sábado, dezembro 12, 2009

O divino mestre, aos cento e um anos...

Este vai andar cá até aos duzentos! é tão bom, tão bom, que ainda não tem quem o substitua, por isso... vai ficando por cá...
Manoel de Oliveira o eterno «Anikibobó!» que teima em fazer anos... todos os anos... Ou será que os desfaz?! Pode ser esse o segredo...
Cento e um anos, «Presente!»
Grita o mestre, na trincheira...
Sempre na linha da frente
Classe pura, alta craveira!
Sua droga é o trabalho
Droga bem dura, diria,
Ás de trunfo no baralho
Da... cinematografia.
Nos curvamos com respeito
Seu legado intemporal
Bem merece o nosso preito
É paradigma exemplar!
Vinho do Porto «oliveira»
Puro néctar de eleição
É vintage de primeira
Quase em vias de extinção...(1)
(1) Que nunca se extinga são os votos de todos os que lhe querem bem!

Nota final: Manoel de Oliveira, que foi um grande piloto de automóveis, continua a pilotar, com a mestria de sempre, agora na Sétima Arte! Lhe tiro o meu humilde chapéu!

2 comentários:

Táxi Pluvioso disse...

Bom... se calhar que ver o défice resolvido antes de morrer. bfds

rouxinol de Bernardim disse...

Quem sabe?|!