segunda-feira, abril 26, 2010

«25 DE ABRIL» __ O DIREITO DE RESPOSTA

De uma Associação (V. de A.) recebemos um comunicado para publicação. Diz-se ofendida com o discurso do Sr Presidente da República.
Ora, como a todos deve ser dado o direito de resposta, ele aqui vai.

«Excelentíssimo Senhor Presidente da República:

Foi com estupefação que ouvimos o seu discurso altamente ofensivo da honra e bom nome da nossa Associação. O Senhor é, no mínimo, um ingrato. Não se recorda do que temos feito por si ao longo de tantos anos? Quer a eutanásia para a nossa prestigiada Associação? Abril é ou não símbolo de liberdade?

Ouvimos e registámos com amargura as suas palavras. Como elas contrastam com as que ouvimos quando somos recebidos em Belém. Alí, há mesuras, salamaleques, deferência, reverência. É preciso que o povo saiba como nos trata em privado. É preciso que o povo saiba que quando exercemos a nossa nobre missão, tantas vezes à custa do povo, é em pessoas como o Sr Presidente da República que pensámos. Cultivamos a sua amizade, o seu respeito, a quase devoção de toda uma classe que, sobretudo em chegando as campanhas eleitorais, nunca se esquece de o presentear, de forma excessiva até, honesta e frontalmente o reconhecemos, levando-o aos ombros, carregando todo um séquito dispendioso que mais parece um cortejo de marajás.

Lícito seria que esperássemos de si reciprocidade. Não por mera gratidão, mas ao menos por igualdade de tratamento. O senhor também nos acusa de «vertigem gananciosa»? Se sim, era bom que o dissesse em vésperas de campanhas eleitorais para que possamos reagir em conformidade.
Mas jamais esqueceremos a afronta, a ominosa agressão verbal, a atrabiliária e ignominiosa facada nas costas.

Respeitosamente,

A ASSOCIAÇÃO DOS VAMPIROS DE ABRIL

Assinatura irreconhecível

2 comentários:

Marieke disse...

Ah ahahahhahahhah
Fantástico...inveja dessa tua veia ...
Um abraço
Marieke

rouxinol de Bernardim disse...

Marieke:



Não vale a pena ter «inveja»... já lá dizia o oitro: «A inveja é a arma dos incompetentes»!


Eu sou muito incompetente. Não sei dar graxa aos que controlam os cordelinhos, não dou presentes aos decisores políticos, no natal não envio um cabaz aos directores dos jornais (como faz... e como largo proveito como já pude confirmar... o M. V. da P. de v.), não ando a mendigar lugar na TV ou pedestal nas revistas ou jornais... enfim, sou um inadaptado ao «status quo»... por isso não vale a pena ter «inveja»...

O mérito, honra lhe seja, está todo, todinho, na criatura que dá pana pra mangas!

Este homem merece o Nobel. Do ridículo!