domingo, abril 19, 2009

Tiro-lhe o meu chapéu!


Com humildade, com simpatia, com aquele sentido de Estado imbuído de bom senso e de pragmatismo, lá vai levando a água ao seu moinho.
Agora, ao encetar uma nova era com Cuba, esperando, através do diálogo colher mais frutos do que através do bloqueio, lá vai prometendo coisas novas e exigindo, em troca, uma maior abertura do regime cubano no sentido de caminhar para uma democracia autêntica.
Sabemnos que não é fácil, sabe-se como há entrincheiramentos ideológicos arreigados no tempo e capazes de causarem danos colaterais, mas espera-se que os ventos de mudança ora incrementados possam ter eco em Cuba, para bem de todos, para avanço dos processos democráticos.
Que a América colheu lições do passado, estando a corrigir a postura rígida e fanfarrona, estilo «cow-boy enfurecido...», é um dado já adquirido.
E ainda bem que assim é. Oxalá os resultados comecem a surgir, em todos os domínios. Não só no humanitário, mas também no económico e no social.

2 comentários:

Polêmica disse...

Também tiro o meu chapéu para ele, e também torço muito para que as mudanças que ele tanto falou em sua campanha também alcence Cuba para que aquela nação possa progredir cada vez mais rumo a democracia.

Beijos

rouxinol de Bernardim disse...

Resta-me acrescentar: «que assim seja!»