rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

quarta-feira, agosto 30, 2006

Vila Nova de Gaia: Ninfa do Douro!


Já não tem os rabelos a zarpar
No Douro curvilíneo e refrescante
Mas continua sempre a prosperar
Gaia bendita é terra apaixonante!...

Gente de labor, gente de sucesso,
O gaiense é bairrista cem por cento
De amor acrisolado ao seu progresso
O seu rincão natal é monumento!!!

Monumento fidalgo e modernista
Cinzelado com arte e com paixão
Sangue, suor, talento e... algum betão!...

Gaia se espraia, linda e futurista!
Se diverte também e nos conquista
Ninfa do Douro... de alma e coração!!!

Rouxinol de Bernardim

Miguel Torga, telúrico escritor


Teu humanismo sério e tão profundo
Foi "Terra Firme" e "Mar" em comunhão...
Do povo, o sofrimento abriu um mundo
Cheio de dor, mas pleno de emoção!

No teu "Diário", abriste a alma pura,
Consciência telúrica sem par...
Com teus "Bichos", fintaste a ditadura ;
Humanos!!!, dá prazer vê-los falar!...

Tão plurifacetado, tão ecléctico,
Arma-pedagogia sempre à mão
Escritor, mas também... um cidadão!...

Mesmo em prosa, o teu estilo foi poético,
Teu relacionamento dialéctico
Com a escrita: sublime conjunção!

Rouxinol de Bernardim

terça-feira, agosto 29, 2006

MARIZA, embaixatriz do Fado



Nasceste precoce, eu sei,
Tiveste pressa em nascer...
Ao ver-te cantar, direi:
Não tenhas pressa em morrer!

O teu porte altivo tem
Um encanto sedutor...
És Lisboa, mas também
O Portugal sonhador!

És tão bela e tão formosa
Tua voz em mim perpassa...
É perfume de uma rosa
Que nos fascina e enlaça!

O teu ar tão fatalista
De pureza virginal
É matriz bem intimista
Deste Fado-Portugal!...

Mariza!, és Portugal
És bandeira, embaixatriz,
Verde-rubra, nacional,
Tens a alma de um País!

Tua voz de tom veludo,
Tem quilate e realeza
Ela nos diz quase tudo
Da alegria e da tristeza!...

Tens lusitana feição
Tão meiga... e cheia de graça
Que inebria o coração
E enche de orgulho a raça!...

Mariza!, eu te confesso
Sou teu devoto ardente
Por isso, somente peço:
Anima a alma da gente!

O mundo já se rendeu
Ao teu perfil majestoso...
Fado... contigo cresceu...
Ficou mais leve e charmoso!...

SE UM DIA O FADO QUISER
TAMBÉM ELE... SE CASAR!...
TU SERÁS SUA MULHER
SÓ TU O SABES AMAR!!!

Rouxinol de Bernardim

segunda-feira, agosto 28, 2006

FERNANDO NAMORA: Fogo na noite escura!...


Na noite escura foste fogo intenso
Não foste adorador do sol vigente...
Tua pena cirúrgica foi, penso,
Cautério p'rá ferida cá da gente!...

Trigo e joio apartaste com perícia,
Criaste personagens com rigor,
Ler-te, foi p'ra nós sempre uma delícia
Tónico eloquente e salvador!...

Da Condeixa natal levaste o povo
E puseste-o a falar sem tibiezas...
Vasto rol de... alegrias e tristezas!...

Teus poemas são cântico bem novo
De médico e profeta, quase in ovo,
São e puro... num meio de impurezas!...


Rouxinol de Bernardim

Ary dos Santos: Senhor-Lisboa...


Lisboa tinhas ao peito
Como um cravo na lapela!
Falavas dela com jeito
Até dormias com ela...

O teu olhar fulgurante
Penetrava nas ruelas
Sentia a alma vibrante
De Lisboa, através delas!

Vejo o castelo choroso
Quantas saudades já tem...
E até o mar bonançoso
De ti me fala também!...

Bairro Alto ou Madragoa,
Alfama e também a Graça,
Por ti chora esta Lisboa...
E a saudade jamais passa...

O teu estro não morreu
Perpassa em qualquer lugar
Vibra tanto, que aqueceu
O coração popular!...

Poisavas o cotovelo
No umbigo de Lisboa...
Por ti, afago o cabelo...
E... dou-lhe beijos à toa!...

Lisboa, mulher madura,
De poetas musa eterna
És a beleza mais pura
És antiga, mas moderna!...

Até as ondas do Tejo
Fazem bela poesia...
Ary!, o teu olhar vejo
A vogar com nostalgia...


CANTAR ATÉ QUE A VOZ DOA!
É LEMA DESTA LISBOA!...

QUE NÃO MORRERÁ JAMAIS!...
VIVA SEMPRE!... E SEMPRE MAIS!...

Rouxinol de Bernardim

domingo, agosto 27, 2006

A MAGIA DO GOLO!


O golo é pimenta, é sal,
É magia, é frenesim
É cadinho intemporal
É fusão, é fogo, enfim...
É orgasmo centenário
Que apaixona as multidões
É um cântico gregário
Que acelera as pulsações...
Que faz vibrar as gargantas
Galvanizar corações
Soltar palmas, tantas, tantas
Que até parecem trovões!
Por vezes exacerbadas
Extremadas frustrações
Ciclones ou trovoadas
Eclosão de alguns vulcões!
Mas o golo é mesmo isto
Nunca agrada a todos
É um explosivo misto
Bálsamo ou pólvora a rodos...
Para uns... tranquilizante
Para outros... depressão
Que droga mais excitante
Catarse de multidão!
O golo é poção sagrada
É varinha de condão
Num instante, "tudo ou nada!"
Um fartar de extroversão!
Pode ser "Requiem" também
Canto do cisne, final
Morte precoce p'ra quem
Sucumbiu ao vendaval!
Arco do triunfo!, é
Um monumento à vitória
E um passaporte até
P'ra entrar no reino da glória!
O golo sempre será
Lava a jorrar em torrente
Nem todos satisfará
Mas... ninguém fica indiferente!
Rouxinol de Bernardim

Chico Mendes, missionário da ecologia!


O pulmão do planeta defendias,
Com fervor, com coragem missionária...
Abater-te!, a mais vil das cobardias!
Golpe horrendo da corja reaccionária!...

Neste mundo global e solidário
Chico Mendes, é ícone sem par!
Deu a vida a lutar p'lo santuário
Que é a Amazónia; seu nome há que honrar!

Salvar a Natureza, sem demora,
Contra os vândalos, contra os predadores,
Salvemos o planeta enquanto é hora!

Lutemos todos, eco-defensores,
Preservemos o meio, mas agora!
Há que penalizar os infractores!

Rouxinol de Bernardim

Luther King, um herói universal!


Não foi impunemente que morreste,
O teu sonho floresce e jamais pára!
P'la igualdade lutaste e bem sofreste
Deste ao mundo lição nobre, mas cara!

Racismo é preconceito sem razão,
Subproduto do ódio mais cruel...
Fermento de fobia e de opressão
Vil discriminação... p'la cor da pele!

Passaste o testemunho, ao dar a vida,
Não se perdeu o exemplo de civismo
Tua morte não foi só heroísmo!

Tua morte foi ode bem sentida,
Foi osmose que pôs a gente unida
Contra o feio mostrengo do racismo!

Rouxinol de Bernardim

domingo, agosto 20, 2006

COIMBRA, MENINA E MOÇA... DE HILÁRIO ENAMORADA!...


Coimbra, terra das Letras
Do Mondego e do Choupal!...
Coimbra, das capas pretas,
O farol de Portugal!
Coimbra, à sombra da Sé
Velha e tão senhorial...
Coimbra, do Calhabé
É lição intemporal...
As tertúlias são viveiros
Da boémia musical...
Cenáculos hospitaleiros
Baco e Minerva dão sal!...
Hilário aqui professou
O seu culto à Lusa-Atenas...
Cantou e nos encantou
Com uma guitarra... apenas!!!
Coimbra dá-nos lições
De fidalguia sem par
Figuras e figurões
Conjugando o verbo amar!...
Coimbra, sou rouxinol,
De saudades vou morrer...
Mas... deixo um recado ao sol:
Que te vá sempre aquecer!!!
Lhe peço com convicção
Que contigo faça amor!!!
Será eterna paixão
C'o sol-rouxinol cantor!!!
Deus me perdoe o pecado
De te amar com emoção
Igual ao teu... é meu fado:
Que é amar... sem condição!


P'RÓ CÉU JÁ NÃO IREI MAIS
AGORA VOU CONFESSAR
DE COIMBRA... EU GOSTO MAIS
NO CHOUPAL QUERO FICAR!!!

Rouxinol de Bernardim

sábado, agosto 19, 2006

Recordando Natália Correia... Genial escritora!


Formidável polemista
Livre, não liberticida,
Indomável jornalista
Antes morta, que vendida!!!

"O Morgado foi capado!"
No Parlamento, por ela...
Com seu chiste endiabrado
Portentosa capadela!...

Dos oprimidos sentia
A humilhação degradante...
Detestava a hipocrisia
Da Mulher... foi bandeirante!

Gravado no coração
Tinha sempre os seus Açores
Terra da sua paixão
Sempre perdida de amores...

Numa boquilha de prata
Um cigarro sempre aceso
Mulher forte, intimorata,
Dos sobas ... tinha desprezo!...

Natália Correia tem
Lugar cativo na História
Quem a lê conhece bem
Sua livre trajectória!...

De "antes quebrar que torcer"...
Feminina e Feminista,
Liberdade p'rá Mulher!
Foi sempre grande activista!

Irónica e inteligente
Verrinosa e bem trocista
Desancava toda a gente
Muito galo perdeu "crista"!...

Curvo-me à sua memória
De literata guerreira
Deixou um rasto de glória
Sua herança derradeira!...

Seu talento genial
De ironia revestido
Fez rir todo um Portugal
De forte humor sacudido!...


Rouxinol de Bernardim

sexta-feira, agosto 18, 2006

Amáila!!! Eterna diva do Fado!!!


Amália não foi embora
Viverá eternamente
Perdurará vida fora
Na alma da nossa gente!

O Fado não morre, não,
Aspira à perenidade
Não se fecha num caixão
Não se encerra a Liberdade!

Uma traineira no Tejo
Uma gaivota voando
Quando passa, a Amália vejo,
A todos nos encantando!

A rosinha dos Limões
A Casa da Mariquinhas
Do Fado, eternas lições,
Recordações não só minhas!...

Amália não tem fronteiras,
Património universal
Voz timbrada e altaneira
Rouxinol... intemporal!

Uma lágrima rolando
Na minha face, sofrida,
Portugal está chorando
Sua Fadista querida!


No Barco Negro da morte
Não partiste, não e não!
Fadista com o teu porte
A morte... mete um travão!

Amália não morrerá
É sortilégio alfacinha...
E... doravante será
De Portugal ... a Rainha!

Ultrapassou as barreiras
Da lusitana paixão
No mundo foi das primeiras
Damas da nobre canção!



MAS... NOS CÉUS ELA SORRI
E NÃO PÁRA DE CANTAR
CANTA POR MIM E POR TI
POIS NUNCA FOI DE REZAR!!!

Rouxinol de Bernardim

quinta-feira, agosto 17, 2006

HÁ SEMPRE ALGUÉM QUE PERSISTE!




Há sempre alguém que persiste
Em corridas fatalistas
Fazer das estradas pistas
Dá um final sempre triste!

Há sempre alguém que persiste
Em andar em contramão
É louco a passar por são
Infelizmente 'inda existe!

Há sempre alguém que persiste
Em conduzir sem seguro
Isto é bem verdade, eu juro,
Leva multa... mas insiste!

Há sempre alguém que persiste
Em conduzir borrachão
Seu destino?, é o caixão!
Há que fazer um despiste!

HÁ TANTA VIDA CEIFADA
MUITO INOCENTE TAMBÉM
PORQUE HÁ MALUCOS NA ESTRADA
QUE NÂO RESPEITAM NINGUÉM!

Rouxinol de Bernardim

quarta-feira, agosto 16, 2006

EU NÃO VOU POR AÍ !!!















Charles Darwin contestado de forma categórica!
O mundo fica agora a saber que o Homo Sapiens
não pode ser herança genética do macaco!!!



EU NÃO VOU POR AÍ!!!


Homo sapiens?!!! Presunção!!!...
Não passas de predador...
Selvagem?, eu?... Ilusão!
Serei teu progenitor?!!!
Não tenho genes malignos
Nem profetas a quem reze...
Os teus actos não são dignos
De primata que se preze!...
Não destruo a natureza...
Florestas virgens... desfloras...
À Terra só dás tristezas
Matas faunas, destróis floras!
Poluis o eco-sistema
Selvagem, és tu! Primata
Decadente, fazes pena!...
De guerras andas à cata!...
Espalhas ódio e conflito...
Matas o teu semelhante
Dos primatas és maldito
És exemplar degradante!...

Mas... eu não vou por aí!!!
Eu, respeito a natureza,
Selvagem?, vejo-te a ti...
Escravo de falsa riqueza!
Não queimo as florestas, não!
Nem lanço gases letais!
Nessas jaulas de betão...
Não viveis... vós vegetais!...
Só lamento o teu viver
Homo sapiens, inferior!!!
Jamais irei, podes crer
Pela via do terror!!!
Nunca descerei a tal
Jamais! Jamais! Podes crer
Humano, seu animal
Tenho nojo de te ver!!!...
Teu antepassado, eu?!!!
Não!!! Não posso acreditar!!!
Um passado como o teu
Bom futuro não vai dar!!!...

Rouxinol de Bernardim

domingo, agosto 13, 2006

Cuidado com a fofoqueira!!!


É cronista do jet-set
E chamam-lhe fofoqueira
Com todo o mundo se mete
É cretina e mui brejeira!
Aquele foi corneado...
Estoutro abafa a palhinha...
Há um que está indiciado
Por comer uma andorinha!...
Tem artes divinatórias
Dá ao rabo, zurra bem,
Um beijo... dá mil estórias
O sexo... é seu entretém!
Dá coices a quem desdenha
Gente fina é o seu alvo
P´rá fogueira lança lenha
Co'ela ninguém está salvo!
Anda a soldo do poder
P'ra atacar a oposição
Gosta sempre de aparecer
Em qualquer televisão!
E a fofoqueira local?!!!
Só fala de altos valores!!!...
Na página do jornal
Vai exalando fedores!...
Árbitra das elegâncias
Vê argueiro no vizinho...
O seu caldo de rancores
Cheira a ranço, fede a vinho!!!
Portugal das fofoqueiras
É cenário bem horrendo:
Bruxas a atear fogueiras
E o País lá vai ardendo!!!

Rouxinol de Bernardim

sábado, agosto 12, 2006

ALMEIDA GARRETT


Atingiste o limiar da perfeição
Burilaste as palavras com mestria
No Teatro criaste animação
Nova luz transmitiste à poesia!

O Porto se rendeu ao teu perfil
O Norte foi p'ra ti uma paixão
Por isso te envolveste em causas mil
À cultura entregaste o coração!

Garrett!, inauguraste o romantismo
Trilhaste novos rumos literários
Mindelo te deu aura de heroísmo...

Levaste a tua cruz a mil calvários
Com classe, inteligência e virtuosismo
Foste um "puro" no meio de "falsários"!...

Rouxinol de Bernardim

sexta-feira, agosto 11, 2006

O FADO DO SILICONE!


O peito caído tinha,
Mas decidiu levantá-lo...
Sentia-se como a galinha
Incapaz de atraír galo!
Agora, a coisa mudou...
Homens?, parecem comê-los...
Todo o mundo se fixou
Naquele par de marmelos!
É centro das atenções
Todos lhe gabam talentos...
Sobem cachês, cotações...
Seus peitos são monumentos!...
É silicone, senhores,
Motor de arranque?, será?
E p'ra aquecer motores
É o que na moda está!
Enchem o olho aos parolos
Fazem babar os ricaços...
Que fazem cenas de tolos
Observando os seus regaços!...
Ficam mesmo hipnotizados
Por hemisférios nutridos
Depois de bem depenados
Dos haveres são despidos!...
É silicone!, cuidado!
Um isco p'ra galifões...
E galo bem depenado
Faz lembrar certos "capões"!...

Rouxinol de Bernardim

quinta-feira, agosto 10, 2006

O sendeiro, anda por aí!...

Na vertigem do viver
Este sortilégio tento:
Nunca pensar em morrer
E viver a cem por cento!
Ambição desmesurada
É coisa que eu abomino...
Gente velhaca, safada,
Gente sem norte nem tino,
Anda sozinha na estrada
Da vida, sem ter destino,
Gente desenraizada
Que à perfídia canta um hino!
Gente "encostada" ao poder,
Sempre lambendo o traseiro...
Gente que acaba a feder
Sorvendo o seu próprio cheiro
Com volúpia dementada...
Gente nadando em dinheiro
Mas, por ele escravizada,
Gente não é!, é o sendeiro!

Rouxinol de Bernardim

segunda-feira, agosto 07, 2006

Agosto!... Matar saudades da Pátria-Mãe!


Ditosa Pátria, amada e tão querida,
Anda alegre ao rever os filhos seus
De regresso de vida bem sofrida
Mãe querida, é tão triste... novo adeus!

Saudade!, rude espinho na garganta,
Mai-lo garrote, rente ao coração!...
Este mês a moral nos alevanta,
Vai de férias também... a solidão!

Agosto!, um abraço salutar,
Uma torrente amiga e tão feliz
Oásis!, no deserto de emigrar!

Saudade é fogo a arder, o povo o diz,
E fogo... será sempre... p'ra apagar!
Este povo é... bombeiro de raiz!

Rouxinol de Bernardim

sábado, agosto 05, 2006

O Mundo está uma grande porcaria!!!


Tantos porcos a mamar
Nesta mãe que os procria
Que o mundo está a ficar
Uma grande porcaria!

Mas ninguém diga que não
Tem visto porcos grunhir
Então na televisão
Há tantos que até faz rir!!!

Linguagem de porco têm
Políticos trauliteiros
O povo conhece-os bem
Com perfil de carroceiros!

Porco cada vez há mais
Fenómeno imparável
Basta ler certos jornais
Onde há porco... colunável!

Às vezes usa gravata
E gosta de armar ao fino
"É porco!", vê-se na lata
Seja grande ou pequenino!

Ele há porcos camarários
E até... governamentais
Há porcos... comunitários
E... porcos universais!

Matusalém, o domador

sexta-feira, agosto 04, 2006

Paz na Terra aos homens de boa vontade!

A guerra, pandemia sem quartel,
Lavra, voluptuosa, incendiária,
Cada qual lá cumprindo o seu papel
Inocentes ceifando, sanguinária!

Annan, um pobre anão, sem isenção,
Vergado ao tio Sam, uma tristeza!...
Não vê o que já todos vendo vão:
Excesso de legítima defesa!...

Há que travar o torpe morticínio
Jugular o combate desigual
Frenar um repugnante latrocínio...

Não, em nome de Deus ou da moral,
Em nome de escorreito raciocínio
Como um imperativo racional!...

Rouxinol de Bernardim

quarta-feira, agosto 02, 2006

Adivinha


São "maricas" os juízes,
Diz alguém... e eu entendo,´
Já passou horas felizes
Com eles... "humor" fazendo!...

Quando está co'o grão na asa
Tem mostarda no pandeiro...
E a língua torna-se brasa...
É língua de paneleiro!

Quem é este fugurão
Diga lá, leitor amigo,
Se adivinhar... é pimpão
E pode ganhar... um figo!

"Pela boca morre o peixe!"
Lá diz o velho ditado...
Mas depois ninguém se queixe
De "rabo" ser apodado!

Matusalém, o domador

terça-feira, agosto 01, 2006

Igualdade de oportunidades, já!


No desporto, haja igualdade,
A verdade é necessária...
Doping é deslealdade
Torna a vitória falsária!
Na vida há tanta batota
Tantas lavagens mentais
Muita gente errado vota
Por... dopings eleitorais!
Há quem use o doping-Fé!
É legal, não causa dolo,
Mas... Deus... parcial não é
Nem leva ninguém ao colo!

É preciso transparência
No desporto mundial
Fim ao doping-influência
Que derrota Portugal!!!


Matusalém o domador