rouxinol de Bernardim

Um blogue plurifacetado procurando abordar questões de interesse sob perspectivas diversificadas. A independência sim, mas sempre subordinada a parâmetros de bom senso, de optimismo e de realismo.

Minha foto
Nome:

Penso, sonho, trabalho, amo... logo, existo!

sábado, abril 30, 2011

Portugal ajoelhou!

A famosa «Troika» não fala, só trabalha.


Segundo o DN as nossas forças políticas eleitas para governar escusam de apresentar programas muito sofisticados. Terão de cingir-se ao que foi acordado com o FMI!
Sem isso, nada feito!
As eleições, os debates, as campanhas mediáticas, serão folclore, folclore, folclore... caríssimo!
Chegámos a este ponto em que somos tutelados de forma inequívoca pelos credores. Esles é que riscarão, os nossos governantes serão marionetas nas suas mãos...
É triste constatar esta situação, mas depois dos desvarios não há saída. Ninguém tenha ilusões.
O país das festas, das girândolas, dos foguetórios e da roubalheira, do regabofe, chegou aos limites...
Os Loureiros, Rendeiros, Silva Sosta, Godinho e tantos outros encimam a galeria dos prinicipais responsáveis. Mas há também os governantes e as forças de supervisão que andaram a dormir na forma. Há os que por laxismo (calculista?) permitiram que o regabofe chegasse a este ponto!
Portugal de joelhos, de cócoras perante os credores internacionais.
Eis o retrato da nação. Quando nos iremos levantar do chão?!
Vai demorar anos. Se a festa foi longa... a regeneração também o será.

sexta-feira, abril 29, 2011

GASTRONOMIA & BOAS MANEIRAS...



Aprenda a comer com elegância e ... boas maneiras...
VER AQUI...
Musica de fundo...Anos 60 e 70 Sucessos inolvidáveis...

Marcadores:

domingo, abril 24, 2011

CRETINICES OU EXCESSOS?!









Ressuscitar alguém é um dever de cidadania. Por isso, hoje, ressuscito Bocage para me ajudar a interpretar a polémica que estalou no JN entre Manuel António Pine e Marinho Pinto. Um é escritor e jornalista consagrado. O outro é Bastonário da Ordem dos Advogados....

Bocage, sempre polémico, dá a receita para dirimir o conflito: o pau de marmeleiro!








No JN de hoje o Dr Marinho Pinto eleva o tom da voz e espanca de forma um tanto excessiva o escritor e jornalista Manuel António Pina. Chama-lhe «cretino» Clicar AQUI). Diz que só sabe defender os juízes, distorcendo factos e mostrando uma parcialidade notória chegando ao ponto de fazer crer aos leitores que os atrasos nos tribunais são de culpa exclusiva dos advogados.
Ora, tempos atrás, Manuel António Pina, numa crónica bem humorada mas verrinosa (clicar AQUI), também se havia excedido, valha a verdade, dizendo que Marinho Pinto era um «dependente» de manchetes e sempre sequioso de espetáculo mediático. Insinuou que ele (MP) era viciado nos holofotes da comunicação social. Quase lhe chamou «drogado»!!!
Julgo que há notório excesso de legítima defesa da parte do bastonário da Ordem dos Advogados. Esse excesso poderá ir de encontro à tese de MAP. Enfim, duas posturas que se deveriam evitar na comunicação social civilizada. Num blogue, há casos destes com inusitada frequência. Às vezes, indivíduos sem um resquício de dignidade, fazem juízos de intenção, bolçam calúnias e chegam ao ponto de fazer ameaças ridículas a coberto da impunidade que por vezes esta blogosfera permite.
Agora no JN, deveria havar um pouco mais de comedimento. De respeito pelos leitores. De cidadania andamos todos a precisar. Uns mais do que outros.





Bocage, contactado por mim, lá no Além, comentou, jocoso:










Freud, neste reino socrático

Olha pra este instantâneo:

O orgasmo mediático

Do outro... é sucedâneo...

*****

Líbido canalizada

Sublimação magistral

Prá escrita desviada

Esta pulsão sexual.

*****


Psicanálise perfeita

Exige meditação

Nesta orgia se deleita

Este par... sem contenção.



*****

Incontinência verbal

Ou doença bipolar?

Sendo impulso sexual

Terapia há que encontrar!





****



Um par de luvas não dá

O peso faz obstrução;

Marmeleiro? Talvez vá

Dirimir esta questão!



Elmano Sadino, Vale dos Poéticas Satíricos,

Além

e-mail: elmanosadino.oitavoexercito@ceu.com







Marcadores:

sábado, abril 23, 2011

A FACE OCULTA DE ABRIL




Uma a uma vão caindo
De Abril algumas promessas
Conquistas também vão indo
É preciso que o não esqueças.

Usam gravata berrante
P'ra condizer com o dia
Mas é cinzento o semblante
É bem negra...a hipocrisia...

E o povo tão explorado
Olha p'ra isto e exclama:
«Nosso Abril foi capturado
Só querem mas é a mama!»

Os cravos foram murchando
Não têm viço nem cheiro
E alguns... cravando, cravando,
Estão fartos de dinheiro...

Abril sempre na lapela
E nos discursos da treta
Eles so querem gamela
Abril ... ficou na gaveta.

Moram na extrema direita
Co'ela até vão de férias...
O cravo a todos enfeita
Esconde algumas misérias.

«Abril sempre!», como isco
Promessas eram aos molhos
E a pescaria deu nisto
Tarde o povo abriu os olhos!

Meia dúzia de barões
Deram cabo do país
De cravos... deram sermões
Eram cravos... sem raiz...

Vejo Abril já de olhos lassos
Não alimento ilusões
Os frutos... foram bem escassos.
Comeram-nos uns glutões!

Viveram sempre à direita
E com mordomias mil
A esquerda? Era só a seita
Nem sabem o que é Abril...

O povo paga a factura
Das festas destes fulanos
E o mal é que não tem cura
Vai durar anos e anos...

Encheram todos a pança
Abril? Serviu-lhes de rede;
Agora o povo é que dança
Entre a espada e a parede.

Nuvem de fumo caíu
Neste país desgraçado
O povo os olhos abriu:
Só fumo por todo o lado.

Nuvem de fumo tombou
Cobrindo toda a nação
Nossa riqueza voou
Nas asas da corrupção.

O povo é que vai pagar
Esta orgia sem perdão
Uns, a mamar, mamar,
O povo?! Não mama, não!

O país perdeu a graça
Abril perdeu a magia
Virou... Praça da Desgraça
Esta Praça da Alegria!

Marcadores:

sexta-feira, abril 22, 2011

Cavaco queixa-se da Europa...

O rapto de Europa , quadro de rubens (ler aqui a história desse rapto...)


Cavaco Silva acusa a Europa de falta de coesão.

Mas ela defende-se:

RESPOSTA DE EUROPA:


Senhor presidente. fui enganada uma vez, e logo por Zeus. À segunda vez terei de ter mais cautela. Queixa-se agora de falta de coesão. Mas não se queixou quando recebia diariamente milhões e milhões de euros indispensáveis para a tal reforma estrutural. Consta que o senhor é tido pelo «pai do monstro». O monstro despesista. Criou uma pesada máquina estatal que ainda hoje perdura e foi engrossando. Claro que isso foi fonte de clientelismo eleitoral. Sabemos bem.

Mas agora, depois de anos e anos de laxismo, de permissividade, de falta de supervisão__ e o senhor nos seus discursos fala bem disso, esquecendo-se de dizer que também tem uma pesada quota-parte nesse pecado capital..__de corrupção a todos os níveis, vem fazer queixa de mim!

E você?! Chamava pessimistas aos que denunciavam os abusos, protegia os que lucravam com actos ilícitos e fautores de novos clientelismos, teve um segundo mandato como primeiro-ministro que foi alvo de todas as críticas, vem agora, arvorado em Frei Tomás, atirar as culpas para cima de mim?!

Fui enganada por Zeus, que me tirou a virgindade e me fez vários filhos, mas agora uso o cinto de castidade. Não quero ser enganada outra vez! Vá fecundar para outro lado, que comigo não péga!!!Também não quero ter filhos consigo. Se é o «pai do monstro» assuma essa paternidade e trate dele como deve ser!!!

O «monstro» também tem direitos!!!

quinta-feira, abril 21, 2011

Recordar é aprender...

PIRATAS NO VELEIRO LUSITANO

Portugal, caravela milenar
Fustigada p'lo vento corrupção
Neste mar de injustiças vai penar
Até singrar ao rumo redenção.


Marinheiros-piratas sem vergonha
Pilhando tudo e todos sem pudor
Precisamos de alguém que a todos ponha
A trabalhar com honra e pundonor.


Fraca gente, com fraco timoneiro,
À deriva, no mar, sem rumo certo
Triste sorte vai ter, o fim está perto.


Português, ó valente marinheiro,
Há que afastar piratas do veleiro
Desterrá-los p'ra longe, p'ró deserto!

Vila do Conde, 25 de Abril de 2005

NOTA: Nessa altura fiz este poema que parece premonitório. Piratas já havia, mas o seu número aumentou, a sua actividade danosa intensificou-se pois quem deveria proteger os justos (a justiça) também foi pirateada. As entidades de supervisão foram pirateadas. As piranhas no poder deram cabo da nau-lusa...
Agora o desastre está à vista. Quem denunciava isto, então, era apodada de pessimista, de desconfiado, profeta da desgraça... e o rumo foi sempre o mesmo...
Agora, os que tinham razão, continuam marginalizados... dizem que não tèm curriculo!!!
Pudera, num regime onde impera a corrupção mais desenfreada, a gente séria não pode singrar, é um obstáculo, é um grão de areia na engrenagem...

Marcadores:

quarta-feira, abril 20, 2011

Eu tive um sonho...

Estava às portas do FMI. Pediam-me a password. Digitei: «Estou à rasca». As portas abriram-se. Duas hospedeiras com um scaner verificaram o meu nível de radioactividade, pesquisaram as minhas motivações anímicas, o meu índice de agressividade. Tudo bem. Mandaram-me entrar.
Era ali o centro de pesquisas, o QG mais sofisticado.
Fui levado para o gabinete de observações. Disse-lhes que queria relatar o meu sonho estranho sobre Portugal.
Ao falar de Portugal, injectaram-me um produto e disseram-me :«é para o descontaminar»...
Fui colocado num auditório onde estavam os cientistas. Ao fundo um écran gigante. Eu colocado dentro de uma máquina com vários sensores ligados à cabeça.
No écran começaram a ser projectadas imagens. Primeiro, do consciente. Depois, do sub-consciente. Finalmente, do inconsciente.
O meu trajeto onírico foi ali passado a pente fino. O sonho mais recente ali estava e eu a vê-lo também no écran gigante.
Era um barco enorme, já velho, no meio da tempestade. Ondas alterosas, a tripulação à rasca...
Duas espécies de tripulantes: otários e chico-espertos...
Os primeiros tapavam os buracos abertos pelos segundos. Era o barco-Portugal!
Havia rombos enormes no casco. Zonas específicas eram bem indicadas: na justiça, no futebol, nas autarquias, na saúde...os chico-espertos eram autênticos piratas a bordo ...
No fato dos chico-espertos podia ler-se: «roubar é legal
No outro, no dos otários, lia-se:«roubar é crime
O barco ia vogando ao sabor dos ventos, mas sempre comandado por chico-espertos. Um deles, de ar boçal, cabelos desgrenhados e olhar alucinado exclamava: «não liguem aos otários, são um bando de loucos!»
Um, mais parecendo um pirata, era o chico-esperto da banca, só exclamava: «eu durmo com a consciência tranquila»; saíra da prisão e estava em prisão domiciliária...
Enfim, cenário dantesco.
Os cientistas do FMI estavam abismados. O presidente, mandou parar, retirou-se, supõe-se que foi ao WC vomitar.
Mandou uma mensagem urgente para Portugal:«Suspendam de imediato os trabalhos. Regressem à base.Antes de injetar qualquer auxílio há que calafetar o barco e retirar os chico-espertos da torre de comando»...

A verdade oculta...

«Não diga nada mas depois de Portugal vai ser a Espanha a ser alvo das ajudas do FMI. A estratégia dos mercados, ao serviço da China e dos especuladores mundiais, vai liquidar aos poucos toda a Europa. É a chamada tactica do salame... »,

«E nós não podemos evitar isso?»

«Não interessa. Nós temos de aproveitar e onda e juntarmo-nos aos especuladores... depois, quando a Europa estiver completamente falida... vamos adquiri-la em saldo... no leilão que vai acontecer mais ano menos ano

terça-feira, abril 19, 2011

Pergunta que se impõe....


__Dr Nobre, o senhor que tinha uma paixão acrisolada pela cidadania (até parecia dono dela...) ao apaixonar-se agora pela social democracia, não sentiu ter cometido uma traiçaozinha?!


__Rouxinol, segui à risca aquele ditado popular: «fidalguia sem comedoria

é gaita que não assobia!»

Marcadores:

segunda-feira, abril 18, 2011

Jerónimo de Sousa demite-se...














Meu caro Jerónimo de Sousa:


Fiquei abismado. Surpreendido até, com uma postura de alheamento da sua parte. Como é possível?!

Neste momento a solução FMI ainda é menos gravosa do que o que nos quer impor a UE. O FMI propõe uma taxa de juro baixa (a rondar os 3 por cento) e um prazo dilatado para pagamento. Ou seja, o impacto será mais suave na sociedade, o crescimento não será tão fortemnte afetado. A recessão não será tão notória. E você demite-se da sua obrigação de dialogar, reivindicar, tomar partido?!

Diabo seja surdo, mas para mim todos os partidos devem ter aspirações a serem arco do poder. Todos os líderes partidários devem ter a legítima pretensão de virem a ser primeiro ministro. Não tenho preconceitos nem partis pris seja a quem for. Contudo, o seu comportamento manifesta um alheamento, uma falta de coragem para enfrentar os desafios, uma disposição para o «laissez faire... laissez passer...» de tristes consequências para todo o povo.
Não é de um democrata atento aos interesses de todo o povo português!
Eu, se estivesse no seu lugar, não abdicaria do dever/direito de me sentar à mesa das negociações e exigir o melhor para todos nós. Você deve assumir-se como potencial primeiro-ministro__é assim que qualquer líder partidário se deve apresentar ao eleitorado...__deve tomar as rédeas da decisão e intervir! Não pode cruzar os braços e assobiar para o ar...

Tem solução melhor do que a do FMI? Então apresente-a, já! Os portugueses querem saber qual é! Assuma-se como candidato à vitória nas eleições, como líder de Portugal, vá para a cabeça do touro (salvo seja, estou a falar em sentido metafórico, claro...), diga aos portugueses o que se deve fazer no momento actual.

Se eu estivesse no seu lugar iria para as negociações e exigiria até colaboração para acabar com os focos de corrupção que cá andam a minar a banca, as seguradoras, os tribunais, até as maternidades...veja o que de triste se passa na Alfredo da Costa...

Não deixe aos outros o trabalho que lhe cabe a si. Não se demita de entrar neste jogo por mais difícil que ele seja, não se divorcie dos problemas, vá à luta nos tabuleiros mais difíceis, onde faz falta uma voz vibrante, um murro na mesa, até uma sonora gargalhada, se for o caso...

Pegue na forquilha da razão, no martelo da convicção, na marreta da verdade e faça deles os seus trunfos. Estamos de há muito a ser condicionados do exterior: a UE é a prova mais cabal, sem planificação, sem rumo, sem crânios à altura, deu cabo da agricultura, destruiu as pescas, fez esmorecer a nossa autoestima, o nosso espírito empreendedor, a nossa aura de decobridores e de navegantes.

E se a UE não está à altura do desafio__ quer juros e seis por cento e quer um curto prazo no recobro da dívida__optemos por outra via. Joguemos neste tabuleiro com inteligência, com coragem, com ambição. Há que destruír os ninhos de corrupção que minam as nossas estruturas, o aparelho administrativo, a máquina da justiça a todos os níveis.

Não se demita, não abdique do seu direito/dever à intervenção, não se deixe eclipsar!

O país precisa de todos. Seja positivo, vá à luta, sente-se na mesma mesa e faça ouvir a sua voz.

Como militante da democracia (lato sensu) acho que o seu comportamento actual é prejudicial, é criticável, é frustrante; faça prova de vida, homem!

O país agradece!

Porreiro, pá! entrevista com José Sócrates (Ficcionada, como é óbvio...)


RB- Que espera do próximo acto eleitoral?

JS_ Uma vitória retumbante. Espero ter agora a maioria absoluta como aconteceu com Cavaco Silva quando viu interrompida a sua governação. O povo castiga quem não deixa governar. Os prejuizos foram enormes, como sabe, a entrada do FMI precipitou-se por causa dessa atitude estulta da oposição...

RB__ Mas não admite uma quota parte de culpas?!

JS__Rouxinol, leio o seu blog da mesma forma que ouço os noticiários das TV's, com curiosidade mas também com algum distanciamento. Se fosse a dar ouvidos a todas as críticas, já tinha sido o meu funeral político há muito. Mas eu sou resistente, resiliente, como agora se diz, de pessoas da minha têmpera. Eu não abandonei o barco, eu resisti, ia levar a nau a bom porto. Interromperam de forma negligente a minha pilotagem...

RB__Mas... dizia que não governaria com o FMI, que ele nem sequer cá entraria e afinal... já aceita o FMI e ele vai entrar...

JS__Fiz tudo para que não fosse necessária a sua presença. Outros, a pretexto da ânsia de ir ao pote, deitaram tudo a perder. Veja só como será capaz de se defender o meu principal opositor. Deitou abaixo o PEC IV, pois o povo já não suportava mais sacrifícios, tinha um limite... dias depois, lá fora, diz que o PEC IV ainda é pouco, com ele ao leme vai ser mesmo a doer... Tinha dito que o IVA era cego e que não pensava aumentá-lo... depois já deu uma cambalhota e diz que o aumento do IVA é imprescindível... Alguém, no seu perfeito juízo vota neste catavento?!

RB__Jardim, o seu principal crítico na Madeira, disse em tempos que o senhor só ganharia se o povo sofresse da síndrome de Estocolmo; quer comentar?!

JS__Síndrome de Estocolmo? Deixe-me rir, isso é o que dizem os especialistas na matéria , acontece na Madeira e que faz com que algumas pessoas humilhadas e exploradas pelo seu regime ainda votem nas suas cores... é isso que acontece lá. Mas eu não sou psiquiatra, eu sou engenheiro sanitário e não quero entrar nesse domínio... iríamos muito longe, sobretudo no que toca à Madeira. Contudo, ao observar o seu blog, vejo que tem tratado o tema com a perícia de uma verdadeiro perito na matéria...

RB__ O que acha do conceito de igualdade perante a lei?!

JS__Acho que deveria imperar em todo o território nacional e parece que a Madeira está fora, há lá um microclima que não permite que isso aconteça. Não sou especialista em meteorologia mas admito que mais tarde ou mais cedo vai haver tempestade na Madeira e um tsunami vai levar dali pra fora o Dr Jardim e seus sequazes...

RB__Gosta se submarinos?!

JS__Não, destesto-os, espero não ter nehum no meu partido...

RB__Refiro-me aos outros, os que vieram da Alemanha...

JS__Olhe, ou me engano muito ou eles ainda vão atirar o porta-aviões do Caldas ao fundo... e fico-me por aqui que tenho uma reunião com o FMI.


Marcadores:

domingo, abril 17, 2011

Corrupção vs FMI

A corrupção não dorme... mas há que a domesticar custe o que custar...maior fiscalização, maior controlo e sanções eficazes é o que é preciso!


O país inteiro goza com esta caricatura de democracia- Maria José Morgado uma lutadora anti-corrupção, afirma que a presença do FMI pode potenciar o aumento da criminalidade neste âmbito. Não acredito. Julgo que uma das imposições do FMI será um controlo mais apertado sobre empreitadas e sobre gastos públicos diminuindo assim as probabilidades de corrupção. O país precisa de despedimentos mais fáceis, sobretudo na esfera política. Cito exemplos: Seria criado um dispositivo legal que fizesse perder o mandato a quem não cumprisse regras escrupulosas no cumprimento dos concursos públicos. Não seriam admitidas excepções e as urgências só devidamente fundamentadas por entidades de supervisão para isso criadas. Ministros, presidentes de câmara, administradores de grandes empresas sentiriam o lugar em perigo e pensariam duas vezes antes de prevaricar... O que se passa agora é que a lei é permissiva, admite excepções de forma tão aligeirada que de facto é incentivo à corrupção. Não é coercitiva. O país precisa de mudar para melhor. O FMI ao vir há-se trazer disciplina, controlo, mais fiscalização. Isso é o que faz falta neste país. O povo exige-o. A decência impõ-no!


Há até quem prefira a praxis do FMI à da UE!!!...


O país não tem tido rei nem roque. Faz falta uma tutoria eficaz, saudável, em nome do povo tão sacrificado. Os actuais e antigos governantes viveram sempre sem controlo. Os tribunais, eles próprios sentem-se incapazes, impotentes. Há que mudar tudo isso. O povo exige-o. A erva daninha da corrupção se não é passível de erradicação ao menos que seja desbastada ao mais alto nível...


Hoje, no JN( se ao clicar estiver apagado o artigo, digite JN.pt - sobre Zita Seabra), Zita Seabra, a comentarista, critica e vergasta forte nos comentaristas...Sublime esta autocrítica!Uma verdade iniludível!Ela, Zita Seabra, sabe do que fala! Pena é que o JN não tenha comentadores assim todos os dias!


A corrupção é tão grande que desmotiva os próprios votantes. Esta democracia é cada vez mais uma caricatura, um abastardamento, da vera democracia.



Marinho Pinto propõe mesmo a greve às eleições como cartão amarelo ao sistema. Na senda do que Saramago propugnou num dos seus romances. O país tem de manisfestar o seu descontentamento. Os deputados são eleitos por uma máquina de investidores nas campanhas. Os bancos e os barões estão por trás deles. Logo, eles não passam de marionetas, de vozes de um dono cada vez mais asfixiante e predador... É tempo de dizer não, à farsa! Democracia isto?! Há cada vez mais uma sanguessugocracia institucionalizada! Até os jornais são controlados por essa máfia infecta e putrefata. Veja-se que que se passa actualmente no JN!!!! Um nojo!!!Um dia publicarei algo que vai mostrar a face oculta deste jornal!



Flexibilização laboral já: presidentes de câmara corruptos, ministros corruptos... despedidos com justa causa!

UM PAÍS DE PAINELEIROS...

A praga acentuou-se nos últimos tempos. Eles andam por aí como gafanhotos. Na comunicação social são às centenas. No futebol e na política sobretudo o tema é enfadonho, saturante, aberrante mesmo. Já não há livres-pensadores, opinion makers independentes. Qualquer PAINEL é preenchido com meia dúzia de debitadores de cassetes que vão golfando banalidades atrás de banalidades, sempre repetindo-se e seguindo um guião pré-fabricado. Os cidadãos independentes que pensam pela própria cabeça que não estejam inseridos em correntes (aprisionados, acorrentados, algemados...) não têm hipóteses de surgir nos painéis, não podem opinar, ficam sempre no olvido...Os paineleiros devoram tudo e não fica nada! A partidarite e a clubite aguda em todos os domínios na nossa castradora e senil comunicação social. Será que o FMI também vai mexer aqui?! Ela (ver aqui) também já viu isto. Ninguém mais vê? Cambada de paineleiros! E O POVO, PÁ?! É por isso que isto tudo anda à rasca!

Marcadores:

sábado, abril 16, 2011

Se a moda pega...

Pastor pintou todas as suas ovelhas de cor laranja para evitar roubos.... Consta que Pedro Passos Coelho vai fazer o mesmo, por cá...

quarta-feira, abril 13, 2011

Também tu, Nobre?!

Declaro que fui convidado pelo PS e pelo PSD para deputado. Recusei liminarmente. Sou pela cidadania pura. Não quero promiscuir-me na política rasca. Tenho sangue azul... e branco. Sou soberano de mim. Odeio essa promíscua dívida soberana. Além disso quero continuar a aparecer nas TV's com ar puro e imaculado. Tenho vergonha na cara.

Conheço bem a lei da oferta e da procura... mas... como aprendi com o meu Mestre, sei bem resistir às tentações...

Não tenho telhados de vidro nem rabos de palha.Sou de Abril. E de Maio.


*****



Há gente que ostenta altruismo, generosidade, serviço à causa pública de forma desinteressada, contudo, quando envereda pela política, transforma-se, quer agarrar a oportunidade com unhas e dentes e é capaz de tudo... Veja-se Fernando Nobre. Segundo se pode ler aqui se não for eleito presidente da AR demite-se ! Quer apenas o penacho, a aura, a glorificação. Se a coisa der para o torto, bate com a porta e entrega o grupo (com o qual deveria ser solidário no melhor e no pior...) à bicharada! Tantos como ele vemos por aí, dizendo: se não for presidente da câmara vou embora, não quero ser vereador! É isto o estado a que chegámos. A cidadania travestiu-se de tachocracia!!! Estas pessoas não têm vergonha na cara?!

Marcadores:

«Se soubesse o que sei hoje...»












Alguns dos sub-produtos de Abril... imagem de marca de um regime que criou déspotas, Midas, barões, gangsters...sanguessugas do erário público...
Abril, de tachistas mil...







Otelo mostra-se arrependido. Ao ver o que vê hoje, o país com dois milhões de pobres (a maioria da população a passar dificuldades ) e endividado para o futuro próximo, enquanto alguns dos sub-produtos de Abril vivem à grande, com patrimónios fabulosos, auferindo chorudos proventos sem grandes contrapartidas. Otelo diz-se triste com o que observa. O país entregue a meia dúzia de chico-espertos que navegam no mar da prosperidade, como disse o Épico no seu tempo...Diz-se arrependido de ter feito o «25 de Abril».VER AQUI.



NOTA FINAL: Não é derrotismo, não é saudosismo do passado, não é doentio desentanto. É consciência do crime que alguns cometem diariamente, enriquecendo e fazendo enriquecer meia dúzia de amigos que ganham todos os concursos, por baixo da mesa, sem regras, sem escrúpulos, sem medidas corretoras à vista. Quem denunciar isto, corre o risco de ser condenado em tribunal pois há lá gente capturada, capaz de silenciar verdades e santificar mentiras...










Marcadores:

terça-feira, abril 12, 2011

FMI, o diabo?!

O país não pode continuar a diabolizar o FMI olvidando as causas profundas da sua vinda até nós. Há causas próximas e remotas. A saga da SLN e BPN (VER AQUI MAIS UM CARICATO EPISÓDIO), a aposta excessiva nas energias renováveis (só capazes de retribuirem retorno do investimento a médio prazo), a falta de uma legislação eficaz que puna os desvarios nas derrapagens (todos os partidos com assento na AR são responsáveis, uns mais outros menos) e que desincentive a corrupção em vez de a motivar (erradicar é impossível...), uma supervisão ineficaz, laxista e permissiva a todos os níveis: Banco de Portugal, Tribunal de Contas, Assembleia da República, assembleias municipais e até os próprios tribunais. O mau da fita não é o FMI. É, de facto, todo um conjunto de circunstâncias que desembocaram neste pântano de promiscuidades mil, de incentivos à fraude e à corrupção. O financiamento dos partidos, as ligações promíscuas ao mundo do futebol, as apostas em projetos de frouxa rentabilidade (nalguns casos), o peso excessivo de alguns segmentos do Estado que funcionam em paralelo numa sobreposição que só se compreende por motivações clientelares, as parcerias público-privadas e todo o estendal de facilitismos que redundaram neste caudal de prejuízos que ora se vislumbram, são de facto as diabólicas causas deste estado de coisas. Diabolizar o FMI é tapar o sol com a peneira! O país precisa de uma nova cultura, assente na verdade, na equidade. Precisa de uma nova justiça, mais pragmática, mais lesta, mais eficaz. Precisa de um novo paradigma moral. O culto do poder a qualquer preço, a ausência de um criticismo saudável, o seguidismo amorfo e e a fidelidade ao deus-partido são condições propícias ao desabrochar de ditaduras mesmo que ostentem rótulos democráticos... Na Alemanha o grupo Europolis já entregou um providência cautelar a fim de impedir a Alemanha de participar na operação de resgate a Portugal....

Marcadores:

segunda-feira, abril 11, 2011

OSCAR MASCARENHAS...







Meu caro Óscar Mascarenhas:




Sob a epígrafe «Meu caro Siza Vieira» lê-se hoje no JN(VER AQUI) um artigo de opinião de tua autoria onde, com o devido respeito e deferência para com a ilustre criatura chamada Siza Vieira, verberas de forma incisiva o facto de ter aposto a sua assinatura num documento pragmático, sensato, judicioso e necessário para alertar consciências e amainar radicalismos tolos.


Não sei nem me interessa saber quem são os co-autores do documento. Vejo apenas pelo seu conteúdo que é um documento prático, sem chinesices ideológicas, que todo e qualquer cidadão não toldado por sectarismos doentios assinaria sem rebuço. O país precisa mais do que nunca de senso comum. De espíritos arejados e práticos.


Não tenho partido, nem sou afeto a nenhuma corrente político-partidária. Já nem sei se sou de esquerda, ela está tão mal vestida hoje em dia que nem me reconheço nela. Deitei fora a gravata ideológica, procuro ser pragmático e uso o fato macaco do bom senso, às vezes a T-shirt do bom humor.


Espero que não te aborreças__ sei que tens maturidade e poder de encaixe__ se te disser que a tua prosa de hoje me fez sorrir. Aqui está o Óscar, que conheci na FAP __ num plenário em Monsanto, onde me defendeste com dignidade e carácter, após ter sido transferido da BA7 para a DSINST por ter cumprido uma ordem do próprio comandante e este depois me ter acusado de falta de bom senso...__ei-lo aqui em todo o seu esplendor, vestindo a pele de uma vestal imaculada! Um autêntico árbitro de elegâncias morais!!!


Siza, o maduro e sensato Siza, deve ter sorrido também. Com bonomia, com aquele doce sorriso dos sábios humildes e que se recusam a subir ao patamar da quinta-essência...


Meu caro, esta postura de Siza Vieira não é a de um vendido, de um traidor, de um vira-casacas, mas de um homem experiente, caldeado pela vida, fiel ao seu estatuto de arquiteto da alma, pintor da estética vivencial, paisagista da condição humana...


Um abraço do ex-alferes miliciano Pilav e Tocart : José Manuel Figueiredo Leite de Sá


(FAP de 1969 a 1975).

Marcadores:

domingo, abril 10, 2011

País dos sempre em festa!


Angela Merkel:
«Em Portugal, no verão, há euforia total. A economia está deprimida, anémica. A cerveja portuguesa faz gastar, gastar, enquanto a alemã faz trabalhar, trabalhar...»

Solução: mudar de cerveja! Talvez faça falta a cerveja... Juízo...




Portugal precisa de um compromisso nacional!

Investimento produtivo em vez de despesismos estéreis, obras faraónicas, festejos e comemorações por tudo e por nada...o Estado está falido, desmantelado....

A política do «quem vier atrás que feche a porta» deu no que deu.

Mea culpa! Prá frente Portugal!



O país sofre os excessos cometidos por todos. Mas alguns foram exemplares. Quem não se recorda daquela boutade de Menezes dizendo que o seu foguetório era melhor que o do Rui Rio? Ridículo, patético, infantilismo puro... e este, sorrindo e concordando... norteava-se por valores de racionalidade económica... era o bom senso contra a delapidação infrene!

Jardim, dando milhões atrás de milhões ao falido jornal da Madeira!

A sua irracional política de urbanização, plantando prédios onde deveria haver espaços arborizados, deu no que deu. As ribeiras Bravas zangaram-se de vez e mostraram essa monstruosidade urbanística. Pagou o desgraçado do Contenente e a Europa toda...

Santana, chamando aquele famoso arquiteto americano, gastou balúrdios para nada se fazer no Parque Mayer. Tudo pra inglês ver, tudo para o lixo!!!


O país está cheios de jardins.... Obras caras sem grande valor utilitário: Foruns, Centros Cívicos, estatuetas por tudo e por nada, formas de esbanjamento e de clientelismos fáceis...

Os próprios bispos não denunciam os abusos das festarolas de verão, só foguetórios e mais foguetórios, pouco ficando para obras e realizações úteis. Os pomposos S. Antónios, S. Pedros e S. Joões são autênticos sorvedouros. Passerelles de vaidades mundanas. Um clima de despesismo estulto foi-se instalando no país. Alguns estranharam, mas depois a coisa entranhou-se de tal forma que quem criticasse era parolo ou atrasado...Os gastadores sempre foram populares... ou populistas? Os gastadores acusam-me mutuamente...


A moda é gastar, gastar, gastar... o dinheiro do contribuinte é elástico, chega pra tudo! há que fazer farras e mais farras, o dinheiro público dá pra tudo! A grande farra vai terminar...

Fundações, institutos públicos, convénios público-privados, estudos e mais estudos: arquitetos, advogados... tudo para saciar clientelismos abusivos...

Quem criticava, era apontado a dedo. Era excomungado. Era votado ao ostracismo. Perseguido até. Ser popular era sinónimo de despesista, perdulário. Euforia e embriaguês totais!

Hoje vemos Jardim que lá continua a silenciar adversários para só ele falar, como todos os ditadores, que querem falar sozinhos. Tirano do mais baixo quilate, usa a censura de forma mafiosa, subtil...Diz-se líder da máfia boa... A social democracia cora envergonhada com este espécime tão pouco ortodoxo!!! Ninguém ousa dizer que a maçã (leia-se: laranja...)está podre!!!

O Contenente pagou e continua a pagar as suas loucuras. Ele, agora diz-se vítima, o ingrato, o hipócrita...E há tantos jardins por aí. Repare bem, deve ter algum bem perto de si! No supermercado, no cinema, talvez no café!...

Marcadores:

PR demite-se!!












Em plena campanha eleitoral este homem mostrou-se disponível para enfrentar todos os desafios que a crise já deixava vislumbrar. Agora, lava as mãos, como Pilatos...

Coerência? Onde está o sentido ético, o patriotismo, a capacidade de supervisão?

Enfim, mais um triste corta-fitas, confinado a papel passivo/amorfo...



Pasme-se! Cavaco Silva diz que não intervém no sentido de corresponder ao apelo para os partidos se entenderem numa plataforma de cooperação em ordem a um consenso mínimo no tocante ao resgate para salvar a economia nacional da bancarrota!!! Onde está a magistratura de influência?! Diz que não é governo! Pois não, mas é o preisdente de todos os portugueses, ora se os partidos são a emanação da vontade de todos eles, deve ser um coordenador e servir de charneira para limar arestas e estabelecer contactos. No mínimo o presidente de todos os portugueses deveria estar disponível para esse diálogo. Se ele não for frutífero, isso é outro assunto...Agora, indisponibilizar-se, ab initio, para uma tarefa de elevado pendor patriótico, é, no mínimo, estranho...

A oposição uniu-se no combate ao PEC IV. Segundo eles, era «demais», era sacrifício demasiado para o povo. Agora, para serem coorentes consigo próprios, poderão dizer a mesma coisa e recusar o resgate e até mais sacrifícios como se vislumbra face às exigências dos credores. A quem compete este diálogo?

A união europeia é a mãe de todos os Estados. O chefe de Estado recusa a tarefa de mediador. Se o governo recusar, tem motivos para isso face ao chumbo do PEC IV, quem vai ser o intermediário? E se os restantes partidos, por calculismo eleitoral, recusarem?

Marcadores:

VERGONHA NACIONAL

Um livro que relata as tropelias cometidas na Madeira em nome de uma social-democracia que só tem o nome mas que na prática cheira a nazismo obscurantista tem dificuldades em ser apresentado. Segundo relata o EXPRESSO várias portas se têm fechado. Porquê?! Porque num Portugal que se quer livre e pluralista a peçonha totalitária, o ranho fascizante, a trampa fascistóide impera e reina na formosa ilha. Até quando se permitirá isto?!

sábado, abril 09, 2011



sexta-feira, abril 08, 2011















O edifício economicofinanceiro implodiu. Já era previsível. Os dados iam sendo cada vez mais evidentes. Chegou a hora de mudar de vida. Apontar a dedo os responsáveis. Fazer diagnósticos e tratar da cura. A bolha despesista rebentou. Os veros responsáveis onde estão? Quem falhou? Que medidas tomar no futuro? Os decisores políticos que estiveram na génese deste descalabro devem ser punidos. O povo exige-o. Não pode continuar tudo na mesma. O esquema era este: o agente económico patrocinava a campanha e depois cobrava-se da factura. À custa de empreitadas por ajuste direto, com derrapagens astronómicas, obras a mais sem justificação plausível, enfim um fartar vilanagem! Um discreto sistema de vasos comunicantes fazia diluír os proventos entre agente económico beneficiado e decisor político. generoso, atento e venerador.. __.apartamentos, lojas, enfim, mordomias várias... Ainda há dias um conhecido dono de hipermercados usava despudoradamente a comunicação social para impor candidatos a ministros de sua confiança. Outros, mais discretos, usarão o telefone ou o email... Depois, quando os designados estiverem no poder, poderão dizer como aquele conhecido e venal dirigente desportivo apanhado nas escutas, dirigindo-se a um árbitro:«lembra-se do que fizemos por si no verão passado?» A pouca-vergonha continua. Freitas do Amaral, sem papas na língua, punha a boca no trombone e acusava o Tribunal de Contas de nada fazer para sancionar estes crimes. Não me consta que o TC o processasse por calúnia ou difamação...todos sabemos que é a verdade nua e crua. Todos farinha do mesmo saco. O povo, o eterno destinatário das facturas finais vai pagar caro os desmandos destas criaturas. E elas?! Usando e abusando da comunicação social (dominada pelos agentes económicos amigos...) perorarão quotidianamente, enxofrando os leitores com autoelogios bacocos, panegíricos sem fim, balelas para fazer boi dormir ou hipopótamo ressonar... Nomes?! Nem vale a pena citar. Câmaras ultra-endividadas, obras faraónicas mais feitas com o objetivo de alimentar clientelas do que servir o povo. Estudos para deitar ao lixo mas alimentando a gorda conta bancária de arquitetos famosos. Paga o povo. Paga o contribuinte. Se não houver uma revolução de mentalidades, tudo continuará como dantes... quartel general em Abrantes!

Marcadores:

Oposição ou refugo?


O partido socialista tem gente capaz de dar uma nova imagem e revivificar um socialismo que esteve na gaveta. Mas este Narciso Miranda é a antítese do que se pretende, ele é o rosto da intriga palaciana, do primado dos interesses mais mesquinhos, ele simboliza um velho PS onde impera a manha, a venalidade, até a traição aos ideais mais puros de justiça e de seriedade.


Mas faz falta ouvi-lo falar e ver que rostos como António José Seguro, Jacinto Serrão, Ana Gomes fazem falta cada vez mais ao país. Narcisos jamais!


Este «senhor de Matosinhos» já saíu do altar há muito e não deixou saudades...


Valha-nos o verdadeiro Senhor de Matosinhos!!!

quinta-feira, abril 07, 2011

FINALMENTE, O FMI... VEM AÍ...

E agora Zé, tu vais ver a lata daqueles que reprovaram o PEC 4 dizendo que era «demais» vergando-se de forma servil e hipócrita a todas as exigências formuladas pelos novos credores. Cambalhotas e mais cambalhotas. O país já antevia isto... estivemos a pagar juros altíssimos, esticamos a corda até ela rebentar... A pergunta que o Zé povinho faz é pertinente:_ __Quanto pouparíamos todos nós se em vez de discursos fanfarrões e excessivos tivessemos optado pelo invitável recurso ao FEEF e FMI há mais tempo?

terça-feira, abril 05, 2011

«Grande sarilho» diz Basílio Horta...

Este homem era um otimista incorrigível...

Tarde demais, virou arqui-pessimista...


Aquilo que hoje diz Basílio Horta no DN(VER AQUI), já eu o tinha dito há muito. Estamos a caminhar para o FMI. Por culpa de quem?!




1- Do governo. 2- Da oposição. 3- Do PR.




1- Nada fez para evitar a degradação da situação económico-financeira. Não acreditou nos «pessimsimos» de vários cronistas que avisaram com a devida antecedência. Sempre com uma calma artificial e forçada, com sorrisos de tranquilidade artificiais, permitiu que a espiral de endividamento subisse de forma incomum. A culpa é dos mercados? Sim, mas eles agem sempre assim, se cá dentro dermos sinais de má governação, de esbanjamentos imprudentes, de satisfações de vícios corporativistas e de classe...e não faltam exemplos!






2- A oposição que usou o pretexto de uma falha no relacionamento (não apresentação do PEC-IV na AR antes de o apresentar na «capital do império»)... Seria motivo para o derrube do governo e toda a série de calamidades que ora se vêem?! Penso que não.

Disse-se que o PEC -IV era demais, era penoso demais para a população. Lá fora, PPC disse, mais tarde, que era insuficiente!!! Temos gente com coerência!!!




3- Nada fez para criar estabilidade. Fez um discurso divisionista na tomada de posse, incentivou as clivagens, acirrou os ânimos. Deitou gasolina numa fogueira de mediana dimensão e ele alastrou a toda a Europa!!! Ele, que era um otimista convicto__quando nós, os prudentes, íamos alertando o país para o perigo iminente(VER AQUI)__ tornou-se num hiper-pessimista! doentio demais para o que fazia falta ao país!

Ver meu post de 20 de Maio de 2008 (RESISTIR AO PESSIMISMO).

Pateticamente, anda agora a pedir unidade! Faça o favor de ler o seu discureso de tomada de posse! Moralmente, também o PR tem culpas (e muitas) no cartório...

Alguma vez se ouviu ele criticar os desmandos na banca, os banqueiros corruptos, os crimes de lesa-economia perpetrados por gente que se fartou de apaparicar? As fugas de autênticas fortunas para paraísos fiscais? O seu silêncio é aterrador...

segunda-feira, abril 04, 2011

Neste mapa, minha querida, está tudo à vista, na Junqueira há dois rios formidáveis, o Este e o Ave, tão românticos, não imagina o que seria passar uma semana na Espinheira, junto ao rio Ave, ouvindo os passarinhos a cantar em Tougues e passear de barco naquelas águas tépidas... Um paraíso terreal...

Entrevista com... o FMI!
















*******************************************************************

__Sabes Sarkozy, por vezes tenho pena dos portugueses...

__Porquê, querida?!

__Sempre com medo de tudo, com tantas capacidades, tantas qualidades extraordinárias, mas sempre com receios infundados lançados como «papões»...cá em França o nosso Obelix só tinha medo que o céu lhe caísse em cima...era corajoso.


***********************************************************************************


__Senhor FMI o que pensa de Portugal?

__O mesmo que já diziam os romanos: um povo que não se governa nem deixa governar...

__Mas, há lá tantos crâneos ganhando fortunas... nos postos-chave.

__Só sabem roubar, roubar, vender coisas boas ao desbarato para amigalhaços e comprar coisas caras que não servem para nada... olhe os submarinos, uma fortuna, nem para vigiar a costa, nem estão apetrechados para um combate sério... uma anarquia total este Portugal. Armaram-se em mecenas em Cabora Bassa, esbanjaram dinheiros comunitários em carros de luxo e casas apalaçadas, há fortunas ocultadas em off-shores...uma vergonha. Uma cambada de corruptos nos centros de decisão. Veja o Tribunal de Contas... tanta pouca vergonha e há tanto crime impune! Nós ouvimos o que disse o professor Freitas do Amaral, era bom que o T de contas também não fizesse ouvidos de mercador! Nem tugiu nem mugiu!

__Mas, Portugal não tem cura?!

__Uma cura de pauperização forçada, pena é que pague o justo pelo pecador. O dinheiro que foi lançado às golfadas, em torrentes, para a reforma estrutural foi mal gasto, criaram um monstro despesista que ainda hoje subsiste. Esse monstro tem os seus pais. O principal está ao leme da nação. É ele o principal responsável mai-los seus acólitos. Agora, chamam-me monstro a mim. Fazem o mal e a caramunha. Hipócritas, liberticidas, ladrões do futuro...

Enfim, Portugal tem coisas supérfluas a mais: políticos, generais, fundações, organismos parasitários do Estado...corrupção por demais...

Contudo tem coisas a menos: supervisão, ética, justiça eficaz, empregos, gente séria...

__Ladrões do futuro? Mas, como, se ele ainda não chegou?!

__São safados, sabe. Ele (futuro) ainda nem sequer nasceu e já está hipotecado!

Por alguns políticos...arvorados em Midas de trazer por casa....

Marcadores:

sábado, abril 02, 2011

Não tenhas medo do FMI... ele está ali....


«Não tenhas medo, Mário Soares também não teve, é amargo, é como o óleo de fígado de bacalhau... mas tem de ser... deste cabo da saúde financeira do país... arruinaste a economia...

ris demais... mas o povo já não ri


«Eu tenho muito medo dele, dizem que é o gigante Adamastor... e nos vai comer a todos... tenho medo, muito medo!...»

Marcadores:

Começa agora..(.FICÇÃO...)

__Meu caro, você vai ser o futuro primeiro-ministro, não duvide. Quero que opte por estes três deputados que são de minha inteira confiança, ministeriáveis, sem dúvidas... __Compreende, não posso receber sugestões dessas, há órgãos, há requisitos legais... __Não me venha com tretas, homem de Deus. Veja o Sócrates, veja como ele fala, ouça as escutas... «as leis são pra contornar»...diz ele bastas vezes... não seja otário, isto é para os espertos... as leis, sempre a trampa das leis, as leis não tên afetividade, não trazem votos, eu e outros como eu é que o colocamos no poleiro, não seja escravo de formalismos legais, seja pragmático, quero gente com carácter, fiel... __Se for primeiro-ministro, compreenda, sr engenheiro, não posso ser um pau-mandado, mais uma «voz do dono»... __Aí é que se engana, eu exigo fidelidade total, carácter, senão... rua! É esse o meu lema, é isso que prego todos os dias aos meus colaboradores, fidelidade, fidelidade, fidelidade. Só assim serei e continuarei a ser um líder na plena acepção. Se quer os meus três deputados terá de falar comigo noutro tom, senão desligo e ... nunca mais... __Por favor, não se amofine senhor engenheiro. Eu tenho carácter, sou fiel, mas não sou escravo nem cachorro de ninguém, tenho princípios, os deputados que me aconselha não são «seus»... __Você está quase como Cavaco, eu tinha no governo quatro (veja bem: QUATRO) ministros meus, e ele, sem dar cavaco, tirou-mos todos... se vai por aí não conte comigo. Os meus colaboradores estão autorizados a dizer que não são a «VOZ DO DONO», mas são-no de facto, perante a realidade, perante mim. Exijo isso. Eles já sabem o que a casa gasta. E o senhor ponha-se a pau... senão eu destru-o. Eu tenho um império. Aliás, vários. Na comunicação social, na indústria, no comércio, até nas universidades tenho os meus homens. Lembre-se disso. Ou é por mim, ou contra mim! __Mas... senhor engenheiro, eu já tenho uma grelha de predicados e esses senhores deputados não encaixam nessa grelha, se quiser mudar... estaremos disponíveis para equacionar... O telefone desligou abruptamente. O grande chefe fato de seda voltaria a ligar, mais tarde, pedindo desculpas e usando voz de veludo e pinças na linguagem... vergara. Mas era apenas a táctica número dois... e ele tinha tantas como os dedos das mãos...

Marcadores:

sexta-feira, abril 01, 2011

Entrevista com o Zé Povinho

Se Oriana Falaci fez a sua célebre «Entrevista com a História», nos anos setenta, por que não eu fazer uma entrevista com o «nosso» Zé Povinho?!


__Zé, que achas do momento político actual?!


__Dizer que é grave é pouco. Não temos governo, não temos instituições, não temos clima de confiança...Tudo faliu, até a justiça...


__Isso não será pessimismo? __Não, não é. Julgo que Cavaco Silva vai convocar eleições. É um erro crasso. Nada resolve. Vai agravar ainda mais a situação... Eu se fosse PR, faria como fez o general Eanes numa altura difícil, nomeava um governo de iniciativa presidencial. O parlamento, onde os partidos ditam, criou a actual situação, bloqueou o prosseguimento de uma governação apenas pelo aspecto formal, a não apresentação na AR do PEC antes de o levar a Bruxelas, daí...


__Mas isso vai contra a democracia formal, o semi-presidencialismo, o respeito pela AR. __Estamos numa situação pior do que quando Eanes nomeou Mota Pinto. Os eleitoralismos são tão exacerbados que danificam a estrutura económico-financeira. Nascem godinhos, mecenas que depois vão cobrar o esforço na campanha. Quem paga? O Estado obviamente, o Zé, em última instância. Ora, neste momento difícil, era preciso criar um governo forte, sem olhar a sondagens, sem se preocupar com votos, sem ter que pagar/prestar vassalagens a hipotéticos mecenas. De salvação nacional, de mãos limpas e mãos livres...


__Zé, tu falas bem, mas aceitarias ser primeiro-ministro?!


__Claro que não. Pertenço à maioria de otários... não sou digno de ir para Belém, não pago favores, não dou prendas, não tenho «listas» para gratificar ao fim do ano...Sou um pobre Zé, simplesmente Zé!