segunda-feira, agosto 09, 2010

Portugal, nau sem timoneiro... sem rumo...

Portugal capturado pelo medo
Completamente insano, na justiça;
E o povo amordaçado, mudo e quedo,
Precisa de quem lute, vá à liça!


Portugal enredado em leis sem norte
Sem ter um timoneiro em Belém
Agoniza e está ferido de morte
Anda à deriva; ao leme, sem ninguém...


Sem rei nem roque está, sem confiança,
Rumo ao abismo vai, seguramente,
Há que alterar o rumo, urgentemente!


Nau Portugal precisa de mudança
Timoneiro é fraco e não alcança
Um porto seguro, rapidamente.

11 comentários:

Livinha disse...

Segurança...
Somos voluntários e temerários ainda caminhamos.
Estamos sempre vulneráveis as recaídas...
Mas faz parte de todos, unidos dar as mãos e lutar pelos nossos interesses, esses que são de todos.


Feliz semana

Livinha

legalmente loira... disse...

otima semana com bjos.
e vamos nos unir...

Tere disse...

oi amigo!feliz dia dos pais.bju tere.

RosanAzul disse...

Mudanças sempre são necessárias...
Uma ótima semana pra ti!
Abraços,
Rosana

Pena disse...

Precioso Amigo de Bem:
Um texto real numa realidade visível no nosso país de sonho.
Sim! Andamos à deriva, por completo sem ninguém puder agarrarar o leme do barco que irá afundar-se, inevitavelmente. Profundo Post que faz pensar. É brilhante no que concebe, sabia? Sensato. Preciso. Extraordinário.
Fiquei estupefacto e maravilhado pelos vossos comentários que irei responder um(a) por um (a).
Amanhã regresso onde me encontrava.
Todo aquele que entra nesta ENORME família jamais será esquecido(a).
Vocês são deslumbrantes. De uma amabilidade de sonho.
Responderei à vossa visita ainda hoje ou quando tiver tempo para corresponder ao vosso afecto GIGANTE que não esqueço, nem poderia.
Abraço forte de imenso respeito e estima.
Sempre a admirá-lo

pena

MUITO OBRIGADO!

Táxi Pluvioso disse...

O Timoneiro aí vem, é o capitão FMI.

Rosa dos Ventos disse...

Fizeste-me lembrar um poema de Miguel Torga chamado "Lamento" que começa assim:

"Pátria sem rumo, minha voz parada
Diante do futuro!
Em que rosa-dos-ventos há um caminho
Português?
......................
......................"

Abraço

Osvaldo disse...

Rouxinol,caro amigo;

Desculpa a comparação, mas é com muito respeito, fizeste-me lembrar D. Quixote, que lutava, lutava, mas o povo não o ouvia, só os Mionhos de Vento!...
Portugal tem o povo que não merecia e o povo tem o governo que sempre quiz.
Costumo dizer que o povo português é como mulher de malandro, quanto mais apanha, mais gosta e se o povo está a gostar da "merda" que pôs a governar, que continue assim sempre a votar em quem lhes dá o rendimento minimo e quando o dinheiro não chega, vai roubar porque afinal a pena mais pesada a que está sujeito, é um dos da quadrilha se apresentar uma vez por ano à Policia nos termos de identidade e residência. Esta da residência faz-me rir, porque o Estado sabe bem onde eles moram já que é o próprio Estado que lhes pagam a renda ou ofereça a moradia!!!.
Afinal, em Portugal, só está mal para quem trabalha e tem um salário porque parte desse salário é para pagar a quem não quer trabalhar!...
Quanto ao (des)governo... Que Deus acuda Portugal antes que vá tudo p'ró balalau,... se é que já não foi e em breve tenha-mos que tirar o BI em Madrid.
Um abraço, caro Rouxinol.
Osvaldo

Solange disse...

uma linda semana pra ti..
bjs.Sol

poetaeusou . . . disse...

*
ai Portugal, Portugal,
os mesmos sempre bem,
os outros sempre mal !
,
abraço,
,
*

carlos pereira disse...

Meu caro;

Excelente soneto, onde é retratado o actual estado calamitoso a que chegou o nosso querido Portugal; um tema pouco cantado pela maioria dos poetas.
As palavras precisas, num ritmo e rimas notáveis, remetem-nos para um exercício poético de enorme qualidade.
Gostei bastante.
Irei continuar a lê-lo, seguramente.
Um forte abraço.