quinta-feira, setembro 22, 2011

Salvé poeta Cavaco!

Foi através de Manuel A. Pina que vislumbrei a veia poética de Cavaco Silva. VER AQUI.

O algarvio tem o seu conterrâneo António Aleixo como figura paradigmática nas letras. O dom poético ressalta e exalta todos aqueles que vêem no PR um símbolo da portugalidade. Ser poeta é ser mais alto, é voar mais além, é roçar o céu da espiritualidade. Daí que, com o devido respeito e extrapolando a metáfora proferida nos Açores, sobre as vaquinhas sorridentes ao contemplarem os prados verdejantes... eu faço uma poesia alusiva. Espero que ninguém se ofenda...


Vemos as vacas sorrindo
Nos prados tão verdejantes
Também os cães vão latindo
Às caravanas passantes...

Estrelas no céu também
Sorriem pra Portugal
Não vai caír na Madeira
A lixeira espacial...

Nos hardins queremos flores
Não buracos financeiros
Há crateras nos Açores
Mas... lindas flores nos canteiros...


Vemos as vacas sorrindo
É uma orgia ... leiteira...
Políticos não mugindo
Como o fazem ... na Madeira!

4 comentários:

Rosa dos Ventos disse...

Um lírico no seu melhor!
Este PR é surreal!

rouxinol de Bernardim disse...

Rosa,

Fica-lhe bem o encarnado... se surgir um touro, pode investir... e o que nos faz falta é o INVESTIMENTO!!!

Isamar disse...

Caro amigo, não tenho palavras para tecer qualquer comentário. Sinto-me vilipendiada,maltratada, revoltada com as notícias que, no dia a dia, se vão ouvindo. O desespero de tantos de nós é tão grande que já só as vacas sorriem!

Bem-hajas!

Abraço fraterno

carol disse...

Ó Rouxinol, amigo, não seja mauzinho para o senhor Silva presidente. olhe que vai para o inferno...