rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

sexta-feira, setembro 09, 2011

«Benditos canhões... benditos milhões!»

«Em Cristo glorioso libertos do pecado e da morte veremos a Luz!»


A religião tem sido muleta para muita gente. Há pessoas a enriquecer de forma despudorada, sempre alicerçadas na religião, como capa, como carapaça, como alibi. Hipocrisias de todos os matizes chegaram ao ponto de um clérigo ter bendito os canhões para legitimar um guerra civil. Pobre Igreja que tais caudilhos tem! Pobre Igreja que se revê nestes rostos farisaicos...


A Igreja Católica bastas vezes invoca a doutrina social da Igreja para tecer loas aos exploradores, aos vendilhões do templo (democratico, cívico, cultural...) que por aí vão cirandando. E fá-lo com demasiada frequência. Cala-se nas questões mais importantes.


Há dias ouvi, pela voz do bispo do Porto, o tão badalado prémio Pessoa 2009, a invocação da tal doutrina. É um lugar comum, uma frase feita, um chavão oco e sem sentido concreto... Deus me perdoe se a minha sinceridade fere os sentimentos de alguém. Mas esta frase é usada para tudo... e não serve para nada!


Há silêncios que são ensurdecedores. O que se passa na Madeira com o financiamento ao Jornal da Madeira (jornal da diocese) é aberrante. Será que a doutrina social da igreja apoia aquilo?! O silêncio dela é vergonhoso!!!


Um jornal falido, distribuído gratuitamente pela população e custando milhões todos os anos... quando esse dinheiro poderia matar a fome a muitos milhões em África e até no continente...Apetece dizer: «benditos canhões... e benditos milhões!...»


Um país na miséria, destruído por predadores de todos os quadrantes (direita e esquerda nunca estiveram tão unidas no regabofe, diga-se em abono da verdade...por isso é que estou fora dos cenários partidários...) e a Igreja, atenta, veneradora, obrigada e abrigada da intempérie financeira à custa deste pecaminoso guarda-chuva...Curvando-se, ajoelhando, para apanhar as migalhas (os milhões...) do poder...Cala e consente! Não tem moral para falar, sequer!


O PR cala-se. Os bispos calam-se, pudera!, seriam acusados de ingratidão, de cuspir na sopa...o país assiste impávido e sereno, ao desmoronar da grei, ao ruír de uma instituição centenária, às mãos de empresários rapace e de políticos
predadores que fizeram do escrúpulo e da honra coisas do passado...

O bispo do Porto, continua a invocar a missão e a doutrina da Igreja. Entretém-se a brincar à caridadezinha com alguns ricaços que se fartam de sacar do erário público milhões atrás de milhões. Quando a Revolução vier, o bispo do Porto irá dizer: «eu não tenho culpa, a missão social da igreja era mitigar os males, não curá-los, atenuar as dores, não denunciar as causas profundas... etc, etc...».

Mas há quem entenda que a Igreja deve estar ao lado dos explorados, dos humilhados e ofendidos... denunciar os abusos, as explorações miseráveis, os esbulhos desbragados a toda uma Nação que se vai afundando, cada vez mais, enquanto de caridadezinha em caridadezinha a Igreja continua a ouvir a orquestra a tocar...tal como no Titanic...

4 Comments:

Blogger durindana said...

A anunciada revitalização das "Misericórdias", procura colocar-nos a todos no passado.
No tempo em que os pobres estavam devidamente organizados e só estendiam a mão à caridade ao sábado ou ao domingo para não incomodar as pessoas.
Muitos "barões" já esfregam as mãos de contentes.
Veja-se a importância da misericórdia de Lisboa que vai ser gerida superiormente por um ex-primeiro ministro.
Contudo ainda nãom chegámos ao ponto de rebuçado.
Abraço,
A.M.

8:27 AM  
Blogger elvira carvalho said...

Eu pensava assim. Mas perdi a esperança quando ouvi o pároco da minha freguesia dizer que os ensinamentos de Cristo é que não se devem fazer denuncias ainda que a gente saiba que alguém cometeu um crime. Devemos chamar o irmão (criminoso) à parte e chamar-lhe a atenção e pedir para não voltar a fazer o mesmo. Pode?
Um abraço

10:59 AM  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Amigo Mata:

Deus tenha «misericória»...

9:02 PM  
Blogger rouxinol de Bernardim said...

Amiga elvira carvalho.

Também já ouvi um padre na homilia dizer que a denúncia era feio. S. José sabia que Jesus não era seu filho e não denunciou a esposa que o traíu com o Altíssimo!!!

Os corruptos sabem que é à custa da «Omertá» que se vão safando...

9:04 PM  

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home