rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

terça-feira, junho 20, 2017

INCÊNDIO DANTESCO

Foi um dos maiores incêndios sofridos pelo nosso país. Pedrógão Grande, Figueiró dos Vinhos e regiões limítrofes foram palco de uma tragédia de dimensões descomunais...
O mundo interroga-se. O Papa manifesta a sua perplexidade, a sua dor,  e pede a Deus por todas as vítimas.
Uma trovoada seca, abundância de material combustível   nas matas, falta de acessos, falta de limpeza, enfim, todo um conjunto de factores contribuiram para a tragédia.
Pergunta-se: haveria maneira de evitar tal dimensão?!
Não é fácil responder. Seria demagogia apontar o dedo a este e àquele. Contudo, há que com frieza e determinação,  apurar e aprofundar as causas próximas e remotas da tragédia. acelerar o tal negócio (?) com a FAP em ordem a aproveitar os meios aéreos disponíveis e preparar uma abordagem mais eficaz ao combate. Bom senso, lucidez, frieza, ponderação, são sempre bem vindos. Oxalá os responsáveis assumam de uma vez por todas a delicadeza da situação e to,mem providências a todos os patamares de decisão.
O clima, com as sua metamorfoses, está também a contribuir para o agudizar da situação. a negligência humana, a especificidade de uma interioridade ao abandono, onde os mais jovens emigram e os mais velhos não tem disponibilidade física nem financeira para limpar as matas e quintais__ tudo isso é o pano de fundo, o caldo de cultura propício ao desencadear de tragédias.A situação pode repetir-se, ninguém duvide.
Há que tomar providências com celeridade. Sessenta e duas vidas humanas ceifadas e mais de centena e meia de feridos são o saldo humano da tragédia. Que se providencie para evitar ou prevenir cenários dantescos como este é o desejo de todos os cidadãos. Nesta aldeia global em que vivemos e todos somos solidários há que envidar esforços para minorar os custos deste nefasto fenómeno da natureza. E que Deus, sempre misericordioso e magnânimo,  tenha pena de nós...Mas nós, inquilinos do planeta, não podemos fazer como a vestruz e meter a cabeça na areia. Devemos evitar males maiores e ter sempre em mente que todas as causas nas mesmas circunstâncias produzem os mesmos efeitos. O PERIGO VAI CONTINUAR!!!
Há que tomar medidas drásticas!