rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo. O mundo e a sociedade sob o olhar atento e desassombrado de um cineasta do quotidiano, um iconoclasta moderno, sem peias, sem tabus, sem preconceitos.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

terça-feira, março 23, 2010

Poder judicial independente? Coisas de líricos...

Vem hoje, no JN, um candidato ao Conselho Superior da Magistratura (juiz conselheiro Orlando Afonso) dizer o que pensa, de forma frontal e desinibida. As vozes que murmuram a falta de independência do poder judicial - face a processos em que uns são tratados como filhos e outros como enteados... - podem identificar-se com ele. De facto, dada a conjuntura e as múltiplas dependências, logo à nascença, alguns não passam de meras «correias de transmissão». Mesmo não recebendo ordens estão de tal forma condicionados que se sabe de antemão o teor das suas votações.

Enfim, as clubites, as partidarites a minarem a justiça... A República num estertor preocupante!
A democracia em estado comatoso!
A justiça, pilar fundamental do Estado de Direito, logo à partida sem imparcialidade, sem isenção. Sentimos que é a verdade mais pura. Que as consequências saltam a olho nu. Que certas entidades não passam de meros factotum de quem tem outros poderes...

0 Comments:

Postar um comentário

Links to this post:

Criar um link

<< Home