par notável!

Mas a qualidade é marca indelével que perdura ad aeternum!...

12:08 AM  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Caro amigo Pena:

Tenho pena de não ter a pena da Florbela! Pena maior ainda de não ter a sua capacidade hiperbólica
(quiçá ironia pura...), com graça e genuína simplicidade!

Me curvo à sua ironia subtil, ao seu magnânimo derramar de elogios...

12:11 AM  
Blogger Talina said...

Obrigado por esta partilha, adoro Florbela Espanca.

Abraço

Talina

9:49 AM  
Blogger SAM said...

Um grande viva para Florbela! Beijos

11:57 AM  
Blogger Ana said...

Excelente o poema de Florbela que escolheste!
Obrigada e um beijo.

9:07 AM  
Blogger Ana Pallito said...

"Amo-te tanto! e nunca te beijei...
E nesse beijo, Amor, que eu te não dei
Guardo os versos mais lindos que te fiz." Sinto-o

11:48 AM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home