rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

terça-feira, junho 29, 2010

Será que?!


Era uma vez uma turma de navegadores. Dizia-se que iriam representar a pátria, a turma de todos nós.
Iríamos defrontar a turma nossa vizinha. Pensava-se em Aljubarrota e todos se sentiam inspirados. Até cantavam com feeling...
Mas a turma vizinha teve medo. Precaução, disseram eles. Era preciso ter cautelas com um marinheiro especial. Assim foram à bruxa. Ou melhor, ao bruxo.
Ele, profundo conhecedor da História, sentenciou: para derrotar esses mareantes só com sereias!
E assim se fez como o bruxo mandou. As sereias amestradas e devidamente vestidas-despidas foram para o local da refrega. E mostravam com exuberância os seus argumentos. Cantavam e lançavam cartazes oferecendo tudo, até o âmago da sua intimidade, a que algumas chamam sem razão aparente, o virgo...
Cantavam com tal entusiasmo que os mareantes perderam o norte... e foram derrotados pelos vizinhos...
E foi assim que um bruxo de bigode conseguiu dar um bigode aos marinheiros da gesta lusa...
Um tal de Eduardo e um tal de Coentrão ainda tiveram a lucidez de pôr silicone nos ouvidos... mas foram a gota de água no oceano da ingenuidade...

segunda-feira, junho 28, 2010

Nobel da Economia contra contracção da economia


Bento XVI:_ Me diga senhor presidente, a chamada «Lei de Gresham» também se aplica ao clero?
Prof Cavaco:__ Vossa Santidade me desculpe, mas eu, desde que cheguei ao topo, deixei de usar essa linguagem. Sinto que sou a «moeda má» que afastou as boas...
Bento XVI:__ Não se recrimine professor. Também tenho os meus pecados mas já estou farto de pedir perdões... tudo por causa das «moedas más» que me antecederam e protegeram quem não merecia ser protegido...

O prémio nobel da Economia defende um redireccionamento dos investimentos (ver aqui, no Público)e até a criação de bancos públicos (nacionalização) em detrimento da injecção maciça de elevadas somas no sistema bancário. Subliminarmente aconselha a criação de bancos públicos a fim de melhor controlar o investimento.
A fúria privatizadora deu no que deu. O dilema público versus privado deu lugar a outra perspectiva: a racionalidade económica, a eficaz supervisão, a planificação criteriosa nos investimentos, enfim, a melhor utilização dos fundos para dinamizar a economia, a melhor opção
para o superar desta crise multifacetada.
Os apologistas do corte cego, do não investimento como forma de estancar o défice, são confrontados agora outra análise. Mais lógica, mais racional, diria até mais Keynesiana.
Joseph Stiglitz defende que uma economia nacional não é como a economia familiar.

E concretiza: «Se uma família não pode pagar as suas dívidas é-lhe recomendado que gaste menos. Mas numa economia nacional, se se corta o gasto, a actividade económica cai, nada se investe, aumenta o gasto com o desemprego e acaba-se sem dinheiro para pagar as dívidas».
Cavaco concordará?! Ele, agora em fúria eleitoralista ou pré-eleitoralista, deitou fora a roupagem académica e vestiu o trajo politiqueiro... Longe vão os tempos em que só precisava de um extintor de otimismo (ver aqui neste blogue a 21 de Maio de 2008- «O fogo da corrupção alastra...»)para acabar com a crise... Como é ridículo vê-lo agora, que estão a ser corrigidos os desmandos, a verberar, quando deveria tê-lo feito na altura oportuna, quando o incêndio (económico-financeiro) já lavrava e ele nada via... assobiava para o ar e reclamava otimismo como panaceira redentora! O elixir de todos os males! Não se apercebeu sequer do estremecmento deste novo-Titanic chamado Portugal! Queria a orquestra sempre a tocar!...

Marcadores:

domingo, junho 27, 2010

Cavaco é sustentável?!



















Dantes, ele dizia que era preciso «resistir ao pessimismo». Era um otimista doentio...
Agora, deu uma cambalhota, um salto mortal e converteu-se. Ao PESSIMISMO... doentio...
RESISTIR AO PESSIMISMO:
Resistir ao pessimismo
É sempre a melhor opção
Já basta o catastrofismo
De Cavaco em crispação...
Há que elevar o astral
Pela pátria ter paixão
Esta nação ancestral:
Portugal do coração!
Resistir ao pessimismo
Com alma, fé convicção,
É mostrar portuguesismo
Levantar o povo do chão!!!

O PR vem clamar publicamente que a situação portuguesa é «insustentável
De duas uma: ou pensa a sério nisso e só tem uma saída, exonerar o governo, ou usa esta expressão para criar problemas ao país, sabotar a nossa economia, denegrir a nossa capacidade de regeneração das contas públicas, afundar a reputação do governo__ e então, a saída é óbvia__ a sua própria demissão!

Isto assim não pode continuar! Ele é o garante da estabilidade, logo, ou se demite para evitar que o País «caia», ou exonera o governo!

Meias-tintas é que não. O povo não pode sustentar mais esta farsa! Já chega de demagogia barata, de farsa, de hipocrisia!
Isto de andar à segunda-feira a dizer que é pela concertação estratégica e à terça a destilar ódio a essa mesma concertação, com palavras gritadas na praça pública, em girândolas desestabilizadoras e de óbvio impacto mediático internacional, não é de garante da estabilidade, de garante do regular funcionamento de instituições, enfim, não é de quem deveria ter CARÁCTER!

O país inteiro já percebeu (ver aqui o director do JN...) que Cavaco não resistiu à tentação. Caíu no pecado capital de se aproveitar do cargo, do pedestal de Belém, para usar como rampa de lançamento da sua própria candidatura. Ou melhor: recandidatura!
Quem peca vai para o inferno. O inferno é o «direito à indignação»! «A voz do povo é a voz de Deus!»«Vade retro, Cavaco!»

Enfim, longe vão os tempos (Maio de 2008, ver aqui...) em que ele Cavaco cooperava com o governo, dizendo que era preciso «resistir ao pessimismo»!!!

Os que avisavam para as nuvens negras anunciadoras de mau tempo económico ele, Cavaco, imbuído de feroz otimismo, vergastava-os e anatematizava-os com o seu «é preciso resistir ao pessimismo!»Poucas vezes condenou o clima de permissividade reinante e conducente a corrupções mais ou menos descaradas e que mereceu críticas severas de entidades tão diferenciadas como Guilherme Oliveira Martins, Maria José Morgado, Paulo Morais, Marinho Pinto.

Ainda me lembro dos nomes que chamava às entidades de tutela do seu tempo (v.g.Tribunal de Contas e Provedor de Justiça), as famigeradas «forças de bloqueio»...
Agora, digo eu __ e dizem as pessoas sensatas e lúcidas deste país__ é preciso resistir ao pessimismo catastrofista de Cavaco, estilo «política de terra queimada», que visa colher dividendos eleitoralistas, de uma forma pouco ética, pouco honesta, pouco digna de um presidente de todos os portugueses.

Em suma, é grotesco assistir a este patético cenário: ou se demite ou exonera o governo! Assim, não!






Marcadores:

sábado, junho 26, 2010

Nos céus de Portugal

A senhora comandante!
Apontando ao rumo certo
Com saber, rara mestria,
Ela é um sorriso aberto
Ela é paixão-alegria....
E se a avaria surgir
Tem sempre uma solução
O avião não vai caír
Caio eu... em tentação!!!

A previsão de Lula da Silva


__E digo-lhe mais seu rouxinol, o Brasil vai ganhar a copa na África do Sul com a mão de Fabiano. Sabe que os árbitros vêem, mas falta-lhes a coragem de castigar... Maradona já fez isso, por que não Fabiano agora?!

Marcadores:

sexta-feira, junho 25, 2010

Extinção da República?! Coelho quer ser rei?!


«Macacos me mordam se este Predro Passos Coelho alguma vez vai ganhar alguma coisa!!!»
Pedro Passos Coelho não faz a coisa por menos: nomeou para a comissão de revisão constitucional (presidente),o monárquico Paulo Teixeira Pinto (o tal das trapalhadas (passe o eufemismo...) no Millenium e o tal da reforma com muitos pontos de interrogação...). Dizem os entendidos (ler aqui) que há o propósito de, ao rever a constituição da República, admitir que ela possa vigorar num regime monárquico. Ou seja dar cobertura ao regresso da monarquia a Portugal!!!

Enfim, Pedro Passos Coelho ou quer ser rei ou anda a reinar connosco, republicanos de gema.

Nada tenho contra os monárquicos. Acho que alguns merecem apreço e estima. Outros, nem por isso. Agora adulterar a constituição da República de forma a que possa servir de roupagem ao regime monárquico é de bradar aos céus!!! Este social-democrata tão angelical mais parece um anjinho do que um político republicano! Fartos de «anjinhos» andam os social-democratas há muito...

Os monárquicos vão todos votar no Pedro, claro... Será que nós, republicanos, vamos aceitar estas brincadeiras de mau gosto, de um político que até tem um ar sereno, sensato e aparentemente um não idiota-útil?!

Ou será que estamos enganados?!


Marcadores:

quarta-feira, junho 23, 2010

Portugal O Brasil O



Há que repartir irmamente o resultado. O empate serve os interesses de ambas as partes.
Para quê lesões, para quê castigos, para quê desgaste desnecessário? Vamos pensar numa final inédita: Portugal versus Brasil...

L'important c'est la rose!!!




terça-feira, junho 22, 2010

Um génio...

Extraída esta foto do blog do walter hugo mae (ver aqui)


__O que penso de Cavaco? é um génio...

__Mas ele não o aprecia muito. Você está a tributar-lhe um estatuto de genial...

_Sim, mas um «génio de banalidade», a modos que uma espécie de «napoleão de hospício» como disse com apropósito o Dr João Salgueiro na Figueira da Foz, quando foi fazer a rodagem ao novo carro...
__Acha que Sócrates pode confiar nele?!
__Não, nunca. Ele é capaz de dizer hoje que está a fazer cooperação estrégica e amanhã afirmar com ar catastrofista que o país é insustentável!...
__É duplicidade?
__É falta de rigor e de credibilidade. Ao dizer que o país é insustentável está a diminuír a nossa cotação nas agências de crédito, a avalizar os que especulam contra nós, a diabolizar a nossa economia, a cooperar com estratégias estranhas ao nosso país... e aos nossos interesses. Está a ser anti-patriota, em suma! Mas a sua ambivalência pode aumentar com o aproximar do acto eleitoral... é típico de quem sempre usou esta duplicidade.
Nota: Este diálogo é puramente ficcionado, nada tem a ver com a realidade concreta.

Marcadores:

Fénix Portugal




Este é o leão Portugal. Ela é a leoa... Coreia!!!

.
Renascida das cinzas a equipa de todos nós esteve igual a si própria: pôs os coreanos em sentido!Agora sim, somos favoritos e fazemos jus ao terceiro lugar no ranking da FIFA!

Os 7-O à Coreia do Norte vão ficar nos anais. Eusébio lacrimejava. Portugal explodia de alegria. O mundo abria a boca de espanto!

Acabou aquele futebol timido, de passa para trás e lateraliza, que fazia envergonhar a nossa gente. «Pra trás mija a burra!», é um ditado popular que mais se adequava àquele estilo de jogo. Afunilar, afunilar e nunca rasgar espaços, abrir clareiras como o futebol moderno impõe.

Miguel e Coentrão foram gazuas sempre acutilantes. O ataque esteve sempre desperto, sempre com o olhar na baliza, sempre à procura do remate.

Então aquela segunda parte foi brilhante! O futebol a «gasóleo» do jogo contra a Costa do Marfim deu lugar a um futebol a gasolina super-super!

domingo, junho 20, 2010

Questão patriótica!!!

Comer fruta não é pecado. Pecado é deixa-la apodrecer no pomar...





Colhe a fruta no pomar

Prefere a verde à madura

Quem o pode condenar

Se ela é mais tenra... e mais pura?!







Fruta verde mais saudável

Nos ensina a medicina

Facilmente descartável

Vai fora.. ao virar da esquina.





Fruta verde é mais bonita

Nos ensina a ecologia

Quem diz fruta, diz «lolita»

Com seu charme e alegria...





Saber comer, é preciso!

E ter maneiras à mesa

Verde ou madura, eu aviso:

Gosto mais... da portuguesa!!!

Marcadores:

sábado, junho 19, 2010

Morreu Saramago


Faleceu hoje José Saramago, prémio nobel da literatura. O autor de Jangada de Pedra e Memorial do Convento fez da polémica a sua imagem de marca. Sempre procurando desmistificar interpretações abusivas da religião (das religiões), procurou (à sua maneira) fazer pedagogia e sensibilizar os leitores para os oportunismos que podem estar subjacentes a tudo que ronda o terreno da fé, e questoes afins.
Criticar a religião católica no que tem de criticável é justo, necessário até. Agora, face ao que se vê no presente, faz falta criticar os excessos da religião muçulmana e o seu teocratismo belicista.
Os laicos não têm profetas. Não se deixam enredar por teias que por vezes conduzem ao ódio fratricida, à destruição dos seres humanos, ao terrorismo hediondo.
Saramago era um homo sapiens. Será que todos nós o seremos?! Nem todos. Ver aqui, porquê!
Nem sempre concordei com ele, mas há na sua vasta obra uma preocupação desmistificadora, um iconoclastia latente que servia de base à trama romanceada.
Faltava-lhe um pouco de ironia satírica, de sarcasmo acerbo, para atingir o patamar de um Eça, a voluptuosidade de um Camilo. Estes são os meus preferidos, mas Saramago também é um dos grandes. E um dos bons. Sem maniqueismos simplistas, foi, de facto, um gigante, com os seus defeitos, as suas diatribes, as suas tiradas sensacionalistas. Que a eternidade, a santa eternidade o receba de braços abertos e de sorriso nos lábios...

quinta-feira, junho 17, 2010

Finalmente o optimismo!!!

Portugal vai ganhar à Coreia do Norte!!! E logo por seis ou sete...
Obtive a informação em primeira mão! Ver aqui!

Marcadores:

quarta-feira, junho 16, 2010

Portugal vs- Costa do Marfim

O empate a zero com a equipa da Costa do Marfim para o Mundial de futebol na África do Sul foi o corolário lógico do jogo. Ambas as equipas com estudos e precauções acentuadas, com um fio de jogo hipercauteloso, ninguém arriscando, com os defesas trocando a bola com lentidão dando azo à recolocação dos adversários, foi o cenário mais frequente.

Não arriscar nada, não usar os flancos e cruzar da linha de fundo, como mandam as regras, deu no que deu. Liedson precisa de alguém para tabelar. Ronaldo, repito, está a ser colocado numa posição onde é facilmente bloqueado(nos flancos), sem poder gizar um futebol vistoso e com múltiplas opções de passe, como acontece com Messi.

«Queimado» pelo sistema táctico, Ronaldo é mais vítima do que réu.
Os brinca-na-areia são por vezes úteis para reter a bola, mas falta-lhes acutilância e objectividade. Danny e Tiago são paradigmas.

Hugo Almeida fazia falta neste jogo. O caxineiro Coentrão ainda foi dos melhores: com raça, determinação, atenção ao jogo.

Se a Coreia do Norte souber aproveitar a lentidão de alguns defesas nossos poderá surpreender.
Queiroz que se acautele. A equipa de Portugal poderá ser vergada de forma ignominiosa.

O espaço deixado entre a defesa e o meio campo demonstra a falta de objectividade táctica e até de lucidez. Quando o adversário se «encolhe» há que caír em cima, pelos flancos e cruzar atrasado, contudo, o afunilar não leva a lado nenhum. Como se viu. Como ficou provado neste jogo.

domingo, junho 13, 2010

Patriotismo puro!







O Presidente Cavaco quer que vamos passar férias dentro de Portugal.
Não seria melhor pedir à Europa um novo Fundo?
Comer uma vez ao dia já está tão difícil!!!

sábado, junho 12, 2010

O BARCO-PORTUGAL

O vírus da ignorância
No ensino vai medrando
Excessiva tolerância
E ladrões vão abundando...


A doença das maozinhas
Alguns banqueiros pegaram
E fortunas inteirinhas
Pró seu bolso desviaram...


O vírus da vista grossa
Justiça contaminou
E já ninguém vai prá choça
Não se sabe quem roubou...


Triste sina, triste sorte,
Portugal, Nau Catrineta,
Vai sem rumo, vai sem norte,
Dizem que vai... pró maneta!!!

Marcadores:

sexta-feira, junho 11, 2010

PORTUGAL, touro ferido!


O touro-Portugal está ferido mas não morrerá!
O poema Touro-PORTUGAL foi inspirado aqui!
TOURO-PORTUGAL
O touro-Portugal bandarilhado
Na arena financeira, vai sofrendo,
Mil tratos de polé, está condenado
A tortura cruel... e vai morrendo...
O bárbaro castigo dá prazer
E aguça o apetite de terceiros...
Portugal vai sangrando até morrer
Dando gozo a vampiros interesseiros...
Barbárie mais selvagem não há
Portugal torturado até morrer
Não!, nunca!, não irá acontecer!
Portugal vai viver, não morrerá,
Nova democracia lhe trará
Novas leis, novo olhar, um novo ser!

Marcadores:

quarta-feira, junho 09, 2010

Eça de Queiroz um português intemporal!


«Eça de Queiroz, esse maledicente... não passa de um pessimista doentio e anti-patriota... chiça! Ataca a santa madre igreja, o clero, ofende até a classe política que é nobre e digna de consideração e respeito. A banca não lhe dá crédito.»

Eça: «Portugal está no topo da chacota internacional, os seus líderes parecem napoleões de hospício cheios de prosápia e pesporrência...»

Em 1872, nas «Farpas», Eça disse isto: «Nós estamos num estado comparável somente à Grécia: mesma pobreza, mesma indignidade política, mesma trapalhada económica, mesmo abatimento de caracteres, mesmo desleixo de espírito. Nos livros estrangeiros, nas revistas, quando se fala num país caótico e que pela sua decadência progressiva poderá vir a ser riscado do mapa da Europa, citam-se a par, a Grécia e Portugal.»
Hoje poderia escrever mais ou menos isto: «Portugal e Grécia continuam a par na trapalhada política, na falta de carácter da maioria dos políticos, nas pulhices da justiça, na putrefação das instituições. Os principais líderes, que deveriam ser símbolos de coragem, de honestidade intelectual, de lisura de processos, não o são. Mais parecem figuras saídas de algum hospício, debitando um discurso eufórico, delirante, desfasado da realidade concreta que vivemos e sentimos. Portugal precisa de uma vara de marmeleiro. E de alguém que a use com a mesma mestria que um tal Nazareno o fez, expulsando os vendilhões do templo. Enfim, a mesma choldra de sempre! Os mesmos a chafurdar na pocilga lusitana. Uma vara. »

Marcadores:

sábado, junho 05, 2010

PORTUGAL





Portugal, coração de todos nós,
Motivação profunda que nos guia
Nos faz até lutar com galhardia
Honrando a gesta heróica dos avós.



Portugal, comunhão de pensamentos,
Chama intensa de fé galvanizante,
Unindo o povo inteiro num instante
Correspondendo à voz dos sentimentos.



Portugal é nação, pátria também,
Sublimação do bem-comunidade
Que nos deu a matriz, identidade,
Que nos leva a sonhar como ninguém!

quarta-feira, junho 02, 2010

Taxar fugas de capitais para paraísos fiscais










O povo nem sonha o que nós trabalhamos para sobreviver... e não passar fome!...



-A fuga de capitais para off-shores é uma das causas da anemia financeira que afecta o tecido económico empresarial. O investimento privado está cerceado por essa fuga macissa. A não se poder evitar, ao menos que se taxe tal evasão. Seria desmotivador ou inibidor. Já não digo nos 20% como propõe o PCP mas pelo menos, cinco por cento!

O país precisa de se defender dessa sangria. Sabemos ou intuímos que muitos desses capitais são fugas ao fisco, grandes evasões. Quiçá, dinheiro «sujo»...

Quanto à banca também deveria ser coagida a contribuír com maior esforço fiscal. A crise é global, há que globalizar o sacrifício.

Este PS está encostado à direita nalguns aspectos, era bom, seria excelente, que de quando em vez se lembrasse que é SOCIALISTA... Essa amnésia começa a bradar aos céus!

Marcadores:

terça-feira, junho 01, 2010

Qual a postura de Manuel Alegre?

Perante certas manifestações de grande envergadura, perante eventuais greves, perante manifestações de desagrado dos trabalhadores perante o governo como reagirá Manuel Alegre?!

Como candidato do BE deve apoiá-las sem reservas, deve secundar as críticas aos alvos dessas manifestações : os governantes.

Contudo, como candidato «oficial» do PS, o partido do governo, será que vai deixar-se «amordaçar», para não ser politicamente incorrecto ou ingrato?!

Enfim, espartilhado entre dois blocos antagónicos, numa «esquizofrénica» conjuntura, a ambivalência natural nestas circunstâncias vai gerar controvérsia, dissabores, mal-entendidos...

Como diria o outro: «Se de bem com o rei, mal com a grei, se mal com o rei, de bem com a grei...», mutatis mutandis teremos em breve oportunidade de analisar este conflito de interesses que não augura nada de positivo para o candidato...

Ser apoiado pelo partido do poder e pelo principal opositor é algo contra-natura, algo de eticamente pouco edificante, algo de pouco lógico e nada sensato.

A ver vamos...