rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

quarta-feira, novembro 18, 2009

ATENÇÃO, QUEIROZ!


__Senhor Cardeal, todos os portugueses estão convocados para este jogo. A si, atribuo-lhe uma tarefa especifica: fará a ligação entre Fátima e Caravagio!!!
__Espero que não seja em TGV! É dispendioso, pouco compatível com as disponibilidades financeiras do momento! Prefiro ir de avião!


Hoje Portugal vai defrontar a Bósnia no jogo decisivo para a ida (ou não) ao mundial de futebol na África do Sul. No estádio da Luz a sorte esteve connosco. Agora há que ter cautelas, a sorte pode sorrir aos bósnios... O «fia-te na Virgem e não corras!» tem sido às vezes a nossa perdição!
Mas para acautelar situações menos boas, há que atentar no seguinte:
__O ambiente por muito «feroz» que seja não ganha jogos desde que tenhamos uma postura combativa, serena, lúcida. Há que adoptar uma postura agressiva mas lúcida. Daí...
__Há que incluír jogadores com perfil (psicológico e morfológico) capaz de corresponder ao desafio. Hugo Almeida é imprescindível e deve ter possibilidades de vir também defender, sobretudo nos cantos, onde o fator envergadura física é imprescindível. Os duelos aéreos vão ser determinantes!
__ Duda, não tem perfil psicológico nem morfológico (é baixo e tem pouca agressividade) para um jogo feio como este. Embora bom tecnicamente não se adapta a este tipo de jogo estilo «mata-mata!». Logo, há que o substituír.
O esquema táctico não deve ser rígido. Ganhará quem atacar com muitos e defender com muitos! A elasticidade será o segredo. Os cantos e os livres próximos das áreas vão ser importantíssimos.A Bósnia é similar à Grécia do Euro-2004: organização, segurança no passe, defesa em bloco e ataque calculista, sobretudo nas bolas paradas: livres e cantos. A força e a velocidade são duas vertentes importantíssimas. Há que respeitar essa faceta.
Defender em bloco, fora da área, não deixar a Bósnia penetrar pelos flancos, obrigá-los a bombear bolas para a testa dos nossos centrais (3), explorar a flexibilidade dos nossos avançados no contra-ataque, será a nossa arma.
Cuidado com as bolas que forem à linha de fundo e os atrasos para a zona do penalty! há que ter alguém sempre nesse local cada vez que os flancos forem violados pelos bósnios. Todos acantonados na linha de baliza é um erro crasso.
Pensar sempre no golo, mesmo quando se está na defesa. O contra-ataque terá de estar sempre na mente de todos.
Penetrar pelos flancos e aproveitar os adiantamentos adversários tendo em mente o golo que pode desequilibrar: o 2-1 ou o 3-2 será a nosa vitória! em caso de igualdade os golos fora valem a dobrar!
Post scriptum: Resultado final - Bósnia O Portugal 1
Enfim, a sorte já não foi precisa. A Bósnia esteve uns furos abaixo do que mostrou na Luz. Culpa de quem? De uma estratégia sóbria e eficaz onde pontificaram os centrais Ricardo Carvalho, Bruno Alves e Pepe - secando completamente o jogo aéreo adverso- bem assim como de um Meireles sempre atento, marcando o golo e sempre na brecha. Falhámos golos na cara do guarda-redes. Este foi certamente o melhor homem da Bósnia. Mas nada de deslumbramentos. O ataque precisa de ser mais pragmático aproveitando as oportunidades. Foi muito perdulário...O Hugo Almeida fez falta. Mas o João Tomás, do Rio Ave F.C. se lá estivesse, não perderia aquele caudal de oportunidades de golo. FAZ FALTA À SELECÇÃO!

Marcadores:

2 Comments:

Blogger Táxi Pluvioso said...

Sou contra esta selecção que descrimina os portugueses do Benfica, há o Dí Maria, o Cardozo, e muitos outros portugueses, que eram uma mais-valia.

8:25 PM  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

meu caro:

E o tal chinês do Benfica que até na luz é discriminado?! Não se faz!

10:56 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home