rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

sábado, dezembro 31, 2011

Vista do ar...



segunda-feira, dezembro 26, 2011

2012 - «Grandes mudanças»?! Ou vira o disco e...

Pedro Passos coelho na sua mensagem de Natal promete mais democracia e mais transparência para 2012.
Não acredito. Julgo que vai ser mais austeridade, mais impostos e mais sacrifícios para uns e mais regabofe para os do costume: banqueiros, grandes sociedades de advogados, financiadores do aparelho partidário...
Não basta proclamar, é preciso fazer. É triste ouvir o bastonário da ordem dos advogados acusar de cambão (um crime grave), os governantes no tocante a adjudicação de pareceres jurídicos a entidades amigas, sem qualquer tipo de concurso público como se impunha face aos montantes envolvidos. O governo calou... consentiu? Tudo se conjuga para que continue tudo como dantes, exceto a austeridade para os que são vítimas deste sistema fraudulento, gerador de injustiças e fautor de pesados encargos para todos nós.
Não basta pregar como Frei Tomás, é preciso agir em conformidade. O governo calou e calar-se-á sempre perante estas acusações, como tem sido a conduta de governos anteriores. Onde está a democracia, onde está a transparência, onde está o escrúpulo?
Há tanto despesismo patológico que serve apenas para aumentar os encargos públicos, engordar a pesada fatura que todos iremos pagar. A democracia económica é uma miragem. Os ajustes diretos favorecendo este e aquele, que depois até se pode dar ao luxo de um mecenato ostentatório é a mais aberrante das situações que existem em Portugal. Sanções? Quase nenhumas, pois a lei não tem coercitividade, é ineficaz. A sanção social também não existe e o povo ainda dorme nos braços de morfeu...
Até quando? Essa é a pergunta que todos fazem... até ao dia do «juízo final» deste regime.

sexta-feira, dezembro 23, 2011

FELIZ NATAL!



domingo, dezembro 18, 2011

Portugal na fossa... estes no everest!

VER O EXPRESSO!


E depois queixem-se que as agencias de rating são más, que por cá tudo bem, que nós estamos no «bom caminho»... blá, blá, blá...

Há disparidades gritantes que não são compatíveis com a uma democracia económica e com um regime que se diz solidário, que propugna a coesão social e a solidariedade.

Isto é o retrato do neoliberalismo mais aberrante, do quase nepotismo dos subprodutos do poder político. No antigamente, lembro-me bem, dizia-se destes fulanos: « A teve a pasta (governamental), portou-se bem... logo... merece a «posta»...(o cargo numa grande empresa pública...).

Ainda houve um certo resquício de pudor no início deste regime, o período de «quarentena» __ lapso de tempo entre a saída do governo e a entrada no mercado empresarial...__ contudo, hoje em dia é um fartar vilanagem! Não se admite esta discrepância, este exibicionismo de um novoriquismo parido do ventre desta velhaca democracia que nos vai metendo nojo!

Um país decente, não permitiria este aviltamento moral, esta descarada exibição de ostentação financeira. Como diria o Eça, sempre actual, «a choldra continua»!

Corrigir isto vai demorar anos! e o país sempre a afundar-se, a afundar-se... rumo à fossa de Mindanau!

quarta-feira, dezembro 14, 2011

PAULO MORAIS

Paulo Morais, com desassombro, afirma que em Portugal «cadastro é currículo
Qualquer dia vai preso! Está a pôr em perigo o «status quo», está a pôr em xeque toda a classe política!


SERÁ POSSIVEL QUE TENHA RAZÃO?



Quando surgir um novo regime terá direito a estátua!

Marcadores:

domingo, dezembro 11, 2011

No Reino da Merkolândia...



É óbvio que a recente postura da UE no sentido de se caminhar para um défice de 0.5 % (limite) e um rácio de 60% da dívida em relação ao PIB é salutar e digno de apreço em termos formais.
Contudo, não obstante esta carga virtuosa, digna de ser devidamente digerida pelos mercados__ e susceptível de provocar uma acalmia temporária__a magna questão é esta: será que os países menos apetrechados e mais fragilizados (sul da UE, sobretudo) serão capazes de atingirem tais metas? E, mesmo que o sejam, à custa de quê?
Todos sabemos que os expedientes contabilísticos, as receitas extraordinárias (como esta do fundo de pensões dos bancários que até criou uma almofada suplementar...) não durarão sempre, há limites. Quando se esgotar esse artificialismo surge a realidade crua: uma austeridade espartana, uma recessão subjacente a ela, e todo um cortejo de asfixias resultantes do aumento da carga fiscal vão gerar descontentamentos, greves, tumultos, instabilidade social.
Cavaco Silva disse aquando do PEC IV __ no último suspiro de Sócrates__ que já se tinha atingido o limite dos sacrifícios!!! Que dirá ele agora perante este cenário?
O nosso futuro próximo vai ser duríssimo, os sacrifícios violentos, as reações virulentas. É que já diz o povo: «de piedosas intenções está o inferno cheio...»
O 13º e o 14º mês irão ao ar, os despedimentos irão aumentar, o caudal de roubalheira que já impera, irá atingir níveis estilo guerrilha urbana, a criminalidade violenta irá ser o corolário lógico, a queda do governo, a médio prazo, inevitável. Não estará no horizonte (médio) uma guerra norte vs sul adentro da própria UE?

Os níveis de corrupção são alarmantes, e não só em Portugal. As desigualdades provocadas por ela (corrupção) são cada vez mais gritantes.
Este folclórico diretório «MERKOZI» é um prelúdio preocupante...

sexta-feira, dezembro 09, 2011

A VANGUARDA OU A SANGUESSUGA?!

Eduardo Lourenço, Prémio Pessoa 2011 um dos mais ilustres pensadores do Portugal moderno

Eduardo Lourenço, o conceituado ensaista, vem dizer que a dupla Merkel- Sarkozy que fazer um «golpe de Estado condicional». Talvez não seja destituída de razão esta visão. Eles assumem-se como vanguarda ou como sanguessuga? Querem ser locomotivas ou, pelo contrário, aproveitadores de uma especulação desenfreada?

O certo é que a sua postura chantagista e intimidatória, começa a tresandar a oportunismo. Que legitimidade têm para falar em nome de todos os membros? Quem lhes outorgou a qualidade de porta-voz da UE? Querem arrogar-se a ser o centro de uma centrifugadora que asfixia a periferia para reivindicar o quero-posso-e-mando a todo o custo?!
A democracia está em risco. O equilíbrio, a solidariedade__ nos bons e maus momentos__ está a ser posta em xeque.
Há de fato alguns pecadores que merem um castigo. Contudo, esse castigo não será excessivo? Em vez de uma penalização salutar não se estará a matar o prevaricador? A usura dos mercados , a especulação desenfreada, não podendo ser controlada, por não haver vontade política para isso, não irá degenerar no caos, no desagregamento paulatino?

MERKOZY _ esta entidade bicéfala e nascida do buraco negro em que se atolou a UE__ não irá ser a coveira do sonho europeu?
Agora diz-se que há «canibalização de estrelas», e não será que a estrela Merkel, numa próxima fase, irá candidatar-se a canibalizar a estrela Sarkozy? VER AQUI...